futebol americano. O ex-gerente geral do FC Lorient fala nos bastidores sobre um clube profissional



Por que você escreveu este livro “Os Três Pontos Importantes”?

Isso veio a mim naturalmente quando eu ainda estava no clube. Eu havia começado a escrever algumas linhas, mas não tinha muito tempo para me dedicar a isso. Eu não conhecia um livro que evocasse a gestão de um clube profissional, o trabalho que acontece nos bastidores. Só encontrei um que chega um pouco mais perto disso, que é Ferran Soriano, atual diretor-gerente do Manchester City e ex-vice-presidente do Barcelona. Além disso, quando saí do FC Lorient, foi a primeira coisa que fiz… No final, foi uma grande aventura, sem segundas intenções de sucesso comercial ou outro, mas gostei de querer poder passar para as pessoas que amam negócios e futebol, para mostrar esse lado que é um pouco invisível, mas é fundamental para o desempenho de um empreendimento esportivo.

Por que você deixou o FC Lorient?

Passei sete anos no clube – o primeiro de dois anos em que cuidei principalmente da parte comercial com o vice-presidente (Alex Hayes) gerenciando a parte esportiva (2009-2011) – depois o segundo por cinco anos (2015-2020) onde, após desembarcar na Liga Francesa, esquentei a parte esportiva. Foi uma experiência muito legal, mas eu queria viver outra coisa. Acima de tudo, eu queria que o clube estivesse na Ligue 1 e fosse financeiramente saudável antes de sair.

Um clube que é saudável e está indo bem como um negócio – isso não é uma palavra ruim – pode trazer sentimentos muito bons.

O que você lembra desse período no FC Lorient?

O futebol continua a ser a minha paixão. Tentei ser goleiro profissional em Clermont-Ferrand e tive que tentar isso para poder fazer bons estudos depois, porque me permitia não ser assombrado pelo arrependimento. Tive a oportunidade de trabalhar no futebol, mas não só. O futebol é um setor que adoro pela sua vertente de gestão, aventura humana e aventura coletiva. Quando você faz as coisas direito, quando você trabalha em equipe, quando você tem tempo para criar estratégias e não mudar de rumo todos os anos, quando você tem tempo para entender que um clube de futebol é uma identidade muito forte em uma área… um clube que é saudável e bem administrado Como o negócio – e isso não é uma palavra suja – pode evocar sentimentos muito bonitos. Ou seja, experimentei força total com o pouso e uma separação bastante forte da área…

O clube é uma empresa com particularidades importantes, como resultados muito aleatórios, mas de grande impacto.

E então, o importante, quais são os três pontos?

sim ! Estes são os três pontos! Mas estes não são o resultado. Esse resultado é uma consequência, não uma causa… O clube é uma empresa com particularidades importantes, como resultados muito aleatórios, mas de grande impacto. Além disso, você deve ser um pouco esquizofrênico porque deve estar ciente do efeito do resultado, mas sem dar muito peso porque nem sempre corresponde ao desempenho real. Pensar como um negócio, trabalhar no lado tangível e implementar a estratégia sem mudar de rumo o tempo todo, esse é o meu ponto número um. Meu segundo ponto é a identidade. Vamos dar uma olhada no Strasbourg de hoje, como Lorient, que realizou o último dia da temporada passada. O clube vacilou com seus torcedores ou algo mais? Não, porque há uma compreensão do projeto, dos valores e para onde o clube quer chegar. Estou convencido de que em um clube onde há consenso entre a região e o clube, mesmo nos momentos difíceis, a região estará atrás do clube. O terceiro ponto são as emoções. Mas é preciso saber direcioná-lo. Porque se você tem muitos sentimentos, você não vai mais se visualizar e criar instabilidade.

Embora em poucos anos nós do FC Lorient tivéssemos o terceiro desempenho financeiro de todos os clubes franceses (12,8% de rentabilidade). Não é uma causa, mas um efeito. O objetivo não é ser o clube mais lucrativo da França, mas permitir que você consiga grandes sucessos

Quão importante é ser lucrativo para um clube como o Lorient, por exemplo?

Sempre acreditei que a parte financeira do clube não deveria entrar em conflito com a parte esportiva. Os dois andam de mãos dadas e nenhum consegue distinguir um em detrimento do outro sem se colocar em risco. Há um equilíbrio a ser encontrado. É preciso investir no atleta, mas sem se colocar no vermelho financeiramente. Na Ligue 2, o FC Lorient alcançou o terceiro desempenho financeiro entre todos os clubes franceses (12,8% de rentabilidade). Não é uma causa, mas um efeito. O objetivo não é ser o clube mais lucrativo da França, mas permite alguns golpes duros, como o rebaixamento ou eventos inesperados como o covid-19. Como Lorient não é uma cidade grande, isso envolve receita com a venda de jogadores, mas acho que Lorient nunca teve um modelo de negócio de clube de negócios. As transferências são importantes, mas a razão de ser do clube só pode ser o desempenho desportivo, posicionando-se como um clube de trampolim.

READ  Paquetá fala sobre sua cumplicidade com Neymar

Há espaço para muitos clubes profissionais na Bretanha?

Sim. O passado e o presente provam isso. Esta é a região da França com o maior número de licenciados por população. Além disso, cada clube tem sua própria identidade. O FC Lorient é um clube ao sul da Bretanha, com uma marina bastante marítima. Brest é uma área que considero mais machista. Guingamp é FC Côte-d’Armor! O Stade Rennais é o clube da capital que superou muitos marcos nos últimos anos. Devemos estar orgulhosos de ter um clube tão forte na Bretanha!

O que você está fazendo agora?

Há vários meses trabalho com uma empresa de consultoria esportiva – Portas Consulting – com sede na Inglaterra, Oriente Médio e Ásia – lidando com tudo relacionado ao futebol. Temos muitas missões no exterior, com instituições e clubes internacionais também, não na França, mas na Série A (Itália) no Brasil ou no Oriente Médio. Permite descobrir outras culturas e outras formas de trabalhar.

Todas as notícias do futebol

Fabrice Bouquet em resumo

39 anos

2007

Mestre em Empreendedorismo pela HEC Paris.

2009

Primeiro cargo (até 2011) no FC Lorient como Diretor de Desenvolvimento, Administração e Finanças.

2020

O fim de seu segundo mandato começou no FC Lorient em 2015 como Gerente Geral.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *