Morreu Mario Zagallo, o escultor do belo jogo, alma do futebol brasileiro

Morreu Mario Zagallo, o escultor do belo jogo, alma do futebol brasileiro

Jogador, técnico, coordenador técnico, participou de quatro das cinco vitórias do Brasil em Copas do Mundo.

Zagallo. Seu nome abrange mais de cinquenta anos de história do futebol brasileiro. Até onde suas memórias o levaram, elas invariavelmente ficaram com a Seleção. Porque as partidas são seguidas com paixão, antes de animá-las com corridas ponderadas e dribles sutis, para depois dirigi-las com maestria. Mario Zagallo foi o escultor do jogo bonito. “ Eu devo muito a ele. Talvez 50% do que fiz foi trabalho do Zagallo “, Pelé disse uma vez. “ Tive muitos bons treinadores, mas Zagallo foi realmente o melhor “, resumiu Ronaldo no site da Federação Internacional. Internado no Rio de Janeiro em meados de agosto por conta de uma infecção urinária, Mario Zagallo morreu nesta sexta-feira, aos 92 anos, no Rio de Janeiro. Depois de uma vida dedicada ao futebol. E a camisa verde e dourada usada com fé, como uma segunda pele.

Em 1950, Mario Zagallo participou durante o serviço militar na segurança do novíssimo Maracanã que viu ser construído em seu bairro da Tijuca. Ele assistiu petrificado e depois chateado, no meio de 173 mil espectadores, à derrota do Brasil na final da Copa do Mundo contra o Uruguai. A festa que virou tragédia, como a tragédia do Maracanã, está inscrita na memória coletiva brasileira. Mário Zagallo (“ Formiguinha “), participará da redenção. Em maio de 1958, marcou dois gols em sua primeira seleção contra o Paraguai, sua atuação abriu as portas para a Copa do Mundo. Participou de todas as partidas da Seleção, vencedora de sua primeira Copa do Mundo, em 1958 (marcando um gol na final contra a Suécia), carregado por um fenômeno chamado Pelé. Ainda coroado em 1962 no Chile (ao lado de Garrincha, Vava, Amarildo e Didi), Zagallo teceu, ao longo de sua vida, uma história especial com o futebol evento emblemático.

READ  Brasileiro Luan Peres assina pelo Olympique de Marseille

Jogador (do América para o Botafogo, via Flamengo), ponta-esquerda animado, muito envolvido nas retiradas e nas tarefas defensivas, Mario Zagallo (31 internacionalizações pela seleção, 5 gols) foi o periscópio do Brasil. Sem se gabar. Eficaz. Essencial. Servindo o jogo e outros. À sombra de Pelé, Garrincha, Jairzinho, Carlos Alberto, Gilmar, Vava ou Didi, sem sofrer com isso. Mas aos 35 anos, seu senso tático o colocará na vanguarda quando o estrategista encontrar o campo de expressão ideal ao abraçar a carreira de treinador (no Botafogo) o que o fará mudar de dimensão porque o sucesso é imediato.

Poucos meses antes da Copa do Mundo de 1970, herdou a Seleção. João Saldanha, que não conta mais com o favor do governo militar brasileiro, é demitido do cargo. Zagallo é enviado em missão. O homem afável e com o fervor muitas vezes levado ao ponto de ebulição retorna à Copa do Mundo. Numa posição exposta, sujeita às críticas mais virulentas (“ Sem alternativa à vitória para o selecionador nacional: 150 milhões de brasileiros mantêm pressão sobre Zagalo ”, conforme resumido pelo New York Yimes). Mario Zagallo resistiu e construiu sua lenda. A de um treinador capaz de unir a paixão dos brasileiros e a busca pelos maiores títulos. Ele vai assinar sua obra-prima. Uma sinfonia sem nota falsa no México durante a mais bela Copa do Mundo. O primeiro em cores, o primeiro transmitido ao vivo. Vencedor pela terceira vez, o Brasil conquista definitivamente a Taça Jules Rimet e se classifica como o time mais bonito. Um time dos sonhos (com quatro números 10, Pelé, Tostão, Gerson, Rivelino) vinte e dois anos antes do “ Time dos sonhos » Americano eletrizando as Olimpíadas de Barcelona com os geniais jogadores de basquete Magic Johnson e Michael Jordan. O Brasil, porém, temia, poucas horas antes da competição, um fiasco comparável à Copa do Mundo de 1966 (eliminação em 1er redondo). A mágica funcionará. Durará ao longo dos anos. “ Um rastro para sempre », é a manchete do diário brasileiro A Tarde. “ Transformei completamente a Seleção. Esse time será lembrado para sempre », disse Zagallo, treinador de um Brasil que encantou o mundo do futebol (6 jogos, 6 vitórias, 19 golos marcados na competição, uma final de sonho, orquestrada por Pelé, vitória por 4-1 sobre a Itália). “ O time de 1958 foi o mais forte em que já joguei, e o time de 1970 foi o mais forte que já treinei. Acredito que eles tinham duas coisas em comum: a vitória e a capacidade de encantar, de surpreender », resumiu Mario Zagallo. O técnico brasileiro foi convidado como o primeiro a vencer a Copa do Mundo como jogador e treinador. Franz Beckenbauer (1974 e 1990), depois Didier Deschamps (1998 e 2018) se juntariam a ele.

READ  Desmatamento na Amazônia: Novo recorde quebrado no Brasil em abril com mais de 1.000 km2 desmatados

Em 1994, “ a professora » ainda é o coordenador esportivo da seleção brasileira durante a coroação de Romário e Bebeto nos Estados Unidos (“ Você nos ensinou a amar o amarelo, a cor do Brasil. Você sempre defendeu nosso país, dentro e fora de campo. Você é um exemplo para todos nós », resumiu, emocionado, Dunga, o capitão), antes da final perdida em 1998 para os Blues de Aimé Jacquet.

A final ainda estava quente no dia 12 de julho de 1998, no Stade de France, quando Aimé Jacquet cumprimentou com muito cuidado o seu homólogo: “ Ele é o maior treinador do mundo. Eu levaria duas vidas inteiras para ter esperança de igualar seu histórico. Eu o admirava como jogador e depois como treinador. Espero que ele não me culpe por vencê-lo. » « Queria voltar para casa depois de marchar pela Champs-Élysées pelo Arco do Triunfo. Mas o Arco do Triunfo é seu », respondeu, emocionado, o homem derrotado, fair play que parecia frágil no seu fato de treino.

Ele exportará sua experiência. No Kuwait, Arábia Saudita. Antes de voltar sempre ao ponto de partida. Sua razão de viver, a Selaçao. Como um ímã. Contra todas as probabilidades. O Brasil treinou, cantou e celebrou muitos jogadores mais talentosos, mais espetaculares que Zagallo, mas sempre sentiu um profundo respeito por esse todo, um ser dedicado que soube conquistar um lugar de destaque na história da Selaçao, forjando para si um nome único. histórico.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *