Mudança climática: e se a selva se voltasse contra nós?

Mudança climática: e se a selva se voltasse contra nós?

Nos últimos anos, um número crescente de soluções tem sido propostas, todas voltadas para a prevenção da emissão de gases de efeito estufa na atmosfera. As tecnologias de armazenamento e sequestro de carbono são apresentadas como um dos possíveis remédios para o aumento crescente das emissões de gases de efeito estufa.

Isso inclui, entre outras coisas, a captura de gases antes que eles saiam ao ar livre e seu armazenamento em formações geológicas adequadas no solo.

O problema é que essas soluções são atualmente muito caras e difíceis de usar em grande escala.

Katherine Botvin e seus colegas especialistas em clima defendem uma solução mais simples e menos cara: invocar o poder da natureza.

O objetivo é o mesmo: evitar ao máximo a liberação de gases de efeito estufa das atividades humanas na atmosfera.

Mas as soluções naturais têm uma vantagem sobre as tecnologias: também permitem a adaptação às mudanças climáticas, para reduzir os efeitos de alguns desastres naturais, ao mesmo tempo que aumenta a biodiversidade.

Catherine Botvin diz que a solução climática natural está em qualquer lugar onde uma planta possa ajudar. É uma floresta, um bosque, um pântano, um jardim urbano, um pântano, um pântano, um prado ou até mesmo uma fazenda bem administrada, quando os fazendeiros largam as raízes dos alimentos que cultivam. A matéria orgânica armazena carbono.

É claro que manter esses espaços é o primeiro passo para aumentar a eficácia das soluções climáticas naturais.

Por exemplo, manter uma área úmida perto de um centro urbano não só serviria como um grande reservatório de carbono, mas também poderia desempenhar o papel de uma grande esponja quando o nível dos rios próximos aumentasse, para reduzir os impactos das enchentes em áreas povoadas.

READ  Hot pockets have been called out for potential glass and plastic contamination

A cidade de New Orleans é um bom exemplo de valorização da natureza para se adaptar aos efeitos do clima. O furacão Katrina em 2005 deixou 80% das terras da cidade submersas. Forçada a encontrar soluções econômicas para se adaptar às mudanças climáticas, a cidade de Louisiana está desenvolvendo um enorme espaço verde ao norte da cidade, que servirá como bacia de retenção em caso de enchente.

Ambientes naturais como florestas, parques urbanos, pântanos ou campos também são usados ​​para controlar a erosão costeira, incêndios florestais e temperatura ambiente.

Quando tem árvores, diz a bióloga, fica ainda mais frio! Basta lembrar a onda de calor deste verão para entender a enorme importância das árvores para os humanos. Está cinco a dez graus mais frio sob a árvore do que fora! Não é uma feira de carbono, é também um ótimo regulador de temperatura!

Se queremos limitar o aquecimento a 1,5 ° C, ou mesmo 2 °, devemos promover soluções naturais, são essenciais e são as mais baratas!, diz Catherine Botvin.

A promoção de soluções climáticas naturais é uma das ações recomendadas pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, que também divulgou um relatório especial em 2019 sobre o ordenamento do território. O objetivo é demonstrar os efeitos adversos no equilíbrio climático causados ​​pela destruição de ambientes naturais em favor da agricultura industrial ou da urbanização.

Devemos reconstruir e proteger os ambientes naturais, diz Catherine Botvin. É a solução climática mais lucrativa! Cultivar, conservar e restaurar seu estado natural e adotar uma prática de manejo de terras agrícolas que capta e sequestra dióxido de carbono do solo. Em seu relatório, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas afirma que a urbanização tem sido um dos motores do desaparecimento dos espaços naturais por várias décadas. A destruição de matas jovens, pântanos, campos em pousio ou turfeiras tem um impacto direto no equilíbrio do clima.

READ  A situação de Maria, de 22 anos, na Bélgica e sem papéis: “Queria dar uma vida melhor aos meus filhos” (vídeo)

Um fenômeno que ocorre rapidamente em uma área urbana como a Comunidade Metropolitana de Montreal (CMM), que inclui 82 municípios. Nesta região, a taxa de urbanização foi cinco vezes maior do que a taxa de proteção de ambientes naturais entre 1985 e 2015. A esta taxa, um relatório recente mostra, até 36% dos ambientes naturais remanescentes no CMM irão desaparecer devido a 2050.

Reduzir a expansão urbana tanto quanto possível resolverá muitos problemas relacionados ao clima, diz Catherine Botvin.

Apesar de todos estes factos científicos, não sente uma grande vontade por parte dos decisores políticos em propor essas soluções.

Acho que há interesse em soluções climáticas naturais, mas existe uma classe de pessoas que gostam de grandes máquinas, porque dão a impressão de que estão criando indústrias e empregos, diz Catherine Botvin. Ao passo que deixar a floresta crescer não é uma grande coisa.

Mas, na realidade, as soluções tecnológicas estão em uma escala muito pequena, enquanto as soluções naturais estão em uma escala grande, diz ela. Sem falar nos benefícios da biodiversidade! A natureza nos fornece muitos serviços essenciais para nossa sobrevivência. As espécies de plantas nos nutrem, nos curam, nos aquecem e muito mais!

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *