Monster Hunter: O filme que nos faz estremecer e rir

Entre Paul WS Anderson e os videogames é uma história de ódio e amor. O diretor é conhecido por suas adaptações poderosas como Mortal Kombat ou The Early Resident Evil, mas ao contrário, ele está montando alguns sedos incríveis. É preciso dizer que os videogames são uma área que possui seus próprios codecs, específicos para jogar um produto de videogame. O que não corresponde necessariamente ao ritmo de um longa-metragem.

Crédito da imagem: Konstantin Films

Mods de videogame tendem a agradar os fãs, enquanto tentam atrair um público que não está completamente familiarizado com os jogos em questão. Isso geralmente resulta em um filme bizarro, com roteiro simplificado que irritaria os fundamentalistas, ao mesmo tempo em que incorpora fan service que o público em geral não entende.

Leia também: Sony encerra a compra e aluguel de filmes e séries do PlayStation

E de alguma forma, esses dois mundos se encontram em Monster Hunter. Por um lado, partimos de uma cena introdutória, que nos leva a descobrir os barcos navegando nas dunas em meio a uma tempestade, enquanto após alguns minutos nos encontramos com um grupo de soldados com personagens intercambiáveis, como de costume, que você não se surpreenderá em uma situação desesperadora. Isso levará a alguns momentos bem loucos, como a passagem em que a equipe encontra um enxame de criaturas teia de aranha que os colocarão em perigo.

Cenas que também contrastam fortemente com o resto do filme, que dão uma sensação real de que não sabíamos realmente o que fazer com o universo Monster Hunter. Na melhor das hipóteses, pegamos algumas idéias textuais, que reunimos para tentar fazer um filme. Dá a impressão de um filme cortado em várias partes, que nada têm a ver uma com a outra.

Monster Hunter: O filme que nos faz estremecer e rir

Temos sucessivamente uma breve síntese do universo, e a descoberta do personagem do Tenente Artemis, interpretado por Milla Jovovich, então o personagem do Tenente Artemis. Tony Ja, através de uma longa fase de treinamento e desenvolvimento da armadilha. No meio de tudo isso com um cansado Ron Perlman andando por aí com uma fantasia de cosplay, e no final as apostas são totalmente contatadas.

É verdade que o filme tenta ser fiel às suas origens, ou seja, ser um videogame. Especialmente com monstros que são relativamente insensíveis à tecnologia militar moderna, mas vulneráveis ​​a armas estranhas feitas de outras criaturas. Isso cria um contexto estranho, mas na realidade teria funcionado bem se tivesse sido explorado corretamente. Porque sem se surpreender, Monster Hunter perde completamente o que está tentando fazer.

Começa com boas intenções, mas logo se transforma em uma bagunça na organização de pensamentos que não funcionam. Eles tentam nos fazer entender que a Tenente Artemis é uma lutadora e que ela deve entender esse universo para sair dele. Infelizmente, isso acontece com uma longa fase de treinamento que leva quase metade do filme, para terminar com um confronto rápido.

Monster Hunter: O filme que nos faz estremecer e rir

O universo e seus personagens estão inexplorados e estamos insatisfeitos. A maioria dos heróis está ali apenas para argumentar a favor de Mila Jovovich, quando não são demitidos após duas ou três exibições. Existem algumas referências aos jogos aqui e ali, que certamente farão os fãs sorrirem, mas além da aparência dos pequenos monstros e armas usadas, poderíamos ter colado outro nome de licença ao filme sem chocar ninguém.

A história não é divertida e três quartos das vezes quase nada acontece. Algumas lutas sem importância depois do treinamento, uma peruca improvável e algumas criaturas para matar e acabar com os aplausos. É assim que podemos resumir este filme Monster Hunter, que claramente dá lugar a uma possível sequência.

READ  Por que você não consegue ver os "likes" de outras pessoas no TikTok?

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *