Foguete Chinês | Seu retorno indisciplinado à Terra está programado para este fim de semana

(Pequim) O risco de dano é “baixo”, até “pequeno”, mas não zero: o míssil chinês deve retornar descontrolado neste final de semana na atmosfera da Terra, porém, China e muitos especialistas, considerando a hipótese de o mínimo de Danos ao chão.


Ludovic Eret
France Media

A China colocou em órbita a primeira unidade de sua estação espacial em 29 de abril, graças ao foguete porta-aviões 5B de Longa Marcha – o lançador mais poderoso da China e imposto.

É a primeira etapa desse míssil, atualmente em órbita, que deve retornar à Terra. Está gradualmente perdendo sua altura e seu ponto de queda não é conhecido atualmente.

A Space-Track, usando dados militares dos EUA, tweetou que a janela de retorno agora está sendo considerada entre 1h04 – 3h04 GMT de domingo (21h04 – 2h04 ET), mas avisou que esta é a margem dificultou a determinação do aluguel.

O Esquadrão de Controle Espacial na Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, disse à SpaceTrack: “Não saberei a localização exata até” o míssil pousar.

A China está muito cautelosa com esse assunto e não divulgou previsões sobre a possibilidade de a plataforma de lançamento retornar à atmosfera terrestre a cada hora, pois deverá se desintegrar total ou parcialmente.

Para a agência espacial russa Roscosmos, a entrada é possível às 23h30 GMT de sábado (19h30, horário do leste dos EUA), no sul da Indonésia. O Pentágono espera 23h GMT – com cada um (19h EST), mas com uma margem de erro de nove horas em ambos os lados dessa estimativa.

A janela deve diminuir gradualmente ao longo de um período de horas.

READ  Sanções chinesas | Administração Biden condena decisão "cínica"

Depois de um longo silêncio constrangedor do espaço chinês e das autoridades diplomáticas, Pequim finalmente respondeu na sexta-feira.

“A maioria dos componentes (do míssil) será queimada e destruída quando entrarem na atmosfera novamente”, disse Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

“A possibilidade de danificar as atividades aéreas ou (pessoas, edifícios e atividades) em solo é muito baixa”, afirmou.

O astrônomo Jonathan McDowell respondeu no Twitter no sábado: “Novas previsões da Força Espacial 18SPCS estão colocando elementos em órbita: Costa Rica, Haiti, Espanha, Sardenha, Itália, Grécia, Creta, Israel, Jordânia, Arábia Saudita, Austrália, Nova Zelândia.”

A mídia é discreta

PHOTO CHINA DAILY, via Reuters

A mídia chinesa forneceu cobertura mínima do evento no sábado e se contentou em repetir as declarações feitas por um porta-voz diplomático no dia anterior.

Se partes do foguete permanecerem intactas após a reentrada na atmosfera, há uma boa chance de danos no mar porque o planeta está coberto por 70% de água.

“Esperamos que eles pousem em um lugar onde não prejudiquem ninguém”, disse Mike Howard, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, na sexta-feira, destacando que os Estados Unidos estavam rastreando o míssil.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, confirmou esta semana que seu país não tem intenção de destruir o míssil. No entanto, ele deu a entender que seu lançamento não foi planejado com o devido cuidado pela China.

De acordo com vários especialistas entrevistados pela Agence France-Presse, existe o risco de os destroços caírem de uma plataforma de lançamento pesada em uma área povoada, mas é improvável.

Florent Delphi, astrônomo do Observatório Paris-PSL, prevê: “Dado o tamanho do objeto, há necessariamente pedaços grandes que permanecerão.”

READ  Na Líbia, uma costa de lixo faz fronteira com um mar insalubre

Mas o potencial de impacto em uma área povoada é “minúsculo, menos de um em um milhão, sem dúvida”, diz Nicolas Bubriensky, chefe de engenharia e inovação da Agência Espacial Européia (ESA).

Peças de metal

“Você não precisa se preocupar muito”, observa Jonathan McDowell, astrônomo do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, nos Estados Unidos, e um grande especialista em detritos espaciais.

“Mas o fato de uma tonelada de metal atingir o solo a centenas de quilômetros por hora não é uma boa prática, e a China deve revisar o projeto das Missões 5B da Longa Marcha para evitar isso.”

Em 2020, os destroços de outro míssil Longue-Marche colidiram com aldeias na Costa do Marfim, causando danos, mas sem feridos.

Em abril de 2018, o laboratório espacial chinês Tiangong-1 se desintegrou ao entrar na atmosfera, dois anos depois de estar fora de serviço.

A China vem investindo bilhões de euros em seu programa espacial há várias décadas.

Ele enviou seu primeiro astronauta ao espaço em 2003. No início de 2019, ele pousou com uma máquina no outro lado da lua – pela primeira vez no mundo.

No ano passado, ele trouxe amostras da lua e encerrou o sistema de navegação por satélite Beidou (um concorrente do GPS americano).

A China planeja pousar um robô em Marte nas próximas semanas. Também anunciou que deseja construir uma base lunar com a Rússia.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *