Enxertando romenos no “Castelo do Drácula”

(Bran) Drácula tem algo a ter ciúme: Centenas de pessoas neste fim de semana em frente ao seu castelo em Bran (centro da Romênia) se reuniram para tomar uma injeção, tentadas não por sua magia, mas pela capacidade de inoculá-las contra COVID-19 .


France Media

“Je suis venu visiter le château avec ma famille et quand j’ai vu l’affiche j’ai pris mon coragem à deux mains et accepté de me faire piquer», um déclaré à l’AFP Liviu Necula, un ingénieur âgé de 39 Anos.

Como ele, todos os vacinados receberam um diploma atestando sua “imprudência e responsabilidade”, bem como a promessa de acolher o castelo “pelos próximos cem anos”.

“Nosso objetivo principal é os turistas que vêm passar o fim de semana na área, mas os moradores e os funcionários do castelo também são bem-vindos”, disse Alexandru Brisco, Diretor de Marketing.

Prevê-se também a visita à “sala de tortura” protegida por este castelo, que os cavaleiros germânicos fundaram em 1211, por causa destes “temerários”.

O Castelo de Bran, localizado em um vale nebuloso das montanhas dos Cárpatos, está associado ao sanguinário príncipe romano do século XV.e Century, Vlad Tepes (“o Empalado”) – que inspirou o personagem do Drácula, do escritor irlandês Bram Stoker – embora possa nunca ter ficado lá.

As autoridades locais doaram à Rainha Maria da Romênia em 1920, e os comunistas confiscaram o castelo em uma rocha em 1948, antes de devolvê-lo em 2006 a Dominique de Habsburg, herdeiro da antiga família real.

Photo Says Pictures, Reuters

Castelo de Bran

Querendo persuadir o maior número de romenos a serem vacinados, as autoridades nos últimos dias dobraram as “vacinações” em muitas das principais cidades e organizaram “maratonas” para a vacina aberta 24 horas por dia na Biblioteca Nacional e na Salle du Palace, a grande salão de Bucareste.

READ  Milhares de pessoas marcham pelo clima em Montreal

“Ela vem ajudar dezenas de médicos e enfermeiras que trabalham na Salle du Palais durante a noite, de sábado a domingo”, disse Beatrice Mahler, diretora do Hospital Marius Nasta em Bucareste.

Segundo ela, o mais difícil é chegar aos moradores dos municípios, que ainda são numerosos, e que não têm médico de família.

Quase 3,6 milhões de romenos receberam pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus neste país de 19 milhões que quer ultrapassar os 5 milhões que foram vacinados até o início de junho.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *