França apoia o Brasil e o debate ainda é imaturo

França apoia o Brasil e o debate ainda é imaturo

Uma coletiva de imprensa conjunta do Brasil e da França e uma apresentação de vários ganhadores do Prêmio Nobel de Economia, que atraiu casa cheia… Em 24 horas, o projeto de tributação global dos mais afortunados ganhou pouco mais que intensidade, à margem do as Reuniões de Primavera do FMI e do Banco Mundial em Washington, que terminarão no sábado, 20 de abril. O Brasil, que pretende construir “Nova globalização” Tornando-se um dos pontos fortes da sua presidência do G20. É uma iniciativa apoiada “oficialmente” pela França.

Na quarta-feira, 17 de abril, o ministro da Fazenda brasileiro, Fernando Haddad, e seu homólogo francês, Bruno Le Maire, falaram à imprensa. “Temos tudo em jogo para ter sucesso. É apenas uma questão de vontade política e determinação.” O ministro francês disparou.

O homem forte de Bercy, que se opõe à tributação dos superlucros em França e que sempre defendeu a abolição do Imposto de Solidariedade sobre a Riqueza (ISF), posiciona-se: “A solução correcta não é restabelecer as forças de segurança interna em França, mas sim impor impostos justos, eficazes e garantidos a nível internacional sobre as pessoas mais ricas.”

Imposto mínimo 2%

Entretanto, em Washington, o economista francês Gabriel Zucman apresentou o seu trabalho a uma audiência da sociedade civil, juntamente com os prémios Nobel de economia, Esther Duflo e Joseph Stiglitz. O diretor do Observatório Fiscal Europeu foi incumbido pela presidência brasileira de apresentar um relatório sobre o seu plano de impor um imposto de pelo menos 2% sobre a riqueza dos 3.000 bilionários do planeta que em grande parte sonegam impostos sobre o rendimento.

Esta medida poderia gerar anualmente 250 mil milhões de dólares em receitas fiscais. Esther Duflo compartilha dessa ideia e também sugere assumir responsabilidades “Dois ou três pontos” Um imposto mínimo de 15% sobre os lucros das empresas multinacionais, que foi objecto de um acordo internacional em 2021. Os fundos desta forma permitirão compensar os países em desenvolvimento que sofrem os efeitos das alterações climáticas.

READ  Três empresas canadenses ganham bolsas de estudo da Fundação Elon Musk

“Estamos num momento especial. Esta questão está na mesa do G20. É a primeira. Isto prova claramente que existe um problema de desigualdade e de baixos impostos sobre o capital em relação ao trabalho. Enfatiza Pascal Saint-Amans, ex-diretor do Centro de Política e Administração Tributária da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Mas há um longo caminho a percorrer. “As condições ainda não estão maduras para um imposto global. Muitas questões permanecem sem resposta sobre a forma que este imposto assumirá. Pascal Saint-Aman continua. O homem sabe do que está falando: foi o arquiteto da reforma do sistema tributário internacional das empresas multinacionais, que levou mais de quinze anos para levar à Convenção de 2021, um acordo que ainda não foi ratificado por todos os 136 países signatários .

Um relatório é esperado em junho

Quantos países concordarão em empreender novas reformas? Atualmente, poucos países manifestaram publicamente apoio a esta proposta da Presidência do G20. “Muitos estão aguardando detalhes sobre a implementação técnica.” Especifica Quentin Parrinello, conselheiro político do Observatório Fiscal Europeu. O relatório de Gabriel Zucman deverá ser divulgado em junho.

Os economistas sugerem cenários diferentes. Cabe então ao político decidir qual escolher. A escolha da taxa e do limite de entrada deve ser objeto de debate político.” Adiciona Quentin Parinello. O Brasil pretende contar com esse documento para formular uma declaração política em julho. Veremos então quais dos grandes nomes do mundo se juntarão ao presidente brasileiro Lula nesta batalha.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *