Hospitais militares brasileiros recusaram civis doentes com Covid-19

De acordo com documentos fornecidos à comissão parlamentar de inquérito responsável por fiscalizar o manejo da pandemia pelo governo brasileiro, autoridades de regiões onde a terapia intensiva estava saturada no início do ano solicitaram leitos disponíveis em estabelecimentos militares. , em vão.

No início do ano, o Brasil foi dominado por uma segunda onda epidêmica. Depois de atingir Manaus, na Amazônia, rapidamente se espalhou para o resto do país, e várias regiões viram seus hospitais chegarem ao ponto de saturação. Os pacientes com Covid-19 gravemente enfermos tiveram que esperar vários dias antes de serem internados e, às vezes, morreram antes de conseguir uma vaga.

Mas documentos fornecidos pelo Ministério da Defesa do Brasil à Comissão Parlamentar de Inquérito (ICC), aberta no final de abril no Senado para examinar de perto a gestão da crise de saúde pelo governo Bolsonaro, mostram que alguns desses pacientes teriam podido ser atendido mais rapidamente.

De fato, “As forças armadas se recusaram a ceder as camas disponíveis […] para pacientes civis ”, relata site de notícias Nexo.

A mídia dá o exemplo do estado do Rio Grande do Sul, região Sul do Brasil. Em março de 2021, confrontado com um “Aumento exponencial” necessidades de hospitalização, o secretário de saúde do governo regional pediu às Forças Armadas que disponibilizassem leitos.

Uma solicitação “Rejeitado pelos militares, quando eles tinham

[…]

READ  Billur Banne: O verão do Rayon Park não termina neste sábado no Brasil

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *