Imigração | Primeiro-ministro húngaro critica ‘gosto’ e ‘cheiro’ diferentes da Alemanha

Imigração |  Primeiro-ministro húngaro critica ‘gosto’ e ‘cheiro’ diferentes da Alemanha

(Budapeste) – O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, que visita Berlim, na sexta-feira, denunciou os danos na sua visão da imigração em massa para a Alemanha, que “já não se parece” com o que era antes.


“Se compararmos como era o país há dez anos, o sabor já não é o mesmo e o cheiro já não é o mesmo”, disse ele à rádio húngara.

O líder nacionalista, conhecido pelas suas posições anti-imigração, deverá encontrar-se com o chanceler alemão, Olaf Scholz, à tarde, enquanto Budapeste ocupa a presidência rotativa da União Europeia, no início de julho.

Na noite de quarta-feira, os dois homens assistiram ao jogo do Euro 2024 entre Hungria e Alemanha, em Estugarda. Foi o país anfitrião que venceu (2-0), para desespero dos adeptos de Viktor Orbán.

Fotografia de Damien Meyer, AFP

Viktor Orban aperta a mão de Olaf Scholz durante o confronto entre Alemanha e Hungria pela Eurocopa.

Anteriormente, o funcionário húngaro foi recebido pelo prefeito da cidade, Frank Nopper, e por Winfried Kretschmann, o líder ambiental do governo de Baden-Württemberg.

Orban criticou na sexta-feira um país completamente transformado, onde “centenas de milhares” de migrantes estão a beneficiar, disse ele, do recente relaxamento dos requisitos de cidadania.

Disse que já tinha sido um exemplo do seu “povo trabalhador” e do seu “regime”, mas agora se tornou um “estudioso colorido e multicultural”, com “todos os tipos de influências” na sociedade.

Felicitou-se por ter fechado a porta aos refugiados em 2015 e por “preservar a ilha da paz” na Hungria, ao contrário da Alemanha, que na altura recebia quase um milhão de pessoas.

Sob os auspícios de Viktor Orban, no poder desde 2010, o país da Europa Central construiu muros nas suas fronteiras e restringiu a apresentação de pedidos de asilo a embaixadas no estrangeiro, ao mesmo tempo que se recusou a contribuir para o mecanismo de solidariedade entre os Estados-membros da UE.

Uma política que já lhe valeu várias condenações do Tribunal de Justiça da União Europeia, incluindo uma multa recorde de 200 milhões de euros em meados de junho.

Mas confrontada com uma escassez de mão-de-obra causada pelo declínio demográfico, a Hungria está a recorrer a trabalhadores estrangeiros.

Nos últimos quatro anos, o número de chegadas de fora da União Europeia duplicou, passando de 35 mil no início de 2019 para 78 mil em março de 2024, a maioria delas provenientes da Ásia, segundo estatísticas oficiais.

“É um programa que não tem nada a ver com imigração, eles não ficam connosco a longo prazo”, observou Gergely Gulyas, chefe de gabinete do primeiro-ministro, no ano passado.

READ  Tensões na região Ottawa prepara uma “política externa do Ártico”

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *