Le Nouvelleste | Adeus Igor Kipman, um verdadeiro amigo do Haiti

Le Nouvelleste |  Adeus Igor Kipman, um verdadeiro amigo do Haiti

Por Ricardo Sittenfoss[1]


No início deste mês, Igor Kipman, embaixador do Brasil no Haiti de 2008 a 2012, morreu aos 71 anos em sua cidade natal, Curitiba.


Poucos no Haiti o conhecem bem. A razão é simples: ao contrário de muitos de seus colegas publicados em Port-au-Prince, Igor Kipman não se considerava palestrante, não usava a imprensa em sua propaganda, agia com discrição e, sobretudo, tinha um respeito sem limites pelo Haiti e seu povo.


Responsável pela administração da América Central e Caribe e assessor do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Igor revisa em 2007 com o Ministro da Supervisão os nomes mais propensos a serem indicados como embaixador no Haiti. Depois de estudar a lista, o ministro lhe perguntou: “E seu nome, por que não é?” »


Ele chegou ao fim de sua carreira no caso de não se tornar embaixador, Igor deveria deixar sua carreira. Apesar disso, ele não se candidatou ao cargo. Ele só pode obtê-lo por decisão do Ministro Amorim. Isso diz muito sobre o personagem de Igor.


Com a mesma contenção pessoal, ele liderará uma verdadeira revolução nas relações entre Haiti e Brasil. Durante seus quatro anos no PaP, Igor organizou três visitas presidenciais. Isso é inédito na história da diplomacia brasileira!


Além do trabalho cuidadoso e contínuo entre a diplomacia tradicional e a relação com o importante envolvimento militar brasileiro na MINUSTAH, incluindo a liderança, Igor também atuou em outros três níveis.


A primeira foi sua caridade. Incentivado pela determinação de sua esposa, Rosina Eben-Athar Kipman, essa dupla inusitada é o oposto da imagem que costumamos ter dos diplomatas. Rosina, jovem, parecendo muito mais jovem que a avó, era na verdade simpática e sorridente, cheia de energia. Ela simbolizava para mim a verdadeira assistência humanitária. Mergulhei resolutamente nesse Haiti que me assustava e tinha responsabilidades que inicialmente me escapavam; Seus longos dias foram dedicados a ajudar orfanatos, creches, escolas e famílias inteiras. Trabalhei com as pessoas que liguei. [ses] Irmãs: freiras brasileiras encarregadas dos orfanatos de Cité Soleil, Jeremy e Leon. Onde quer que ela fosse, ela estava cercada por soldados que deveriam mantê-la segura, mas que na verdade a ajudavam a carregar sacolas de comida, remédios, roupas e material escolar.


Uma vez por ano, os cônjuges alugavam o Tap-Tap por conta própria, enchiam-no de órfãos e os levavam o dia todo para sua residência oficial. Cada criança recebeu atenção especial e foi recebida com um beijo do embaixador. Jogos, petiscos, bebidas, música, dança e um mergulho na piscina são pontuados por uma festa infantil que seria normal em outras circunstâncias, mas fez para as crianças um evento único e memorável.

READ  País depende de recuperação econômica e investimentos estruturantes


A segunda é a coordenação da assistência humanitária e de desenvolvimento. Para evitar a duplicação de esforços, existem mais de trinta projetos de cooperação técnica (saúde, agricultura, justiça, entre outros) sob a direção de Igor e sua equipe. Além disso, está sendo formada cooperação trilateral com Canadá (saúde), Espanha (reflorestamento) e cooperação sul-sul com Cuba e Venezuela.


Com o terremoto de janeiro de 2010, a cooperação abrangente para o desenvolvimento se transformou em ajuda de emergência. Também muda o papel político de atores internacionais, incluindo o do Brasil e seu embaixador. Esta diplomacia puramente política, a terceira atividade importante de Igor Kipman, aqui estão algumas reflexões.


Até a crise política no final de 2010, Igor desempenhou um papel fundamental no grupo central. Assim, quando o resultado das eleições para o Senado altera sua composição, é adotada uma moção de censura ao primeiro-ministro Michel Pierre Louis. Em um sistema parlamentarista, uma mudança de governo é normal se houver uma nova maioria. No entanto, a Internacional protesta e se opõe à aplicação de tal lei ao Haiti. Madame Pierre-Louis tinha estima internacional e deveria manter sua posição. O grupo central preparou um memorando de apoio, redigido pelo representante da UE (italiano Francesco Gosetti Di Sturmeck) e aprovado pelos Estados Unidos, para protestar contra a votação da moção de censura.


Antes de torná-lo público, tentei mostrar aos meus colegas (principalmente de países com sistemas parlamentaristas) que não pode haver dois pesos e duas medidas. Em outras palavras, uma situação considerada normal em seu país torna-se um sacrilégio no Haiti. No entanto, o governo terá um novo primeiro-ministro porque Kipman se distancia do memorando e impede essa nova intervenção da Internacional. Francesco depois de ouvi-lo dizer: “Touché! Fluiu!”


Em 28 de novembro de 2010, a organização internacional, seu porta-voz Edmond Mullett, “convidou” o presidente Rene Préval a deixar o Palácio Nacional e se exilar no exterior, opôs-se nestes termos:


“Nas Américas, em 2001, foi assinado um documento intitulado A Carta Democrática Interamericana, que estabelece que qualquer emenda, fora do âmbito dos princípios constitucionais, para autorizar um presidente democraticamente eleito, será considerada um golpe”.


No entanto, quando falei em meu próprio nome apenas porque nessa reunião do golpe a Organização dos Estados Americanos representou seu vice-secretário da Triste Memória, tive que encontrar aliados. Então, olhando para a direção em que o embaixador Kipman estava, perguntei a ele: “Não conheço a posição do Brasil”. Ele respondeu imediatamente: “O Brasil tem a mesma interpretação”. É um alívio que eu não esteja mais sozinho e que o golpe tenha sido frustrado. Fizemos isso porque, a nosso ver, estávamos preparados para cometer uma desgraça moral e um grave erro político. Com a participação ativa da organização internacional, planejamos mais uma vez empurrar o Haiti para o abismo levantado por Luigi Einaudi durante a crise de fevereiro de 2004.

READ  O magnésio mais verde do mundo é encontrado em Val-des-Sources | Notícias A exibição


Depois que o CEP publicou os resultados da primeira rodada em Port-au-Prince em 7 de dezembro de 2010, que foi proibida, recebi um convite para participar da reunião do grupo central; Essa reunião foi solicitada por Préval na sala que servia de escritório de Mollet, dentro da Base Logística da MINUSTAH (Base de Registro), próxima ao aeroporto.


O embaixador Kipman e eu chegamos ao Boulevard Delmas e perto do parapeito que bloqueava completamente a entrada, seu telefone tocou: Mullet nos diz que nenhum membro do grupo central pode se mover e que Préval não pode sair de casa. Por isso, a reunião foi suspensa. Nós nos viramos.


Na volta, Kipman me disse: “Já que Préval não pode sair de casa, por que não vamos vê-lo?” Se o Presidente da República quer nos ver, devemos fazer tudo o que pudermos para satisfazê-lo.” Aplaudi a decisão e imediatamente telefonei. Este último nos garantiu que Préval nos receberia e que ele próprio participaria da reunião. Então tomamos a direção de Kenscoff Road. Pouco antes de chegarmos ao cruzamento da Main Street, uma grande barreira foi erguida no meio do cruzamento. Além dos civis, havia também policiais. Os fuzileiros navais brasileiros desembarcaram com suas armas e, com a ajuda da polícia, desobstruíram os obstáculos para nos deixar passar.


De repente, ouvi o rugido de balas ricocheteando no metal. Kipman manteve a calma e disse: “Não precisa se preocupar”. Um policial haitiano armado se afastou do grupo e ultrapassou nosso veículo. Ele subiu no barranco ao lado da estrada e disparou várias vezes de lá. O tiroteio parou imediatamente. Retomamos nossa viagem até a residência Préval.


Concordamos em formar um grupo de amigos para mediar. Sem que eu soubesse (também Kipman), no dia anterior em Washington, o núcleo local também sugeriu a criação de um grupo de amigos de acordo com o modelo sugerido por Préval. No entanto, o encontro que acabei de ter – quase simultaneamente – com o embaixador brasileiro e o presidente e primeiro-ministro haitiano rendeu uma proposta semelhante. Foi o suficiente para os Estados Unidos e Mollet: interpretaram isso como uma manobra brasileira para garantir a permanência de Préval na presidência e, portanto, decidiram sabotá-la.

READ  Kinross Gold vende todos os seus ativos russos por US$ 680 milhões


Durante a décima reunião na sede da Organização dos Estados Americanos em Washington, os Estados Unidos recuaram e rejeitaram o Grupo de Amigos. Desse ponto de vista, não é mais possível falar em mediação. Na França, Lionel Jospin foi abordado para compartilhar a fórmula consultada pelo Quai d’Orsay. Não só a França se opôs a ele, mas também proibiu a possibilidade de financiamento da União Europeia do Club de Madrid para tal tarefa. Mais uma vez, o Clube de Madrid mostrou sua verdadeira face: uma simples ferramenta para ativar a política externa de alguns países da Europa Ocidental. Michelle Bachelet não queria se envolver na crise. Apenas a ex-secretária-geral da Organização dos Estados Americanos, embaixadora Baina Soares, respondeu ao chamado. O fato de ser brasileiro reforçou claramente a suposta teoria da conspiração.


Em vez de usar o modelo de buddy group proposto pelo core group de Washington, que tinha a vantagem de ser também proposto por Préval e não imposto pela Internacional, o core group de Porto Príncipe preferiu torpedeá-lo porque frustrou sua estratégia de derrubar Preval.


Depois que a proposta do grupo de amigos foi rejeitada, a posição de Igor Kipman também mudou. Ele recuperou a reserva que sempre se impôs. Percebeu que Brasília não tinha intenção (e não tinha) de fazer nada que atrapalhasse seus interesses estratégicos. O recente mal-entendido foi uma lição. Para o Brasil, a atual crise haitiana foi apenas mais um elo na longa encruzilhada a que o país está acostumado. O Haiti e seus dilemas fizeram parte das questões da política externa brasileira, mas nunca a ponto de reorientá-los ou questionar escolhas estratégicas e pontos-chave. O Haiti sempre foi o que foi: uma forma de alcançar maiores expectativas internacionais. Nunca um fim em si mesmo. O Brasil não buscou uma solução para a crise haitiana se sentiu o perigo de conflito, por menor que fosse, com os Estados Unidos.


Igor Kipman nunca faltou senso de honra, coragem física e política. Ele acreditava no futuro do povo haitiano e trabalhou incansavelmente até os limites da diplomacia e da solidariedade para apoiá-los em sua busca por um futuro melhor. Que ele descanse em paz!


[1] Representante Especial da OEA no Haiti (2009-2011), autor de, entre outros livros, As Nações Unidas e a Cólera no Haiti: Culpados, mas Não Responsáveis? E o fracasso da ajuda internacional ao Haiti: dilemas e perdas, ambos publicados pela C3 Éditions. Esses livros também estão disponíveis em francês, espanhol e português.


You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *