“Fim de ouro para o curso! “

Voleibol (seleção francesa, Jogos Olímpicos de Tóquio, entrevista com Stephen Boyer)>

Bruno Survik, presidente do CVB 52 HM, tem muito a ver com a chegada de Stephen Boyer. Merece uma foto de lembrança. (Foto: Arthur Prosmich)

Ontem, no Palestra, o ex-Sevisibest Stephen Boyer entregou sua medalha de ouro, que conquistou em uma acirrada batalha com seus companheiros da seleção francesa durante as Olimpíadas de Tóquio. Um momento realmente lindo para compartilhar.
Bruno Survik, presidente do CVB 52 HM, está absolutamente certo. Quando você vem da Polônia durante a noite e sai na mesma noite, não há dúvida de que o clube do coração de Stephen Boyer, é Chaumont! Ontem à tarde, quase 200 pessoas compareceram às novas arquibancadas do Palestra para dar as boas-vindas ao seu “campeão”. Aquele que, por três temporadas, usou as cores do CVB 52 HM, recentemente sagrou-se campeão olímpico! Ele ganhou o título e a medalha de ouro depois de uma competição maluca em Tóquio. Antes de ingressar em seu novo clube, o campeão polonês Jastrzebski Wegiel, e dois outros campeões olímpicos, Benjamin Toniotti e Trevor Clevennot, Pointe de Chaumont dobrou selfies, fotos e dedicatórias, antes de retornar a esta incrível aventura.

Le Journal de la Haute-Marne: Como nos encontramos de Tóquio a Chaumont via Polônia?
Stephen Boyer:
“Também passa pela Itália! Estamos de volta em 10 de agosto e ainda estamos na pequena nuvem olímpica de campeões. É difícil descer, mas ao mesmo tempo ficar nessa pequena nuvem, é muito bonito. Ficaremos três anos lá. Tínhamos um tempo de folga e era hora de recomeçar. “

JHM: Você realmente tem a impressão de que o CVB 52 HM é o seu clube favorito. Os fãs têm a chance de vê-lo novamente em Chaumont?
SB:
“É um pouco cedo para dizer. Nunca se sabe o que a vida reserva. Talvez um dia eu volte. Acho que se eu tivesse que voltar para jogar na França, seria em Chaumont. Para o clube, para o cidade, para as pessoas. É realmente um lugar onde me senti confortável por três dias. “Anos. Só guardo boas lembranças. Vou voltar para Shomon assim que puder. Ainda tenho amigos aqui. São relacionamentos muito especiais Eu fiz aqui. ”

Os presentes aguardaram a preciosa dedicação do campeão olímpico. (Foto: A. Prosmich)

JHM: Como você encontra essa nova sala em Balestra?
SB:
“Eu prefiro Jean Mason! Espero que o espírito de Jean Mason passe por aqui. Hoje (ontem), é bom encontrar o público nas arquibancadas. Já faz um tempo que não é assim … e estou feliz em apresentar minha medalha para eles. É um prazer que estarei aqui. “

“Ótima experiência”

JHM: Vamos falar sobre as Olimpíadas. Como você viveu essa competição no Japão sem espectadores?
SB:
“Esta é a minha segunda vez no Japão. Desta vez não podíamos deixar a aldeia. Não havia nada que pudéssemos fazer. Parece um pouco estranho. Os atletas, ao contrário de outros Jogos Olímpicos, não puderam ficar até o fim. para sair quando tudo acabasse. “Suas competições. Apesar de Covid-19, foi uma ótima experiência.”

JHM: Como foi com os outros atletas?
SB:
“Os franceses estavam todos no mesmo prédio. De repente, nos conhecemos muito. Os esportes coletivos eram uma grande competição e sempre que nos parabenizávamos. Havia muita coisa. Caras como Karabic ou Monfils, eu assistia na TV e lá eles nos dão os parabéns! ”

JHM: Começou o jogo da fase de grupos contra o Brasil, onde venceu o segundo set, sinônimo de classificação para o resto da competição, pela Seleção Francesa?
SB:
“Nós, na vida real, a partida anterior foi contra a Rússia. Vencemos depois de perder para os Estados Unidos com uma vitória sobre a Tunísia e uma derrota sobre a Argentina. Voltamos para a parede. Tínhamos apenas uma pequena chance e foi isso . Começamos a jogar, nos libertamos, ficamos mais relaxados e pronto. Vencemos, nos classificamos e começamos realmente nas quartas-de-final ”.

‘Muitos sacrifícios’

JHM: Como você explica esse início de competição bastante preciso da equipe da França?
SB:
“Não sei … É um pouco difícil entrar nas competições, somos conhecidos por isso, mas nas lutas de início dos grupos. Não sei se foi a falta de agressão, eu acho que não. Pegamos os americanos pela garganta e foi muito, muito difícil. Se eles jogassem toda a competição dessa forma, teriam percorrido um longo caminho. Fizeram um ótimo jogo. Fomos capazes de aceitar e seguir em frente e jogar no nosso nível. ”

Stephen Boyer estava muito disponível e dobrou em doações. (Foto: A. Prosmich)

JHM: Você teve uma competição “maluca” e alguns meios de comunicação o chamaram de “maluco”. O que você acha?
SB:
“Imagino como somos vistos por fora, mas por dentro somos acima de tudo um grupo de amigos. Podemos contar uns com os outros. Somos um pouco malucos, mas tem um grupo de amigos que trabalha e trabalha juntos e queremos a mesma coisa. Estamos nos preparando desde 14 de maio. Foram tempos difíceis sem entes queridos. Esta medalha de ouro é o melhor presente que alguém pode receber. Na hora do título, há uma liberação. Todos os sentimentos voltam depois de tantos sacrifícios. Até a equipe estava chorando. ”

JHM: É o fim de uma campanha com seu treinador, Laurent Tillie. Parece que você também quer que ele saia com uma medalha.
SB:
“É um final de ouro para o torneio! Fico feliz que tenha terminado assim. Seguiu em frente. Vimos isso então, não necessariamente na frente das câmeras. É um prazer que o grupo e toda a equipe tenham experimentado isso competição, as Olimpíadas e a medalha de ouro. “

JHM: Essa medalha de ouro terá um lugar especial no seu armário de memória?
SB:
“O ouro nos Jogos é a maior memória que um atleta pode sonhar. Com certeza terá um lugar especial entre todas as medalhas. Você estará acima dos demais. É um orgulho, uma recompensa.”

JHM: A pré-seleção do EUR caiu (1º a 19 de setembro). Você não está na lista dos dezoito. É uma decepção?
SB:
“Não. Nós conversamos com o treinador. Não é uma decepção. É no próximo ano. Vamos começar com cursos e escolhas. Essas são escolhas e você está aí.”

JHM: Uma palavra sobre o novo técnico da seleção França-Brasil, Bernardo Resende. Você quer trabalhar e brincar com ele?
SB:
“Sim, dada a profissão dele, você definitivamente quer ver o que tem a oferecer. Também temos que ver o que você tem a oferecer depois de uma mudança de equipe. Seja ele ou outra pessoa, mal podemos esperar para ver como vai com um cajado novo. Veremos. O que é certo, o que vem a ganhar. “

JHM: A França pode fazer o dobro, JO / Euro?
SB:
“O Brasil conseguiu. Não é impossível. É possível.”
Entrevista por Yves Tintorrier


Publicado em 23/08-2021 às 7:00


    comprar jornal digital
    Encontre os artigos da nossa revista na íntegra na onipresente edição impressa, ou na edição digital que pode ser consultada por (1,00 €).

  • Compre o jornal em formato digital


READ  Um documentário sobre Pelé será lançado em breve pela Netflix

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *