Episódio • 2/4 do podcast Brasil 2022, uma nação em crise

Episódio • 2/4 do podcast Brasil 2022, uma nação em crise

Após um período de crescimento que viu quase 30 milhões de cidadãos saírem da pobreza no início do milénio, desde 2014, o Brasil tem atravessado uma série de crises com graves consequências sociais. O último destes eventos, desencadeado pela pandemia, ampliou a desigualdade para um ponto de declínio sem precedentes e enviou milhões de brasileiros de volta à armadilha da pobreza e da fome. Se as políticas sociais implementadas nos últimos anos mantêm os grupos mais vulneráveis ​​em suporte vital, o Estado tem menos espaço do que nunca para manobra orçamental para manter esta assistência.

Que lugar ocupa a questão da desigualdade na campanha eleitoral? Se Lula vencer no final da votação, poderá ele colocar o Brasil de volta no caminho da justiça social, tanto política como orçamentalmente? Finalmente, o que aconteceria ao país se a bomba-relógio da pobreza explodisse?

Para responder a estas e muitas outras perguntas, Florian Delorme recebe João Whittaker Ferreiratambém professor de Planejamento Urbano da Universidade de São Paulo Cristina TerraProfessor de Economia na ESSEC Business School e Pesquisador Associado no CEPII (Centro de Estudos Futuros e Informação Internacional).

Em relação à avaliação econômica do mandato de Bolsonaro e sua responsabilidade pela recessão social que o Brasil atravessa atualmente, Cristina Terra Explique issoEm 2018, atingimos os mesmos níveis de desigualdade de 2008, por isso não podemos culpar Jair Bolsonaro por tudo e, em particular, também porque as crises estão interligadas desde 2014.No entanto, João Whittaker Ferreira Observe que “Não houve nenhuma proposta de política estrutural de curto ou longo prazo para revitalizar o país sob Bolsonaro porque o seu caráter é fazer discursos sem fazer nada.“.

READ  Brasil: Jair Bolsonaro reúne seus apoiadores por ocasião do Dia Nacional

Parte Dois: O foco de hoje

Trabalhadores informais: amaldiçoados pela COVID-19

Vendedor ambulante na Praia do Arpoador no Rio de Janeiro em 20/03/20
Vendedor ambulante na Praia do Arpoador no Rio de Janeiro em 20/03/20

© Agência France-Presse -Mauro Pimentel

Tradicionalmente, os brasileiros afetados por crises encontraram no trabalho informal uma alternativa para ganhar a vida. Assim, a pandemia da COVID-19 impôs dificuldades adicionais a este segmento da população, que foi obrigado a permanecer nos seus locais de residência. Se o emprego informal regressar hoje ao seu nível pré-pandemia – 40% da população activa – a Covid-19 enfraqueceu os mais vulneráveis ​​entre eles. Como vivem hoje esses milhões de brasileiros e que perspectivas eles têm?

com Mireille RazafindrakotoPesquisador do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IRD).

A peculiaridade desta crise da Covid-19 é que o setor informal tem sido o mais afetado, o que normalmente não é o caso“, Ele diz Mireille Razafindrakoto.

Para mais :

Mireille Razafindrakoto, Juntamente com François Roubaud, é autor de dois artigos sobre a questão da evolução do trabalho informal no Brasil em tempos de crise e também em tempos de pandemia da COVID-19, que você pode consultar online:

Referências de áudio

  • Brasil: O retorno da fome ( Relatórios técnicos– 21/03/22)
  • Brasil falido ( Agência de imprensa francesa – 01/06/21)
  • Lula x Bolsonaro: Duas visões opostas para a futura presidência do Brasil ( Ops – 26/08/22)
  • O Brasil está no início de um longo ciclo de crescimento, afirma o ministro da Economia ( Bloomberg Mercados e Finanças – 29/07/22)
  • No Brasil, a COVID-19 empurrou as famílias para um estado de extrema vulnerabilidade ( euronews – 13/01/21)
  • Brasil: desemprego recorde e sua população está afundando em um estado de instabilidade crescente após a epidemia ( Frequência de rádio – 29/05/21)
READ  Emmanuel Macron, o "herói da terra" que tem sido cada vez mais criticado

Referências musicais

  • “Eu juro” por Moby
  • “Pra Melhorar” de Marisa Monti com Sue Jorge (2021)

Transmissão produzida por Barthélemy Gaillard E Julie Dokos.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *