Karen Jean-Pierre sobe ao pódio da Casa Branca e faz história

Karen Jean-Pierre escreveu uma página de história na quarta-feira, aparecendo na frente da sala de imprensa da Casa Branca: Ela se tornou a segunda mulher negra a assumir um papel tão proeminente.

Leia também: A origem do COVID-19: Biden pede aos serviços de inteligência um relatório de 90 dias

Leia também: Família de George Floyd na Casa Branca exige reformas na polícia

Mas isso não acontecia há décadas: a primeira foi Judy Smith, sob George HW Bush, em 1991. “Hoje é um grande dia na Casa Branca”, tuitou Jane Psaki, porta-voz da Casa Branca. Uma palavra da Casa Branca, que assim temporariamente cedeu lugar ao seu vice.

“É uma grande honra estar aqui hoje”, disse esta última, referindo que tinha consciência da “dimensão histórica” da sua existência.

Nascida na Martinica de pais haitianos, Karen Jean-Pierre também se tornou a primeira mulher assumidamente gay a substituí-la, enfrentando jornalistas, na prestigiosa “James Brady Press Briefing Room”.

Uma carreira na política

Figura de vínculo de longa data, o francês de 40 anos trabalhou nas campanhas de Barack Obama (2008 e 2012) e depois em Joe Biden em 2020 antes de se juntar à sua equipe na Casa Branca.

Já forneceu briefings de imprensa do Força Aérea Um durante os voos presidenciais. Mas são menos impressionantes do que o “briefing” diário, que é transmitido ao vivo pela televisão e onde o menor erro pode custar caro.

A presença de Karen Jean-Pierre na mesa é particularmente reconfortante, porque a posição atual da prestigiosa “Secretária de Imprensa da Casa Branca”, Jane Psaki, indicou que ela pretende abdicar dentro de um ano.

READ  Canadá espera 655.000 doses de AstraZeneca na próxima semana

Os ativos dos quais você mais se orgulha

Karen Jean-Pierre frequentemente explica como a carreira de seus pais teve uma influência decisiva em suas escolhas e em sua carreira.

“Eu odeio Donald Trump”, ela explicou em um vídeo para o MoveOn, que já foi uma figura proeminente. “Sou negra, sou gay, sou mãe.”

Ela acrescentou: “Meus pais nasceram no Haiti e vieram aqui para o sonho americano”, explicando que ela queria estar em posição de explicar para sua filha um dia o que ela fez, como ela se mobilizou, face a face a “loucura” da presidência de Trump.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *