Geada descoberta no topo de vulcões gigantescos de Marte

Geada descoberta no topo de vulcões gigantescos de Marte

Marte acaba de revelar um novo segredo: foi descoberta geada no topo dos seus vulcões gigantes, uma descoberta inesperada que permitirá uma melhor compreensão do ciclo da água no Planeta Vermelho, essencial para futuras explorações.

A cena foi capturada por acaso da órbita de Marte pela sonda Trace Gas Orbiter (TGO) da Agência Espacial Europeia (ESA), no Tharsis Dome, perto do equador marciano, descreve um estudo publicado segunda-feira na revista Nature Geosciences.

É uma vasta área montanhosa, com um diâmetro de cerca de 5.000 quilómetros, e inclui enormes vulcões que foram extintos há milhões de anos. Entre eles está a maior montanha do sistema solar, o Monte Olimpo, que tem 22 quilômetros de altura, três vezes mais que o Monte Everest.

Ninguém esperava encontrar geada ali. “Pensamos que seria impossível em torno do equador de Marte”, resume Adomas Valentinas, primeiro autor do estudo por detrás da descoberta.

A forte luz solar e a pressão atmosférica muito baixa “mantêm as temperaturas num nível bastante elevado nos cumes e na superfície”, explica este investigador da Universidade Brown, nos Estados Unidos, num comunicado de imprensa da ESA.

Na região de Tharsis, as temperaturas podem descer para níveis muito baixos – até 130 graus negativos à noite – mas não dependem da altitude, “ao contrário da Terra, onde esperamos ver picos congelados”, analisa.

Além disso, a atmosfera do equador marciano é particularmente pobre em água, dificultando a condensação. Frédéric Schmidt, professor da Universidade de Paris-Saclay e um dos autores do estudo, explicou à Agence France-Presse que “outras sondas detectaram geadas, mas nas zonas mais húmidas, especialmente nas planícies do norte”.

READ  O Android 14 oferecerá um modo de reparo que protegerá todos os dados pessoais

Espessura do cabelo

Portanto, a descoberta foi pura coincidência. A sonda TGO, que orbita Marte desde 2018, tem a vantagem de poder observar sua superfície a qualquer hora do dia, como aponta um cientista planetário especializado em gelo do sistema solar.

Então pude tirar fotos quando os primeiros raios de sol chegaram. “Vimos ali depósitos azuis brilhantes, com uma textura especial que só vemos no início da manhã e nas estações frias”, diz.

Era preciso ter um olhar atento porque os depósitos de gelo são finos – a espessura de um fio de cabelo – e o fenômeno é sutil. Mas a quantidade de geada presente nos cumes dos quatro vulcões (Olympus Mons, Askrios Mons, Arsia Mons e Seronios Tholos) representa “150 mil toneladas de água circulando diariamente entre a superfície e a atmosfera, o equivalente a 60 piscinas no Jogos Olímpicos.” Comentários da Agência Espacial Europeia.

Como explicamos isso? Os autores do estudo sugerem que existe um microclima dentro das caldeiras vulcânicas e suas vastas crateras circulares. Os ventos subirão pelas encostas das montanhas, “trazendo o ar relativamente húmido perto da superfície para altitudes mais elevadas, onde se condensa e se deposita como geada”, diz Nicholas Thomas, co-autor do estudo.

“Observámos este fenómeno na Terra e noutras regiões de Marte”, acrescenta o investigador principal do Sistema de Imagem Estéreo de Cor e Superfície (CaSSIS) do TGO.

A modelação do processo de formação de geada deverá permitir-nos compreender melhor o ciclo da água – a dinâmica do seu movimento entre a superfície, a atmosfera, o equador e os pólos – “um dos segredos mais bem guardados” do Planeta Vermelho, segundo a Agência Espacial Europeia . .

Um passo importante para a futura exploração humana e robótica. O professor prevê: “Podemos extrair água do gelo para consumo humano e lançar foguetes de Marte separando moléculas de oxigênio e hidrogênio”.é Schmidt.

READ  Como a lua foi formada? O Japão terá pistas

A capacidade de mapear a água em Marte – que atualmente existe apenas na forma de vapor ou gelo – também é essencial para a busca de vestígios de vida, o que foi possível graças à presença de água líquida. Entre 3 e 3,5 bilhões de anos atrás.

Para assistir em vídeo

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *