Entusiastas de videogame ajudam a desmistificar o microbioma intestinal

Entusiastas de videogame ajudam a desmistificar o microbioma intestinal

MONTREAL – Milhões de fãs de videojogos transformaram-se em cientistas, por alguns momentos, e ajudaram a compreender melhor o microbioma intestinal, como parte de um projeto liderado por um investigador da Universidade McGill.

O minijogo Borderlands Science, semelhante ao lendário jogo Tetris, foi integrado ao Borderlands 3, um jogo de tiro em primeira pessoa desenvolvido pela Gearbox.

Ao agrupar elementos semelhantes, os participantes nesta iniciativa de ciência cidadã ajudaram a esclarecer as relações evolutivas de mais de um milhão de espécies de bactérias que vivem no intestino e a melhorar drasticamente a apreciação das relações entre estes micróbios.

“Os jogadores nos ajudaram a melhorar a análise de fragmentos de DNA de milhões de micróbios”, explicou o principal autor do estudo, professor Jerome Valdespol, da Escola de Ciência da Computação da Universidade McGill. Queríamos comparar essas partes para entender a evolução da relação entre as espécies.

Foi dito que os humanos são capazes de resolver problemas que mesmo os algoritmos de computador conhecidos mais bem-sucedidos não conseguiram resolver.

O professor Valdespol explicou que normalmente um humano ou uma equipe de humanos analisa os resultados gerados pela inteligência artificial para corrigir erros que inevitavelmente surgem. Mas neste caso, a quantidade de dados a analisar era tão enorme que optámos por parti-los em pedaços que depois foram apresentados aos jogadores em forma de puzzle.

Os jogadores então tiveram que agrupar as partes que consideravam mais semelhantes. Os pesquisadores verificaram então se havia consenso entre os participantes quanto às semelhanças observadas.

“Por exemplo, se 80 em cada 100 jogadores identificam o mesmo padrão, isso é um bom indicador para nós de que é potencialmente algo interessante”, explicou o professor Valdespol.

READ  Google inexplicably removing wide-angle astrophotography from Pixel phones

esperado

Borderlands Science foi apresentado aos jogadores como um jogo de arcade que eles poderiam acessar durante uma pausa no jogo, como enquanto seu personagem estava se curando ou quando seus amigos estavam em uma missão.

Um vídeo de três minutos apresentado pela atriz Mayim Bialik mostrou que eles estavam prestes a contribuir para um projeto científico.

A atriz explica que os dados gerados serão apresentados a toda a comunidade científica e que “a investigação poderá levar diretamente a um catálogo global de todos os micróbios conhecidos, o que poderá levar a novos avanços nas áreas da alimentação, medicina e exercício físico”.

Os jogadores participantes também ganharam “moeda” que poderiam gastar para melhorar seu caráter.

“Não tenho dados para validar isto, mas sinto que aumentou o desejo dos jogadores de participar (…) porque o tempo que passam a jogar será usado para fazer coisas boas”, disse o professor Valdespol.

Ressaltamos que os dados que permitiu recolher representam um “enorme aumento” em relação aos anteriormente recolhidos sobre o microbioma. Em meio dia, os jogadores do Borderlands Science coletaram cinco vezes mais dados sobre sequências de DNA microbiano do que os participantes do jogo anterior, Phylo, coletados em dez anos, disse o professor Valdespol.

Um comunicado de imprensa explicou que os resultados do projeto “enriquecerão significativamente o conhecimento do microbioma e permitirão melhorar os programas de inteligência artificial utilizados neste campo”.

A análise do microbioma intestinal e suas ligações com vários aspectos da saúde é um tema próspero, e estamos apenas começando a desvendar os seus segredos. Nos últimos anos, os investigadores descobriram ligações potenciais entre o microbioma e doenças tão diversas como a doença de Alzheimer, a saúde ocular e várias doenças inflamatórias.

READ  30 € de desconto nos alto-falantes Echo Dot de quarta geração

Os pesquisadores explicaram que a evolução fornece informações valiosas sobre a função dos organismos vivos. Dizem que ao mapear as linhagens dos microrganismos podemos compreender melhor o papel que desempenham no corpo e no ambiente.

Além de colaborar com a Gearbox e a Massively Multiplayer Online Science (MMOS), uma empresa suíça de computação que constrói pontes entre a ciência e os videogames, o projeto aproveitou a experiência e os materiais genômicos da Iniciativa Microsetta liderada por Rob Knight, professor de genômica. Departamentos de Pediatria, Engenharia Biológica e Ciência e Engenharia da Computação da Universidade da Califórnia, San Diego.

“Há muita gente que não estuda ciências porque lhes disseram, quando eram jovens, que era muito complicado”, lamentou o professor Valdespol. “Eles se desconectaram da ciência.”

Mas porque vamos ter com eles e apresentamos-lhes a ciência daquilo que fazem todos os dias, eles não criarão uma barreira mental para dizer que é demasiado complicado e acabarão por se envolver na ciência sem sequer se aperceberem disso, e isso criará paixão neles.

“Eles vão perceber que não é tão complicado, que pode ser divertido e vão adorar”, disse o pesquisador. Pela minha parte, espero, contudo, que isto ajude a restaurar a confiança do público na ciência.

A ideia de incorporar a análise de DNA em um videogame comercial convencional veio de Attila Szantner, professor associado da Escola de Ciência da Computação da Universidade McGill e CEO e cofundador da MMOS.

Os resultados deste estudo foram publicados na revista científica Nature Biotechnology.

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *