Lisca vê Chape na preferência da mesa e avalia América-MG para a Série A: “Precisa evoluir muito” | america-mg

De um primeiro tempo “horrível” para um segundo tempo consistente com o padrão da equipe. Da reclamação sobre a montagem da mesa da Série B à necessidade de buscar melhorias para a disputa da elite nacional em 2021. Lisca, após o empate do América-MG com o Botafogo-SP, analisou o presente e o futuro do clube, com vontade de se despedir da Segunda Divisão com o título, mas já de olho na Série A.

O empate no Independência deixou o América-MG com 68 pontos. Mais dois que a Chapecoense, que visita Vitória neste domingo, em Salvador. O fato de o time catarinense voltar a jogar depois que Coelho foi criticado pelo técnico americano.

– Hoje não conseguimos dar a volta ao jogo, estávamos muito longe de vencer, do nosso gol e de abrir quatro pontos para a Chapecoense. Agora, a Chapecoense tem uma mesa favorável, joga sempre atrás da gente, sempre com mais tempo para descansar. Acho que até a Chapecoense quem montou a mesa. Agora é esperar que a Chapecoense não vença o jogo e fiquemos na primeira posição – afirmou o treinador.

Aliás, como as duas equipes se enfrentaram na 30ª rodada, a Chapecoense sempre jogou depois do América. Apesar disso, foi neste período que Coelho também abriu vantagem na liderança, mas tropeçou nos últimos dois jogos. Agora, se o competidor vencer, ele cai para o segundo lugar.

Lisca na partida contra o Botafogo-SP – Foto: Mourão Panda

No jogo contra o Botafogo, no Independência, o treinador de Coelho foi questionado sobre as finalizações da equipe: 14 no total. Segundo ele, a eficácia das licitações é preocupante e precisa ser aprimorada, além de melhorar a qualidade do elenco.

– É um problema nosso recorrente na competição (eficácia nas finalizações). Tanto é que temos o sexto, o sétimo melhor ataque da competição. E não corresponde a outros números, como defesa, finalizações, chegada na área. Às vezes temos muitas finalizações, mas não exige muito do goleiro adversário. Perdemos muito o alvo. É bom que esses jogos ocorram, que você possa avaliar o elenco para a próxima temporada. Ficou claro que precisamos evoluir muito para jogar a Série A.

Para Lisca, o primeiro tempo da América foi “horrível”. Ele também admitiu que não encontrou uma forma de tornar o time competitivo e envolvente sem a presença de Ademir e Felipe Azevedo. O primeiro foi suspenso e o segundo lesionado contra o Botafogo-SP.

– Fazia muito tempo que não tínhamos um primeiro tempo tão horrível, como hoje, desinteressados, técnica e taticamente doentes. Atitude bem abaixo de nossa equipe. O Botafogo joga tudo ou nada, com muito mais atitude, entrega. Nós pensamos que as coisas iriam funcionar quando queríamos. O futebol não é assim. Por outro lado, tem um adversário que está lutando muito, se dedicou muito. No nosso primeiro tempo, dentro do nosso padrão, não conseguimos envolver o adversário, articular, marcar. Não alcançamos nada. Sentimos saudades do Ademir e do Felipe Azevedo. Hoje foi muito visível, a falta que esses jogadores nos fazem. Esses jogadores são difíceis de substituir – apontou o treinador.

Lisca avaliou que a América-MG teve dois tempos distintos – Foto: Mourão Panda

A segunda metade foi diferente. Para Lisca, a entrada de Marcelo Toscano e Geovane, bem como a mudança de postura do América, como um todo, mudaram o cenário da partida.

– No segundo tempo mudou. Colocamos Geo e Marcelo. Colocamos o Marcelo na frente com o Geovane, puxamos bem o Juninho pelo lado direito, pressionamos o adversário, depois assumimos o jogo. Foi muito dentro do nosso padrão, dentro do campo do adversário, não tão organizado, mas com uma atitude diferente. Insistimos até o pênalti, mas não tínhamos a competência necessária para fazer o segundo gol. Sua equipe também abdicou do jogo, apenas marcando, sem muitas transições. Eu acho que eles estavam felizes com igualdade. Tentamos até o fim – frisou.

A Lisca agora terá este domingo e o segundo para montar a equipe para a partida contra o Brasil de Pelotas, terça-feira, às 16h (horário de Brasília), no interior do Rio Grande do Sul. Ademir recuperou de castigo, mas o treinador não vai deixar Matheus Cavichioli (lesionado) e os castigados Daniel Borges, Léo Passos e Rodolfo.

Loja oficial da América-MG – Foto: Divulgação

READ  TechnipFMC: grande contrato no Brasil

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *