Morador de Loupericross brilha no Mundial de Canecross

Morador de Loupericross brilha no Mundial de Canecross

Um atleta de Rivière-du-Loup fez parte da delegação canadense que participou do recente Campeonato Mundial de Canecross, realizado nos últimos dias em Olveja, cidade a noroeste de Madrid, na Espanha. Olivier Gagnon se superou com seu cachorro Sweet, terminando em 12º lugar no individual e em quarto no revezamento. Nada mal para uma disciplina que ele descobriu recentemente.

Olivier Gagnon foi selecionado para a seleção nacional nos últimos meses, após um concurso de candidaturas, acompanhado por cerca de quinze atletas que representam a folha de bordo na terra de Gaudí. Ele brilhou lá, mesmo sendo iniciante no esporte.

No dia 23 de novembro, durante a primeira rodada da prova individual de canicross, o atleta de 31 anos e seu fiel companheiro de equipe, o Eurohound de quatro anos, completaram o percurso de 5,7 quilômetros em 16 minutos e 59 segundos. No dia seguinte, na segunda corrida, a dupla também teve um desempenho muito bom, completando a distância acumulada de 11,5 quilômetros em dois dias em 34 minutos e 09 segundos. Um bom desempenho para o 12º lugar no mundo, nada menos.

Na sexta-feira, Olivier e Sweet terminaram a prova apenas 9 segundos atrás do americano Nick Weiss, experiente atleta do cinturão.

“Não há palavras para expressar o quanto estou orgulhoso da nossa equipe hoje”, escreveu Olivier Gagnon nas redes sociais logo após o segundo turno. “Ma Sweet fez uma de suas melhores corridas e não desistiu até o final.”

Com tanta competição, Olivier disse após a primeira corrida que gostaria de ter sido 15 a 30 segundos mais rápido. Porém, uma coisa é certa: ele deu tudo de si durante os dois dias de competição. Para as pessoas comuns, suas corridas eram conduzidas em velocidades frenéticas, com velocidades máximas chegando bem acima de 20 km/h, o que deixava a pessoa tonta.

READ  Copa do Mundo Sub-17. Argentina humilha Brasil e enfrenta Alemanha nas semifinais

“Ele é muito, muito rápido”, admitiu o atleta. “As corridas de canicross são muito curtas, mas muito intensas […] Ao puxar a coleira, criando tração, seu cão faz você andar mais rápido do que se estivesse correndo sozinho.

Vale destacar que Olivier Gagnon também foi selecionado pela delegação canadense para participar do revezamento de domingo. A equipe, que incluía atletas de outras modalidades existentes no cinturão (como o ciclismo), terminou em quarto lugar, a menos de três segundos do pódio e a menos de um minuto e 30 segundos do primeiro colocado. Desempenho incrível.

Da estrada para Canicross

Em Quebec, Olivier Gagnon é bem conhecido na comunidade de corrida. Pratica esta disciplina há mais de 10 anos, obtendo excelentes resultados todos os anos em grandes eventos regionais. Ele até representou o Canadá nos campeonatos de corrida de montanha da América do Norte e Central em 2018.

Neste verão, o atleta esteve igualmente forte. Em agosto, ele terminou os 38 km (e ganho de elevação positivo de 1.890 m) do Ultra-Trail du Fjord du Saguenay em primeiro lugar. Um mês depois, terminou em segundo lugar na prova de 20 km do Harricana Ultra-Trail.
Cá está agora no Canicross, em Espanha, onde se destacou com uma das melhores atuações pela seleção canadiana, apenas três meses depois de iniciar o treino mais “específico” para esta disciplina.

É preciso dizer que a transição entre os dois esportes parece perfeita, para dizer o mínimo. Antes de falecer, o atleta venceu três corridas de canicross em Quebec.

“Para mim é complementar, cabe bem”, disse. “O outono é como um período de entressafra para a corrida em trilha, então mudarei para o canicross para continuar a temporada.”

READ  Outro jogador do Chelsea deixa o clube após Batshuayi

Olivier Gagnon se diz muito grato por ter a oportunidade de competir com os melhores atletas da área no mundo em seu primeiro ano oficial. O canicross é um esporte que vem ganhando popularidade no Canadá, mas já é praticado há vários anos na Europa. Além disso, os cinco primeiros colocados são atletas da Inglaterra, República Tcheca, Espanha, Noruega e Brasil.

“Os três primeiros lugares são realmente impressionantes. São caras que competem em campeonatos mundiais há vários anos. Eles têm mais experiência no esporte”, disse ele. “Acho que corremos o risco de trabalhar duro para voltar em alguns anos e almejar muito mais alto.”

Com base em excelentes desempenhos internacionais, Olivier Gagnon tem agora motivação para o futuro. Por isso, ele planeja continuar competindo, seja no trail running ou no canicross. Uma coisa é certa: ele não fará isso pela metade.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *