Livro do meio ambiente para esta semana: “Diga-me como votar, eu direi quem você é …”

Livro do meio ambiente para esta semana: "Diga-me como votar, eu direi quem você é ..."

Divisões políticas e desigualdade social, sA direção de Amore Gethin, Clara Martinez Toledano, Thomas Piketty

Pós-graduação EHESS / Gallimard / Seuil, 591p, 25 €.

Nota: 5/5

oferta limitada. Dois meses por 1 €, sem compromisso

Essa soma é a realização de um grande projeto: nada menos do que a exploração de pesquisas realizadas após cada grande eleição desde 1948 em cerca de cinquenta países, por cerca de vinte pesquisadores. Alvo? Realize uma pesquisa histórica e global verdadeira dos motivos de votação.

A escolha dos eleitores é determinada por sua filiação a uma classe social, privilegiada ou desfavorecida? De acordo com sua origem étnica? Sua religião? A idade deles? De acordo com seu gênero? Por que em tantas democracias, quando as desigualdades sociais e econômicas estavam se ampliando, os debates enfocavam principalmente a imigração, a identidade nacional ou a integração?

No Ocidente, a votação em classe é menos pesada

Claro, a realidade é complexa e muda com os tempos, principalmente dentro do próprio país. No entanto, esse trabalho meticuloso revela fortes movimentos tectônicos. Nos Estados Unidos como na Europa, o voto racial pesa cada vez mais nas escolhas do eleitorado, enquanto o voto de classe pesa cada vez menos. Nos Estados Unidos, entre as décadas de 1950 e 1980, o Partido Democrata reuniu em grande parte os votos das classes populares, independentemente de sua identidade étnica.

Mas desde a primeira década do século XXI, as minorias negras e latinas votaram a favor do Partido Democrata, enquanto as classes populares brancas claramente se autodirigiram. Para os republicanos. No topo da pirâmide social, os grupos mais educados votam nos democratas, enquanto os mais ricos continuam a apoiar os republicanos … Quanto às mulheres, seu voto mudou dramaticamente. Do campo conservador e religioso ao campo dos “sociais democratas verdes”. A Europa segue as mesmas tendências.

READ  Atualização da pandemia global

A chave para a compreensão

Por outro lado, o resto do mundo está se movendo na direção oposta. Especialmente na América Latina, África e Ásia, a influência de pertencer a uma determinada classe social aumenta, enquanto o voto étnico diminui.

A reversão dessa perspectiva é holística e permite resolver muitos dos mistérios levantados pelos sucessos de Donald Trump nos Estados Unidos, Jair Bolsonaro No brasil, ou Narendra modi na Índia. Um livro, senão o livro essencial para compreender os desafios e riscos do ano eleitoral que se abre na França.


Opiniões

Aviso

Crédito: LAURA ACQUAVIVAEscrito por Christoph Donner

crônica

Emmanuel Macron, fundador da En Marche!  , Em 25 de fevereiro de 2017 em Saint-Priest-Taurion em Haute-VienneChloe Maureen

O melhor do mundo

Nosso colunista Sylvan Forte.Por Sylvan Forte

Cientista

Bruno Tertris, especialista em análise geopolítica, é vice-diretor da Foundation for Strategic Research e Senior Fellow do Montaigne Institute.Escrito por Bruno Tertris

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *