Festival Cinélatino em Toulouse. Maria Augusta Ramos: “A verdade é o que me faz querer ser fotografada”

Observe a sociedade brasileira e suas instituições, sejam elas políticas, judiciais ou policiais. Por meio do “O processo” que apresentará hoje ao público do Cinélatino, a documentarista Maria Augusta Ramos filmou, em 2016, o julgamento que levou ao impeachment da Presidente da República Dilma Rousseff (que foi acusada de envolvimento em um caso de corrupção). Um filme cativante e surpreendente que nos apresenta, de forma direta, sem sons, exageros, comentários ou entrevistas neste processo histórico … as anotações do documentarista.

.Por que você escolheu documentários em vez de ficção?

Cinema sempre foi minha paixão. Na Holanda, ela estudou na Academia de Cinema e Televisão. A Holanda tem uma tradição documental muito forte. É por isso que documentários de Johann van der Keuken, como os filmes de Raymond Depardon, assim como o cinema de Ozu e Bresson, influenciaram a imaginação. Na verdade, o que me faz querer ser fotografado é a realidade. Acho isso mais emocionante do que ficção. Adoro trabalhar com pessoas reais. São eles que me inspiram. Eu digo que eles são meus personagens.

Como funciona?

Eu amo a fotografia conforme a vida acontece. Eu não uso entrevistas. Porque sempre envolve um atraso. Eu não posto nenhum áudio ou comentário. Eu quero a matéria-prima. Verdade. Estou particularmente interessado nas interações entre as pessoas, especialmente dentro de instituições políticas e sociais. Meus filmes são organizados como ficção. Descobrimos os personagens à medida que o filme se desenrola.

Vossa Excelência vê hoje na Cinémathèque “O processo” o documentário que se seguiu ao processo de impeachment de Dilma Rousseff …

As filmagens do processo de impeachment começaram quando os parlamentares votaram para exigir tal julgamento. Filmei essa cena inicial em Brasília sem saber se a abordagem funcionaria. Mas achei que estava entrando com um processo contra o Brasil. Depois acompanhei o julgamento, que durou vários meses. No final, eu tinha 450 horas de filme …

READ  Quebec dá US $ 2,5 milhões adicionais aos cinemas

Seu objetivo em fazer este filme?

O que foi importante para mim foi mostrar os dois lados do julgamento. Acusação e defesa. Como o julgamento estava sendo investigado e a imprensa também era a favor da responsabilização, ela apenas repetiu as acusações. Na verdade, o juramento e a mídia sustentaram algo muito simples, sem realmente explicar a essência disso. Então as pessoas nem sabiam exatamente do que a Dilma era acusada … Eu queria que a justiça fosse restaurada. “Oh Operação” permite conhecer as consequências de demitir Dilma e entender como chegamos ao Bolsonaro. Para sair do poder, a esquerda foi criminalizada e, mesmo que não sem erros, o que está acontecendo hoje política, econômica e socialmente no Brasil é chocante.

Na Cinémathèque, sábado, 12 de junho, às 13h30 Espetáculo “O processo”, seguido de encontro com Maria Augusta Ramos

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *