Na França, um esporte de combate há muito desprezado – Tahrir

Na França, um esporte de combate há muito desprezado - Tahrir
Licenciado em França há apenas dois anos, este sistema continua a conquistar novos adeptos.

O resumo das artes marciais mistas (MMA) passou a ser lutar em uma jaula Era. A partir de agora, a disciplina que combina boxe inglês, muay thai, luta livre, jiu-jitsu brasileiro ou mesmo judô está aumentando. Ela tem profissionais de estúdio de televisão, reúne multidões e continua conquistando a França. Praticada em uma gaiola octogonal forrada com tatames, ela agora tem novos campeões no MMA tricolor. Fãs e anunciantes estão obcecados com o francês Cyril Jean e o camaronês Francis Ngannou, depois que ela arrasou para rivais lendários, a superestrela irlandesa Conor McGregor e a “águia” do Daguestão, Khabib Nurmagomedov.

O objetivo do jogo é simples: dois jogadores se enfrentam em um duelo que termina em nocaute, decisão dos árbitros ou rendição (com chave de braço ou acelerador). As reuniões são divididas em três ou cinco rodadas de cinco minutos. Se a luta chegar ao fim, três juízes decidem o vencedor. Efeito incrível garantido.

“Um ataque à dignidade humana”

O que está por trás da sigla MMA? Uma combinação de pankration, um esporte grego antigo, e vale tudo – uma forma de luta livre nascida no Brasil no século 20 – que desde então se tornou um negócio. O MMA é um peso pesado na economia esportiva internacional. Nascida em 1993 em Denver, Colorado, a Ultimate Fighting, a massiva liga americana de MMA, foi comprada em 2016 por US$ 4 bilhões (€ 3,5 bilhões) pela empresa da Califórnia. WME-IMG, agora Endeavor. A organização matriz, com pouco tempo, construiu-se desde então para ganhar credibilidade, assim como lutas organizadas. Em 2001, foi estabelecido um regulamento padrão para colocação de obstáculos e enquadramento de MMA. Desde essa data, mais de 30 proibições foram implementadas, algumas delas chegando ao nível de inelegibilidade. Mistura: Morder, beliscar, cuspir, colocar os dedos nos olhos, atirar nas partes íntimas ou até mesmo pisar no chão do oponente está fora de questão. Para os homens, há oito categorias de peso, enquanto as mulheres competem em quatro.

READ  Ucrânia: afronta russo-americana à l'ONU

Até janeiro de 2020, a França era irredutível. Além da Noruega e da Tailândia, o wrestling e André the Giant foram um dos últimos a proibir as competições de artes marciais mistas. A proibição baseou-se em especial na recomendação do Conselho da Europa de 1999. A Comissão aconselhou os Estados-Membros “Proibir e prevenir lutas livres como a luta livre na gaiola”, Indo longe para chamar o MMA de“Ataque à dignidade humana”. Os amadores não desistem e insistem. Desde 2004, ex-campeões e treinadores, como Bertrand Amoso, lideram a luta pela aceitação da prática no país, atacada principalmente por outros esportes de combate e artes marciais. O MMA é um paraíso para jihadistas, Então ouse em 2015 o presidente da Federação Francesa de Judô Jean-Luc Rugy. “Para mim, MMA não é esporte. Tudo isso nasceu de uma invenção de fazer negócios, ele adicionou. Não há nenhum aspecto educacional com esse tipo de disciplina.

reconhecimento progressivo

Politicamente, sucessivos ministros do esporte passam adiante as batatas quentes. Em outubro de 2016, o ministro das Relações Exteriores Thierry Briar colocou uma moeda na máquina. sinal Decreto proíbe efetivamente competições. Se o nome da disciplina não for mencionado, o texto é proibido Socos, chutes, cotoveladas e joelhadas visam o lutador no chão. Decreto que redefine Regras técnicas e de segurança aplicáveis ​​a eventos desportivos de combate em geral, Os duelos autorizados também se limitavam a um tapete ou anel. Essa decisão do governo de Manuel Valls chocou ainda mais os defensores do MMA porque chegou a puxar o tapete debaixo de seus pés. Relatório parlamentar prestes a ser entreguee propor o reconhecimento progressivo e supervisão da disciplina.

READ  Banco central do Brasil quadruplicou sua exposição ao yuan chinês

Foram necessários os esforços de Roxana Maracineanu, Ministra Delegada do Esporte, para finalmente adotar o MMA na França em janeiro de 2020 e colocá-lo sob os auspícios da Federação Francesa de Boxe. A partir de agora, a França pode sediar e organizar competições profissionais. Mas essa prática já existe em muitos clubes. O MMA terá entre 30.000 e 50.000 praticantes franceses. De acordo com o Relatório Parlamentar de 2016, o número de espectadores que assistiram ao UFC na França foi estimado em 250.000, enquanto os autores consideram que o esporte atinge mais de 1,2 bilhão de famílias em todo o mundo.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *