Encefalopatia espongiforme bovina (BSE) em …

Encefalopatia espongiforme bovina (BSE) em ...

em um BrasilEm 4 de setembro de 2021, as autoridades sanitárias do estado de Mato Grosso notificaram à Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) um caso deencefalopatia espongiforme bovina (BSE) em uma fazenda com 539 cabeças de gado em colisor, No Mateus Grosso. O sistema de vigilância da encefalopatia espongiforme brasileira (EEB) detectou um caso de doença atípica da vaca louca tipo H. A amostra foi retirada de uma vaca bovina de 11 anos destinada ao abate em abatedouro.

Após a detecção da presença de antígenos príon no Laboratório Nacional de Defesa Agropecuária do Estado de Pernambuco (LFDA / PE), o diagnóstico foi confirmado por Western blot para detecção de antígenos (Western blot Ag) na Agência Canadense de Inspeção de Alimentos (CFIA), Centro Nacional for Animal Diseases (NCAD) Laboratório Lethbridge, laboratório de referência da OIE.

Este é o quinto caso de doença atípica da vaca louca identificado em 23 anos de observação no Brasil. O último caso foi descoberto em 2019.

Um lembrete sobre a encefalopatia espongiforme bovina (BSE)

EET (ou doenças de príon) são doenças neurodegenerativas que afetam o sistema nervoso central (o cérebro e a medula espinhal). Eles afetam certas espécies animais (vacas, ovelhas, cabras, felinos, visons, veados), bem como os humanos. Eles são causados ​​por agentes infecciosos atípicos (UTAs), também chamados de príons. Esses fatores seriam exclusivos da proteína na natureza. As lesões observadas estão localizadas no cérebro e formam cavidades dentro dos neurônios, daí a natureza esponjosa dessas doenças. Uma proteína anormal se acumula em alguns tecidos. Esta proteína anormal é específica para essas doenças e é procurada durante os testes de triagem para TSE.

READ  Fornecer fotocópias de cartas de crédito ao Ministro das Relações Exteriores: Novos Embaixadores do Brasil e da África do Sul no Benin

Vários tipos de TSE foram descritos em humanos (principalmente doença de Creutzfeldt-Jakob e variante da doença de Creutzfeldt-Jakob (vCJD) e em animais (doença da vaca louca).

encefalopatia espongiforme bovina (BSE) Ele existe em uma forma chamada “clássica” e atípica.

forma clássica

A BSE clássica foi descrita pela primeira vez em 1986 no Reino Unido (UK). Desde então, foi observado em mais de 19 países, incluindo a França. É chamada de “doença da vaca louca” e geralmente afeta o gado com idades entre três e seis. Uma rápida associação foi estabelecida entre BSE e consumo de farinha de carne e ossos (FVO). Este último veio de carcaças recicladas de bovinos (85%) e ovinos (15%), bem como de resíduos de plantas introdutórias. Esta farinha animal foi reintroduzida na alimentação animal, especialmente vacas, na forma de suplementos protéicos. Na década de 1970, o contexto dos choques do petróleo no Reino Unido reduziu os custos de produção de pó animal, principalmente ao baixar a temperatura dos processos de fabricação. Ao mesmo tempo, o hexano, um tratamento tradicionalmente usado para extrair gordura da farinha, foi descontinuado. Essas modificações de fabricação resultaram na ausência de inativação do agente BSE. A origem da poluição inicial não foi totalmente compreendida e duas hipóteses foram consideradas. A farinha animal pode ter sido contaminada por carcaças de ovelhas raspadas ou por um caso espontâneo de BSE introduzido na linha de produção. A comercialização de animais infectados na fase assintomática e suplementos nutricionais derivados de farinhas de origem animal levou à rápida disseminação da BSE para outros países. A doença da vaca louca teve grandes repercussões econômicas associadas à destruição completa dos rebanhos. A BSE é uma doença de notificação obrigatória desde 1996 na França. Afetou oficialmente cerca de 200.000 cabeças de gado, 94% das quais no Reino Unido.

READ  ECOLOGIA, LE AO VIVO - “Abuso de linguagem”: Cese está se dirigindo ao governo em um projeto de lei sobre o clima

O uso de farinhas de origem animal é proibido. Desde então, casos muito raros foram relatados. A origem desses casos permanece inexplicada, indicando outro padrão de contaminação ainda não identificado ou a persistência do agente da BSE de forma intermitente.

Em humanos, a variante da doença de Creutzfeldt-Jakob (vCJD) identificada em 1996 em pacientes anormalmente jovens que apresenta sinais clínicos distintos das formas clássicas de CJD, é o resultado da contaminação de humanos com um agente da encefalopatia espongiforme bovina (BSE)) é transmitida pelo consumo de tecidos, especialmente o tecido nervoso de animais infectados.

formas atípicas

Em 2004, foram identificados dois novos perfis bioquímicos, correspondentes ao que mais tarde se denominou doença atípica da vaca louca (a análise da forma anormal do PrP permitiu identificar a forma da Tipo L. e forma Tipo H.) Essas formas são raras e afetam o gado com uma vida média de 12 anos. Foi sugerida uma origem comum para a BSE “clássica”. Foi levantada a hipótese de que as formas atípicas estariam na origem da forma clássica da BSE. A transdução do fator BSE do tipo L inicialmente descrito na Itália é altamente eficaz in vivo, em contraste com a transmissão do fator BSE do tipo H inicialmente descrito na França.

Referências: (1) Ansis. Encefalopatia espongiforme transmissível (EET) ou doenças por príons. Atualizado em 23/08/2016. (2) Rontard J. Avaliação experimental dos riscos de príons associados a vetores assintomáticos em humanos e macacos. Biologia molecular. Universidade de Ciências e Letras de Paris, 2018. Francês. ffNNT: 2018PSLET008ff. Fusível -02294400.

Fonte: Organização Mundial da Saúde Animal (OIE).


You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *