Festival de Locarno: Fotógrafo Eduardo Williams

Festival de Locarno: Fotógrafo Eduardo Williams

No cinema há o que se chama – às vezes apressadamente – “filmes de festival”: pepitas inusitadas que encantam os cinéfilos são concedidas, às vezes são concedidas, têm função em órbita em outros eventos, do outro lado do planeta, mas não necessariamente entrar nos cinemas. A menos que o boca a boca tenha efeito. Em competição no Festival Internacional de Cinema de Locarno (Suíça), incluindo 76H A edição termina sábado, 12 de agosto de mutação humana 3 (Duro dos seres humanos 3), uma realização visual do argentino Eduardo Williams, filmada com câmera 360 graus, promete ser uma trilogia de sucesso.

Leia a reportagem: O material é reservado para nossos assinantes Locarno celebra a ousadia estética dos cineastas

Porém, não é o caso, o filme aguarda seu distribuidor, revelando, sorridente, um diretor de trinta anos com looks vintage, uma velha camisa rosa e óculos escuros. Nós o encontramos no Teatro Kursaal, uma das sedes do festival, na quarta-feira, 9 de agosto, antes da exibição do filme. Já havia uma primeira parte, boom humanoselecionado em 2016 em Locarno, vencedor do Leopardo de Ouro numa seleção paralela (Filmmakers of the Present). A distribuidora Shellac o lançou online na primavera de 2020, no início do confinamento. ” Ele não estava ali mutação humana 2passei direto do 1 ao 3, como uma grande paródia”O gerente se explica zombeteiramente.

Eduardo Williams, nascido em 1987 em Buenos Aires, formado na Universidad del Cinema da mesma capital, depois em Le Fresnoy, em Torcoing (Norte), Eduardo Williams enumera sua carreira como autor experimental sem fazer nenhuma menção a ela. Como se não excluísse o público: Congratulo-me com todas as interpretações dos meus filmes pelos espectadores. Não há uma resposta única para o mistério de algumas cenas.E Cuidados no preâmbulo.

READ  O teatro deve ser político?

“abordagem intuitiva”

reivindica um “abordagem intuitiva” Para tanto, ele oferece uma lembrança da infância: “Quando eu era pequeno, ia com minha avó a grandes cinemas em shoppings. Depois de passar um filme que eu gostava, tinha uma sensação física e mental de ver as coisas ao meu redor de maneira diferente. Como se a realidade não fosse mais a mesma. Só que o cinema me colocou nesse estado.” , e eu não sabia explicar. No cinema que estou fazendo hoje, sempre há uma conexão com esses primeiros sentimentos.E Ele disse.

Nos filmes do realizador, por vezes questiona-se se a imagem foi captada por uma câmara de vigilância ou se sobrevoava a paisagem graças a programas que recolhem imagens aéreas, como o Google Earth. O que Eduardo Williams mais gosta é de usar diferentes meios para experimentar “Repensar o quadro”. Pensemos em Dziga Vertov (1896-1954), o pioneiro cineasta soviético e autor de o homem com a câmera (1929), mas como nosso interlocutor não quer mencionar suas fontes de inspiração, fazemos as malas.

Você tem 46,64% deste artigo para ler. O seguinte é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *