Kim diz que a Coréia do Norte deve se preparar para “diálogo e confronto” com Washington

Seul | O líder norte-coreano Kim Jong Un disse que seu país deve se preparar para “tanto o diálogo quanto o confronto” com os Estados Unidos, em sua primeira reação à política coreana do novo presidente americano Joe Biden.

• Leia também: Coreia do Norte: Kim Jong Un admite ‘situação alimentar difícil’

Joe Biden, cuja “política hostil” Pyongyang denuncia, não descarta um encontro com o líder norte-coreano Kim Jong Un, mas ressalta que não o fará sem compromissos claros deste último. As negociações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte estão paralisadas desde o fracasso da segunda cúpula entre Donald Trump e Kim Jong Un em Hanói em 2019.

A Agência Central de Notícias da Coréia oficial informou que Kim “enfatizou a necessidade de se preparar para o diálogo e o confronto, especialmente a preparação completa para o confronto”, em um discurso sobre sua estratégia em relação a Washington em uma reunião plenária do Comitê Central do Partido.

A agência oficial disse que o líder norte-coreano “pediu uma reação viva e rápida ao rápido desenvolvimento da situação e concentrou os esforços no controle estável da situação na península coreana”.

Em maio, Joe Biden criticou a abordagem de seu antecessor Donald Trump, que se encontrou com o “presidente Kim” duas vezes, em Cingapura e depois em Hanói, sem resultados tangíveis. Ele insistiu: “Não vou dar-lhe reconhecimento internacional” sem seus pares.

sem ilusão

Ele então disse que “não tinha ilusões” sobre a dificuldade de persuadir a Coreia do Norte a desistir de seu arsenal nuclear, após uma entrevista na Casa Branca com seu homólogo sul-coreano Moon Jae-in.

“Não temos ilusões sobre a dificuldade, não temos ilusões. Os últimos quatro governos não alcançaram a meta. É uma meta muito difícil”, disse ele a repórteres, anunciando que havia nomeado o veterano diplomata Sung Kim como especial de Pyongyang enviado.

READ  Europe welcomes Biden but will not wait for him

A Coreia do Norte conduziu seis testes de mísseis desde 2006. O país está sujeito a várias rodadas de sanções internacionais por causa de seus programas de armas proibidos.

Cheong Seong-chang, diretor de estudos norte-coreanos do Instituto Sejong, disse que Pyongyang agora pode aceitar uma “redução gradual de seu arsenal nuclear e um congelamento de seu programa nuclear em troca do alívio das sanções”.

A Coreia do Norte pode retomar os testes nucleares este ano em um esforço para forçar o governo Biden de volta à mesa de negociações, de acordo com um relatório de especialistas da inteligência dos EUA divulgado em abril.

O relatório analisa que Kim “poderia tomar uma série de medidas agressivas e potencialmente desestabilizadoras para remodelar o ambiente de segurança regional e criar uma divisão entre os Estados Unidos e seus aliados”.

Isso poderia incluir a retomada dos testes de armas nucleares e mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs).

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *