Então vamos dançar?

Em discotecas, bares e festas privadas, a dança só leva ao fim da noite. Roomba, mambo, salsa, electro, kizumba … para dois ou solo, os estilos variam com o tempo. Mas nunca foi necessário. Fechar boates não mudará nada.

Como é a dança kizomba: a uma distância respeitável do (a) seu (sua) parceiro (a) ou apertada? São oito horas desta terça-feira e, para as cerca de trinta mulheres e homens que se aventuraram no péssimo andar desta sala no coração da Chinatown de Paris, a questão é fundamental. É urgente agora que o locutor emita batidas eletrônicas lentas e uma emocionante melodia latina. Curso de iniciante iniciado. Corpos tímidos, sorrisos congelados e todos sabiam que estariam acariciando estranhos a noite toda na opção de alta rotação. Com um microfone diante de seus lábios e Laura em seus braços, George, o professor de kizomba, entrega suas instruções enquanto circula elegantemente: “Não nos tocamos com a pelve, mas sim com o tronco. É importante para a comunicação.”

Kizumba Significa “festa” na língua Kimbundu, uma das principais línguas faladas em Angola. Depois de se espalhar no final do século passado na África de língua portuguesa – Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde – esta dança de marcha exportou a sua fragilidade de comunicação para Portugal e Inglaterra e depois para a França há dez anos. Ao longo do caminho, a chamada kizomba tradicional felizmente mudou, tornando-se chave urbana Em contato com a cultura R’n’B e hip hop. ou “fusão kizomba”, a variante ensinada por George, Uma dança elegante que inclui passes de tango. E foi assim que a kizomba e seus derivados vieram para expandir o estoque infinito de danças de pares ou de grupo: valsas, tangos, salsa, samba, bachata, lady hop, rock, country, java, tainha, mazurk, danças … mencionamos isso realizamos sozinhos, criações Puras definidas pelo clima do momento, o grau de inibição, o senso de ritmo e a flexibilidade, que todos sabem que seriam exatamente o oposto fora do cenário festivo. Este é o grande mistério da dança: o que diabos está acontecendo conosco? Como podemos explicar que desde o início da história, em todas as sociedades humanas, devemos vacilar no mesmo ritmo? Esta atividade nos enche de alegria?

READ  Uma cena final de Parksense
  • pagamento seguro
  • sem compromisso
  • Cancelar inscrição simples

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *