Entrevista. Arno Martin: “Dizer a verdade e o desejo de um mundo melhor energizam os jovens africanos”

Le Courrier de Kinshasa (LCK): Como você deve apresentá-lo aos leitores?

Arno Martin (AM): Meu nome é Arno Martin. Estou fazendo um documentário sobre Yannick N’Salambo fazendo capoeira com jovens em Limete. Por mais de dez anos, ele buscou dar-lhes um novo apreço por si mesmos por meio dessa arte do Brasil importada por escravos, principalmente os congoleses, que importavam parte de sua cultura para lá. Yannick está tentando mostrar que os congoleses têm uma cultura milenar que os jovens herdam e da qual podem se orgulhar. Eles podem usá-lo e ter um futuro melhor.

LCK: Em que se baseia a sua história?

Sou : Descrevo a forma como Yannick os conduz e em particular também a menina, Deborah, que seguiu seus passos tanto que hoje abriu três escolas de capoeira em Kinshasa. Eles fazem um ótimo trabalho, que considero muito poderoso. Fazem isso na rua e oferecem cursos gratuitos aos jovens para que possam transmitir esses valores, se tornar cidadãos e se levantar. Esta é a história em que estou porque me interessa.

LCK: Eles estão trabalhando em sua auto-estima por serem meninos de rua? …

Sou : Não ! Mas esses são jovens de ambientes desfavorecidos com idades entre 5 e 26 anos. Eles vêm de várias áreas de Kinshasa, que muitas vezes não podem frequentar a escola ou desistem no meio do ensino médio. Yannick os incentivou a voltar à escola e tentou fazer parceria com faculdades e escolas secundárias para levá-los aos exames estaduais. Este projeto educacional me interessa. Vejo o projeto de Deborah quando as meninas muitas vezes estão fora da escola porque vão se casar, haverá um dote a ser pago e preferimos investir em meninos. Yannick luta contra essas práticas, ele quer cidadãos congoleses treinados envolvidos na melhoria da vida na comunidade. E na minha opinião, o futuro do Congo e da África, e até mesmo em outros lugares, passa pela juventude, pela educação e pelos transportes, o que é muito importante. Isso será feito especialmente por meninas, e a situação não melhorará se suas necessidades não forem levadas em consideração.

READ  Clubhouse offered direct production of the Lion King, and thousands retreated

LCK: Como você começou a gravar o filme?

Sou : Fotografo Yannick e Déborah desde 2016. Uma ou duas vezes por ano venho para Kinshasa e acompanho o andamento de seus projetos com eles. O filme narra o desenvolvimento de seus projetos e as dificuldades que enfrentam por falta de recursos. Isso impede o sucesso total do que Deborah promete. Por sua vez, Yannick, apesar de ser empresário, também enfrenta muitas dificuldades. Isso será revelado no filme que também conta como a sociedade congolesa resiste ao desejo de mudança desse jovem. O objetivo não é atirar pedras em ninguém ou fazer uma investigação, mas sim contar a realidade e o desejo por um mundo melhor que anima a juventude africana.

LCK: As filmagens ainda estão acontecendo, onde você está?

Sou : Ele continua, não resta muito, apenas o fim pode ser encontrado. Começo a editar, mas nos documentários mudamos constantemente entre o campo e a escrita para seguir em frente porque se alimenta da realidade. Nunca pedi a Yannick ou Deborah para fazerem coisas para mim. Eu os imagino em suas estacas de vida quando estou lá.

Deborah, uma jovem professora de Capoeira (DR)LCK: Você está planejando terminar o filme este ano?

Sou : Infelizmente, mal consigo encontrar dinheiro para terminá-lo, colocá-los juntos é muito complicado. Não é preciso muito. Para um documentário clássico, custará entre US $ 250.000 e US $ 300.000. Se eu tivesse menos de $ 100.000, ficaria feliz. Não vou pagar por mim, não importa porque é um projeto muito caro ao meu coração. Conheci a família Yanks em 2012, e desde então tenho vontade de fazer um filme sobre eles. Se eu encontrar o dinheiro, acabo, mas é muito difícil. Para o diretor branco, há muito pouco financiamento para fazer filmes na África. Canais na Europa não estão muito interessados ​​em tópicos africanos. Além disso, o setor privado não financia esse tipo de documentário. Os canais de TV procuram fazer mais pesquisas com furos do que sobre temas sociais, onde contamos a vida das pessoas. E não estou no processo. Estou tentando encontrar o pequeno caminho que me levará até o fim. Espero fazê-lo em 2022 e poder apresentá-lo em Kinshasa.

READ  Cheick Cissé, medalha de ouro, que faz a Costa do Marfim amar o taekwondo

LCK: Este filme é destinado a um público específico?

Sou : Não quero fazer um filme feito para agradar a quem eles amam. Prefiro fazer um filme feliz. Capoeira é demais, é também um filme de artes marciais, um filme de ação. Quero poder falar a um público europeu porque acho muito importante explicar o que as pessoas estão passando aqui no Congo. Deve ficar claro que as pessoas não têm ideia. Eu também gostaria que Yannick fosse um modelo para os jovens africanos. Eles podem pensar: “Eu também posso ser um empreendedor, montar coisas ou dirigir minha empresa”. E ser Débora como modelo para as jovens negras, como elas dizem a si mesmas: “Eu também posso ser uma mulher forte, dirigir minha vida e construir meu futuro”. Quero que o filme seja exibido na África para despertar a consciência e os apelos.

entrevista por

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *