Jair Bolsonaro irrita judeus brasileiros

Jair Bolsonaro irrita judeus brasileiros

Se apenas um permanecer, será ele. Aos 80 anos, Roy Flack Schneider é inflexível quando se trata de elogiar o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, mas está em queda livre nas pesquisas. “Ele é um homem simpático que pôs fim ao governo corrupto de esquerda, que sofre de uma notória campanha de difamação”. Vestido com esmero, Carioca explica isso, bigode, terno de três peças e abotoaduras de ouro.

Chefe da grande sinagoga israelita no Rio, “Roy” observa a maior e mais bela sinagoga da cidade, um novo edifício mourisco, todas cúpulas e torres, instalado no centro da cidade. Ele menciona a todos que desejam ouvir: « Nós, os judeus do Brasil, nunca conhecemos época melhor. Bolsonaro nos ama. Ele é um amigo natural de Israel e simpatiza com este país. »

O fim da “lua de mel” com a comunidade judaica

Mas por trás do seguro existe uma preocupação. No caso: uma polêmica que só abalou a sociedade. No dia 22 de julho, Bolsonaro recebeu em Brasília, com todos os sorrisos, a visita da deputada alemã Beatrix von Storch. Aos 50 anos, a autoridade eleita não é apenas vice-presidente do Partido Alternativo de extrema direita (AfD), mas também, e sobretudo, neta de Johann Ludwig von Krusijk (1887-1977), Ministro das Finanças de Adolf Hitler.

O evento causou imediatamente um alvoroço. « A Belsonaria já não esconde a sua simpatia “,” A organização de esquerda tuitou Judeus pela Democraciaexplodir a alternativa « Com raízes associadas ao nazismo e xenofobia aberta ». A ela se juntaram os responsáveis ​​pelo Museu do Holocausto e pela Confederação Israelense-Brasileira (Conib). « Esta visita é uma grande preocupação para nós, Claudio Lautenberg, presidente desta confederação, explica. Refere-se aos momentos mais sombrios da nossa história. »

O episódio chegou a encerrar uma forma de “lua de mel” entre Jair Bolsonaro e a comunidade judaica. O presidente do Brasil sempre foi um admirador atordoado de Israel, elogiando seu patriotismo e « apreciação das forças armadas ». Ele descreveu habilmente seu relacionamento com seu “grande amigo” Benjamin Netanyahu, o ex-primeiro-ministro do estado hebraico.

READ  Embraer: lucro líquido do segundo trimestre

Apelidado de “Hitler Brasília”

Não é uma manifestação a favor de Jair Bolsonaro, visto que não se origina um grande grupo de bandeiras com a estrela de David. « O Brasil nunca desistirá de Israel e dos judeus “,” Bolsonaro repetido em junho. A comunidade judaica brasileira, diversa, de imigração hispano-portuguesa, holandesa, asquenazi ou sefardita, não é uma força eleitoral significativa: tem apenas 120.000 membros, ou apenas 0,06% da população.

Você tem 46,49% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *