Misteriosas luzes de “Glória” vistas em um planeta fora do sistema solar pela primeira vez

Misteriosas luzes de “Glória” vistas em um planeta fora do sistema solar pela primeira vez

Coventry, Inglaterra – Os astrónomos descobriram potenciais evidências de um fenómeno conhecido como efeito “glória” num planeta fora do nosso sistema solar, uma observação inédita que pode lançar luz sobre a viabilidade da vida em mundos distantes.

O chamado efeito de “luz gloriosa” é um fenômeno fascinante que aparece como anéis de luz circundando um ponto brilhante central. Isso acontece quando a luz de uma estrela (como o Sol) é espalhada de uma certa maneira por pequenas partículas na atmosfera de um planeta ou lua. Essas partículas desviam a luz, criando uma série de círculos coloridos concêntricos. É semelhante a ver um arco-íris ao redor da sua sombra quando você olha contra o sol em um dia nublado, exceto que isso acontece em uma escala muito maior e pode ser visto do espaço.

Este efeito só foi encontrado uma vez noutro planeta – Vénus – o que significa que, se confirmado, esta seria a primeira ‘glória’ a ser descoberta fora do nosso sistema solar.

Cientistas da Universidade de Warwick acreditam que o impacto ocorreu num planeta chamado WASP-76b, localizado a cerca de 637 anos-luz da Terra. Descoberto pela primeira vez em 2013, o WASP-76b tem quase o dobro do seu tamanho Júpiterconhecido por sua atmosfera “infernal”.

Vistas simuladas da glória em Vênus e na Terra (fonte da imagem: Universidade de Warwick)

“Nunca vimos antes estes anéis concêntricos coloridos num corpo de exoplaneta,” diz o co-autor Dr. Thomas Wilson no seu artigo. declaração. “Portanto, se for confirmada por estudos futuros, esta primeira glória exoplanetária tornará o WASP-76b um objeto verdadeiramente único – e dar-nos-á uma bela ferramenta para compreender as atmosferas e a habitabilidade de exoplanetas distantes.”

Um lado do planeta está sempre voltado para o Sol, onde a temperatura chega a insuportáveis ​​2.400 graus Celsius. Por outro lado, um lado está sempre longe do sol, vivenciando uma noite “sem fim” onde as nuvens pingam chuva de ferro derretido.

READ  This epic space cloud sums up our goodbye for 2020

No entanto, observações do Satélite de Caracterização de Exoplanetas (CHEOPS) da ESA sugerem que pode haver “glória” entre estes dois aspectos.

“Há uma razão pela qual nunca foi vista nenhuma glória fora do nosso sistema solar, e é porque requer condições muito estranhas”, afirma o autor principal, Dr. Olivier Demanjon, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço de Portugal. “Primeiro, precisamos de moléculas atmosféricas que sejam perfeitamente esféricas, perfeitamente uniformes e estáveis ​​o suficiente para observá-las durante um longo período. Em seguida, a estrela próxima ao planeta precisa brilhar diretamente sobre ele, com o observador apontando na direção certa. .”

A descoberta inovadora do planeta WASP-76b foi feita depois de os cientistas registarem 23 observações ao longo de três anos, à medida que passava antes e em torno da sua estrela semelhante ao Sol. Os dados recolhidos mostraram um aumento repentino de luz proveniente do “terminador” oriental do planeta, a fronteira onde a noite encontra o dia. Isso permitiu aos astrônomos determinar a origem do sinal.

Uma impressão artística do lado noturno do planeta WASP-76bUma impressão artística do lado noturno do planeta WASP-76b
Uma impressão artística do lado escuro do planeta WASP-76b – quente, mas frio o suficiente para cair gotas de chuva feitas de ferro fundido. (Fonte: ESO/Martin Kornmesser)

“Esta é a primeira vez que uma mudança tão acentuada no brilho de um exoplaneta foi detectada”, explica o Dr. Demangione. “Esta descoberta leva-nos a levantar a hipótese de que este brilho inesperado pode ser causado por uma reflexão forte, localizada e dependente da direção – o efeito glória.”

Ele diz que o próximo passo será usar o Telescópio Espacial James Webb (JWST) da NASA para confirmar que este é um “efeito glória” oficial.

“A confirmação significa que a temperatura da atmosfera do WASP-76b deve permanecer estável ao longo do tempo, permitindo nuvens de gotículas de água perfeitamente esféricas, necessárias para a formação da glória”, conclui o Dr.

READ  Diga Olá para Spotted Skunk Highlights, "Acrobats in the Skunk World"

A redatora do SWNS, Imogen Howes, contribuiu para este relatório.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *