Governo brasileiro se compromete a reduzir o desmatamento na região amazônica

(Brasília) O governo brasileiro se comprometeu nesta quarta-feira a reduzir o desmatamento e as queimadas na Amazônia a “um mínimo aceitável”, em resposta às críticas de dentro e de fora do país desde que Jair assumiu o cargo de Bolsonaro.


France Media

“Tentaremos reduzir o desmatamento e o fogo a um mínimo aceitável, para mostrar à comunidade internacional e à comunidade brasileira nosso compromisso”, prometeu o vice-presidente Hamilton Murao.

No entanto, “é claro que a falta de desmatamento e desenvolvimento econômico não são mutuamente excludentes”, disse o general que chefia o Conselho Nacional da Amazônia, criado em janeiro.

O vice-presidente, que falava após presidir uma reunião deste Conselho Ministerial, insistiu no “firme compromisso” do governo de “preservar e desenvolver a floresta amazônica”, a maior floresta tropical do mundo, 60% da qual está localizada no Brasil .

No entanto, ele não deu detalhes dos meios que Brasília iria implementar.

O desmatamento na Amazônia brasileira atingiu recorde, com uma aceleração de 25% no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período de 2019.

Tocou 3069 km2, O maior número desde que esses dados foram compilados em 2015, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Junho, que marca o início da estação seca, também foi o pior em 13 anos para os incêndios florestais, com 2.248 focos registrados, um aumento de 19,5% em relação a junho de 2019.

Em maio, o governo enviou o exército à Amazônia para combater os incêndios que assolam a cada estação seca.

A política do presidente Jair Bolsonaro, que assumiu o cargo em janeiro de 2019, tem estado no centro das críticas dos defensores da região amazônica.

READ  CSI 4 * Bourg en Bresse: Não há portas fechadas, mas sem público / show / esporte / recepção

O chefe de Estado, que nunca se preocupou com o meio ambiente, manifestou diversas vezes que pretende abrir terras indígenas e reservas naturais para a mineração ou agricultura – que favorecem o desmatamento.

Ele atribuiu as críticas às ONGs “globais” e ao suposto desejo de alguns países de impedir o desenvolvimento econômico do Brasil, ao mesmo tempo que ameaçam sua soberania.

foto ruim

Nos últimos meses, no entanto, as questões ambientais ganharam mais destaque, principalmente nas discussões do Brasil com os atores econômicos.

No final de junho, fundos de investimento da Europa, Ásia e América do Sul que administram quase US $ 4 bilhões em ativos ameaçaram retirar seus investimentos no Brasil se o governo não conseguisse conter a destruição da floresta amazônica.

“Eles querem ver resultados e redução do desmatamento”, disse o vice-presidente na última quinta-feira após videoconferência com investidores.

Os principais exportadores brasileiros também expressaram preocupação com a má imagem do Brasil em relação ao meio ambiente.

Na quarta-feira, 17 ex-ministros da economia brasileiros e ex-presidentes do banco central pediram uma mudança de política.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *