França: Marine Le Pen alvo de relatório antifraude europeu

A candidata presidencial francesa de extrema-direita Marine Le Pen e seus parentes são acusados ​​de desviar cerca de 600.000 euros em fundos públicos europeus durante seu mandato como membros do Parlamento Europeu.

• Leia também: Milhares de manifestantes na França contra a extrema-direita, longe de serem leais a Macron

• Leia também: A ativista ambiental de Macron, “Mãe” Le Pen

A acusação vem do Gabinete Europeu de Luta Antifraude, segundo um novo relatório revelado pelo site de comunicação social francês Mediapart, no sábado, e foi submetido à justiça francesa.

Em resposta a uma pergunta da AFP, o Ministério Público de Paris confirmou que recebeu este relatório em 11 de março, que está sendo analisado.

Reação à AFP May Rudolph Boslot, advogada de Marine Le Pen, que participou do segundo turno das eleições presidenciais, que será realizada em 24 de abril:, onde enfrentará o atual presidente Emmanuel Macron.

Me Bosselut também se diz “insatisfeito com a forma como o Olaf (European Fraud Office) está se comportando, sem caráter contraditório” e com “as realidades ultrapassadas de mais de dez anos” para alguns.

Ele acrescentou que Marine Le Pen “nunca foi convocada por nenhuma autoridade judicial francesa”, lamentando também que nem ele nem seu cliente tenham recebido o relatório final.

Segundo ele, a investigação de Olaf está aberta desde 2016 e Le Pen foi questionado pelo correio em março de 2021.

O novo relatório de Olaf, do qual a Mediapart publica excertos, diz respeito às taxas que os grupos políticos poderiam utilizar no decurso do seu mandato como eurodeputados e que poderiam ter sido utilizadas por Marine Le Pen e pessoas próximas a ela para fins políticos nacionais ou para despesas ou serviços pessoais . A favor de empresários próximos de seu partido, o Rally Nacional (RN) e o grupo parlamentar de extrema direita Europa das Nações e Liberdades (ENL).

READ  Pelosi diz que os planos de Biden serão acordados na próxima semana

Olaf Marine Le Pen, três ex-membros do Parlamento Europeu – seu pai Jean-Marie Le Pen, seu ex-namorado Louis Eliot e Bruno Golnich, membro do Bureau Nacional do RN – e o ENL foram implicados.

O escritório acusa-os de desviar cerca de 600 mil euros, e recomenda a sua recuperação.

De acordo com o relatório, a candidata ao Rally Nacional desviou pessoalmente cerca de € 137.000 em fundos públicos do Parlamento de Estrasburgo quando era membro do Parlamento Europeu entre 2004 e 2017.

Desde junho de 2017, Marine Le Pen também foi processada na investigação de Paris por suspeita de empregos falsos no Parlamento Europeu para assessores do partido.

Ela foi acusada de “desvio de fundos públicos” e “cumplicidade” neste crime como parte desta investigação.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *