Inundações na China: apenas uma maldição?

Pequim, China | A China tem sido vítima de inundações mortais há séculos, mas muitos desastres estão pelo menos tão relacionados às atividades humanas quanto ao mau tempo.

• Leia também – China: tempo recorde mata 25 pessoas e varre o metrô

Envelhecimento das barragens, mudanças climáticas, urbanização frenética … As consequências são terríveis quando a quantidade de chuva que normalmente é recebida em um ano diminui em três dias.

Foi o que aconteceu em Zhengzhou (centro), uma cidade de 10 milhões de habitantes enlutada na terça-feira pelas enchentes que atingiram seu metrô, prendendo passageiros na hora do rush.

Barragens eficazes?

A China historicamente conta com um sistema de represas, represas e reservatórios para se proteger das enchentes, principalmente de dois gigantes: o rio Amarelo e o rio Yangtze, o maior rio da Ásia.

O nível do rio Amarelo, que passa próximo à cidade de Zhengzhou, aumenta a cada ano devido aos sedimentos que se depositam em seu fundo. Com isso, o rio está agora, em seu curso inferior, “suspenso” entre barragens que se elevam até 20 metros acima do solo.

Mas o jardim da represa está envelhecendo e os militares anunciaram na terça-feira que uma estrutura corre o risco de ruir a qualquer momento no leito de um rio em Henan, província de Zhengzhou da qual é a capital. A instalação foi explodida na quarta-feira para permitir que a água flua de maneira controlada.

No centro de todos os temores, nas Três Gargantas da barragem de Yangtze, a maior do mundo, está um gigantesco reservatório de 600 quilômetros de extensão, em uma área crivada de falhas geológicas.

Qual é o impacto das mudanças climáticas?

READ  Nações Unidas: renúncia do embaixador da Birmânia nomeado pela Junta

O aquecimento global está tornando a atmosfera mais úmida e, portanto, aumentando a precipitação.

No ano passado, 53 rios sofreram enchentes recordes de verão, incluindo o Yangtze, que viu uma vazão sem precedentes na Barragem das Três Gargantas desde que começou a operar em 2003.

O cientista climático Li Shu, do Greenpeace, observa que as enchentes “são um alerta para a China, ou seja, que a mudança climática existe”.

‘Sponge Cities’ para o resgate?

A urbanização desenfreada na China por 40 anos cobre cada vez mais terras, que agora são impenetráveis. E os lagos naturais, que funcionam como represas no caso de uma enchente, vêem sua superfície encolher.

No esforço de reverter essa tendência, o governo lançou em 2014 o programa “Cidades Esponja”, que visa substituir coberturas urbanas por materiais porosos, espaços verdes e sistemas de drenagem, de forma que a água desapareça no solo.

Onde estão as vítimas?

Para proteger as cidades, o campo às vezes é intencionalmente inundado depois que os moradores são evacuados.

Durante as chuvas dos últimos dias, a água cobriu 75.000 hectares de plantações em Henan, de acordo com as autoridades locais, que estimam os danos em 542 milhões de yuans (US $ 106 milhões).

Salvação em tecnologia?

A China está cada vez mais recorrendo à tecnologia para monitorar seus rios.

Em Anhui (leste), uma das províncias mais sujeitas a inundações, a cidade de Anqing instalou câmeras de vigilância. Conectado às hidrovias, transmite alertas em tempo real.

O governo central está feliz com sua política de prevenção: no ano passado, contabilizou 219 mortes durante a temporada de enchentes de verão, menos da metade do número anual registrado nos últimos cinco anos.

READ  Austrália: a televisão pública suspende a transmissão de programas de canais chineses

Enquanto isso, as perdas econômicas aumentaram 15%, para 179 bilhões de yuans (CAD 34.343.000).

Veja também…

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *