[IMAGES] Alguém tenta atear fogo em si mesmo do lado de fora do tribunal de Trump

[IMAGES] Alguém tenta atear fogo em si mesmo do lado de fora do tribunal de Trump

***Aviso: as imagens deste artigo podem ser chocantes para algumas pessoas***

Um homem tentou incendiar-se, sexta-feira, em frente ao tribunal de Manhattan onde Donald Trump está a ser julgado, um ato cujos motivos permanecem desconhecidos apesar da escolha de um júri completo.

• Leia também – Julgamento de Trump: já difícil e seleção do júri complicada pela regra do anonimato

• Leia também – Um júri completo foi selecionado no histórico julgamento de Donald Trump

“Um homem ateou fogo a si mesmo em frente ao tribunal. Continuamos a recolher informações no terreno”, disse um porta-voz da NYPD à AFP.

A vítima, com as duas mãos atrás da cabeça, transformou-se numa chama viva, e os policiais correram em sua direção, antes que o extintor fosse usado para apagar o fogo, segundo imagens divulgadas pelos canais de televisão norte-americanos.

A jornalista da CNN Laura Coates estava ao vivo no momento e desviou a conversa para mostrar imagens da atualidade.

“Temos um homem que se incendiou fora do tribunal”, disse ela ao vivo.

Ainda emocionada, ela então contou o que sentiu em uma segunda conversa.

READ  Russia Today transmite no Canadá: Ottawa explora "todas as opções"

O jornalista então testemunhou: “Não consigo expressar o quão chocado fiquei quando vi uma pessoa viva em chamas”.

No local do incêndio, na praça em frente ao tribunal, as roupas ainda queimavam lentamente no chão e exalavam um cheiro forte, segundo relatou um jornalista da Agência France-Presse presente no local. Ambulâncias estão estacionadas.

Não sabemos, logo após este acontecimento espantoso, o estado em que esta pessoa se encontrava e as razões dos seus actos.

O drama extrajudicial, o primeiro desde o início do julgamento na segunda-feira, ocorreu quando o juiz Juan Merchan, que presidia o processo, anunciou que o júri completo havia sido selecionado para julgar Donald Trump – doze titulares e seis suplentes.

Conteúdo sensível
Esta imagem pode ser perturbadora para alguns.

Detecção de imagem

Fotografia de Michael M. Santiago/AFP

Julgamento de Stormy Daniels

Donald Trump é o primeiro ex-presidente dos EUA a comparecer perante um julgamento criminal e está a ser julgado no caso de pagar fundos ocultos para comprar o silêncio da ex-atriz pornográfica Stormy Daniels, poucos dias antes das eleições de 2016, que ele ganho. Candidata democrata Hillary Clinton.

O antigo Presidente dos EUA (2017-2021), candidato ao regresso à Casa Branca, chegou na manhã de sexta-feira a um tribunal de Manhattan para o quarto dia de sessão, protestando mais uma vez contra um “julgamento fraudado” que o impede de fazer campanha.

Também atacou o juiz que preside o processo, Juan Merchan, “o pior de todos”, porque o impediu de atacar testemunhas ou jurados, um ataque, segundo Donald Trump, ao seu “direito constitucional de se expressar” livremente.

Não ficou imediatamente claro se ele soube da tragédia fora do tribunal.

Na quinta-feira, doze jurados, sete homens e cinco mulheres que residem em Manhattan, prestaram juramento depois que suas vidas foram examinadas e muitas perguntas respondidas.

Trabalhando nas áreas de finanças, comércio, educação ou saúde, os jurados, aos quais o juiz prometeu anonimato, representavam um retrato da sociedade nova-iorquina.

Uma jurada confidenciou que odiava o carácter de Donald Trump, outra disse que ele tinha feito coisas boas pela América, mas todos enfatizaram que os seus sentimentos em relação ao 45.º presidente dos Estados Unidos não interfeririam no seu veredicto.

Mais de três anos depois de ter deixado a Casa Branca no caos, Donald Trump enfrenta teoricamente uma pena de prisão. Isto não o impedirá de enfrentar o presidente democrata cessante, Joe Biden, em novembro, numa revanche das eleições de 2020, mas direcionará a campanha para o desconhecido.

Mas se for provado que ele é inocente, seria um grande sucesso para o candidato republicano.

Especialmente porque conseguiu, através de recursos, adiar os seus outros três julgamentos criminais, dois dos quais acusados ​​de tentativas ilegais de reverter os resultados das eleições de 2020, e um de manipulação não oficial de documentos secretos.

Neste caso decidido em Nova Iorque, Donald Trump foi acusado de falsificar documentos contabilísticos da sua empresa, a Trump Organization, que supostamente pretendiam ocultar, sob o pretexto de “honorários legais”, o pagamento de 130 mil dólares a Stormy Daniels por parte do seu pessoal. advogado. Naquela época, Michael Cohen.

Em troca, o ex-

Mas o promotor Alvin Bragg pretende provar que se trata, na verdade, de manobras fraudulentas para ocultar informações dos eleitores poucos dias antes da votação.

  • Ouça a reportagem do jornalista Alexandre Morinville Ouellet sobre o programa de Yasmine Abdel Fadil via… QUB:


You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *