Inicialização alemã OroraTech detecta incêndio

Inicialização alemã OroraTech detecta incêndio

Detectar a eclosão de incêndios florestais o mais rápido possível e informar as autoridades no terreno quase em tempo real, são alguns dos objetivos que a empresa alemã OroraTech, com sede em Munique, Baviera, se propôs. O potencial é enorme, pois o número de incêndios florestais aumenta a cada ano, como é o caso atualmente na Turquia e na Grécia.

→ análise. Na Turquia, incêndios violentos surpreendem o governo

Em seu escritório em Munique, Bjorn Stoffers, de 34 anos, não faz segredo de que as circunstâncias o ajudaram quando ele embarcou nessa aventura em setembro de 2018 com três amigos da Universidade Técnica de Munique (TUM). “No início, estávamos um pouco céticos em relação ao nosso projeto, depois ocorreram incêndios terríveis na Califórnia, no Brasil, na Sibéria e na Austrália”. Este jovem empresário se lembra disso. Os incêndios florestais aumentarão devido ao aquecimento global. De repente, a questão do mérito do nosso trabalho não se coloca mais ”.

Câmeras de satélite e infravermelho

A jovem fotógrafa, que cresceu, se especializou em sistemas de detecção de incêndios florestais por satélite e usa a tecnologia de câmeras infravermelhas que ela mesma desenvolveu, graças à Universidade Técnica de Munique.

A OroraTech agora tem cerca de cinquenta funcionários e cerca de trinta clientes, como o estado de New South Wales na Austrália, algumas autoridades locais de Quebec, empresas florestais na América do Sul e até uma ONG em Moçambique. Quase todas as pessoas podem acessar os dados em tempo real, que podem ser acessados ​​por e-mail ou por meio de uma plataforma digital, o que permite uma atuação rápida. “Em alguns casos, como no Brasil, isso permite identificar desde o início os ataques incendiários destinados à remoção ilegal.” Bjorn Stoffers explica.

READ  Valle vai pagar US $ 7 bilhões pelo desastre do Promadinho

Atear fogo começa a cada meia hora

A OroraTech se prepara para lançar seu próprio satélite em dezembro. O aparelho, cujo tamanho não ultrapassa 30 cm, está em fase de testes em Munique e deve permitir à jovem empresa dominar toda a cadeia tecnológica, sem ter que recorrer a parceiros externos.

“Em cinco anos, gostaríamos de lançar cem deles para identificar a eclosão de incêndios a cada meia hora e evitar grandes desastres, Lance Bjorn Stoffers. 10% do total de emissões de dióxido de carbono do mundo vêm de incêndios florestais. Se pudermos reduzi-lo em 1% com nossa tecnologia, isso seria um grande passo à frente. ”.

LAN Dinâmica

Com os incêndios cada vez mais nas manchetes, a empresa conseguiu arrecadar 5,8 milhões de euros em dinheiro privado este ano. “ Encontrar investimentos para desenvolver nosso software foi mais fácil do que produzir satélites, ” Mas Bjorn Stoffers admite.

O jovem empresário não se esquece do papel central das autoridades bávaras e da dinâmica rede econômica e tecnológica local. Os quatro fundadores contaram com o apoio de tudo o que aqui se chama “Vale do Isar”, “Vale do Isar”, nome do rio que atravessa Munique. Suposta referência ao Vale do Silício dos Estados Unidos.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *