Mineração na África: empresa canadense acusada de violação de direitos

Mineração na África: empresa canadense acusada de violação de direitos

A Amnistia Internacional acusou uma empresa mineira sediada em Vancouver, na Colúmbia Britânica, de violações dos direitos humanos relacionadas com o despejo de residentes que viviam perto da sua mina de cobre na República Democrática do Congo.

Pelo menos é o que afirma a organização humanitária sobre as minas de Ivanhoe, informa a Global News.

Segundo a Amnistia Internacional, a empresa não forneceu habitação adequada às famílias que perderam as suas casas e terras agrícolas durante a instalação da mina Kamoa-Kakula em 2018.

As novas casas que serão construídas não terão casas de banho, água canalizada, nem mesmo electricidade, enquanto as dependências serão simples buracos no chão, sem ligação à rede de esgotos, segundo o relatório.

“Quando as pessoas são deslocadas e forçadas a abandonar as suas terras […]“O que lhes é oferecido como solução alternativa deve ser avaliado de acordo com o que é apropriado, seja ao abrigo da legislação congolesa ou da legislação internacional em matéria de direitos humanos”, afirmou Candy Ofemi, chefe de investigação sobre justiça climática da Amnistia Internacional.

A Ivanhoe Mines é uma das principais proprietárias da mina em questão, e a empresa chinesa Zijin Mining também detém ações.

No seu relatório, a Amnistia Internacional – utilizando a Iniciativa de Boa Governação e Direitos Humanos – estudou 45 famílias reassentadas na cidade de Mufunda.

bom começo

No entanto, foram realizadas consultas aos residentes antes da sua deslocalização e reassentamento de acordo com as normas técnicas da empresa canadiana.

De acordo com grupos de direitos humanos, a consulta foi “objetiva, consistente com as normas internacionais de direitos humanos e foi além dos requisitos da legislação congolesa aplicável no momento da consulta”.

READ  Joe Biden nomeia os primeiros juízes e afirma a diversidade

As regulamentações mineiras congolesas, em particular, exigem que qualquer pessoa expulsa por um projecto deste tipo “alcance um nível de vida superior ao conhecido no seu ambiente original”, de acordo com o relatório.

Uma escola primária foi construída em 2018, e Ivanhoe deverá abrir um centro de saúde em 2023, cinco anos depois de os residentes terem sido deslocados.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *