“Na Ligue 1, o brasileiro sofre um pouco no início”, diz Caio Henrique.

O regresso do Mónaco. Enquanto pensávamos que o clube do rock perdeu um pouco depois de ser eliminado da Liga Europa, eles estão mais uma vez sonhando em se classificar para a Liga dos Campeões. Com um cronograma adequado, os homens de Philippe Clement ainda têm a chance de arrebatar o pódio da Ligue 1 e até o segundo lugar. Entre os homens fortes da força de trabalho de Mônaco está Caio Enrique. Com 31 partidas, dois gols e sete assistências, o brasileiro provou que sua adaptação ao futebol francês acabou. para 20 minutosrelembra a forma e a liga de talentos de sua equipe.

Qual é a sua análise deste bom período para o FC Monaco? O momento decisivo é a vitória sobre o Paris Saint-Germain?

Sim. Antes da partida contra o Paris Saint-Germain foi muito complicado. Os resultados nem sequer seguiram esta eliminação decepcionante na Liga Europeia. A partida contra o Paris nos deu a confiança que precisávamos. Após esta partida, conseguimos continuar e somar pontos importantes. Estamos em seis partidas seguidas sem derrota [huit, en réalité] Tentaremos continuar nesta linha.

Aconteceu alguma coisa após a saída da Liga Europeia?

Perdemos alguma confiança. Foi uma competição importante para nós. Esperávamos muito de nós na Liga Europa, mas conseguimos reagir rapidamente. Foi importante porque naquela época não estávamos mais lutando para chegar às competições europeias.

O que você gosta sobre o que a ASM está fazendo agora do ponto de vista dos jogos?

Conseguimos fazer o que o jogo exigia, nos adaptar a diferentes situações. Há jogos em que sabemos que não teremos muita bola, pelo que defendemos a um nível inferior e tentamos aproveitar as oportunidades de contra-ataque. Fomos muito inteligentes neste aspecto. E então temos a sorte de ter jogadores confiantes que são muito livres para jogar por direito próprio.

Também há muita velocidade no jogo de transição, vimos muito contra o Saint-Etienne em particular…

(interrompe) Claro, isso é o que o treinador nos pede. Ele sempre nos diz para pegar a bola de volta quando a perdemos. E ao recuperá-la, é preciso avançar rapidamente para aproveitar o momento em que o adversário está desequilibrado ao perder a bola. Em geral, os adversários estão fora de seu campo e suas linhas estão abertas nesses momentos. E é aí que tentamos picá-los. Com dois ou três toques de bola podemos subir em campo, e é isso que temos conseguido fazer bem nos últimos jogos. Além disso, somos muito realistas na frente do gol.

READ  Luis Henrik, "O Paciente Brasileiro" na OM

Falando do seu treinador Philip Kleiman, como ele te faz trabalhar? Quais são os métodos dele?

Os exercícios são bons com muita intensidade. Mas também nos dá muita liberdade na forma como jogamos. Ele está nos pedindo para correr o risco e agora é realmente algo que conquistamos.

Pessoalmente, o que se espera de você?

Na parte defensiva, ele me pede para pressionar o adversário, e na parte ofensiva, ele quer que eu arrisque. Ele insiste no fato de que possuímos as qualidades que devemos ousar e que em certos momentos tenho que arriscar mais. Nos sentimos confortáveis.

Este é um conselho razoável. Durante o treinamento, sentimos que às vezes você quer entrar no jogo e às vezes está parado e joga como um líder excêntrico, enquanto às vezes você precisa ir além de sua capacidade e foco. Este é o tipo de lado em que você está trabalhando?

No geral, ser meio-campista por tanto tempo ainda me ajuda muito na lateral. Hoje, ser zagueiro exige características de meio-campo como ter um bom jogo longo. Fiz várias assistências graças a esse aspecto do meu jogo que desenvolvi quando era meio-campista. E depois, como sempre joguei pela esquerda, mesmo como meio-campista, isso facilita o meu trabalho. Então, acima de tudo, é o lado que me ajuda na minha posição defensiva.

Garra Esquerda – Daniel Vaquero / SIPA

Qual é a diferença entre jogar como lateral no Brasil e na Ligue 1 francesa?

Principalmente intensidade. Na Ligue 1, os atacantes são muito rápidos e fortes fisicamente. No Brasil, são jogadores mais técnicos e menos intensos fisicamente. Na Ligue 1, você sempre tem que estar atento porque nossos adversários estão sempre procurando o espaço vazio atrás de nós. Portanto, devemos monitorar e interagir constantemente.

Pensamos duas vezes antes de bater muito alto quando estamos de lado em L1?

exatamente. Na França é preciso saber escolher a hora certa para pedalar. Os atacantes são muito rápidos, se você subir o tempo todo, eles o punirão nos espaços porque sabem explorá-los bem. Portanto, se você for descuidado, poderá facilmente custar um gol à sua equipe.

Muitos brasileiros tiveram sucesso no campeonato francês, mas outros também sofreram. Qual o nível de compatibilidade entre o jogador brasileiro e o futebol francês na sua opinião?

O jogador brasileiro deve se esforçar para entender o jogo o mais rápido possível para que possa se adaptar. É um torneio totalmente separado. Por exemplo, se você conseguir o campeonato espanhol, verá que é mais técnico, a Itália é mais defensiva. Aqui é mais físico, principalmente quando se joga contra uma equipe que defende por 90 minutos e só vai para o contra-ataque com atacantes rápidos.

Você não tem muito tempo para pensar e controlar a bola. O jogador brasileiro sofre um pouco com isso no início. No Brasil você tem muito espaço, pode controlar e tem dois ou três segundos para passar. aqui não. Você não tem espaço e, portanto, precisa tomar sua decisão mais rapidamente.

O primeiro toque é um pouco assustador no futebol francês. Você sabe imediatamente que há um jogador atrás de você pronto para devorá-lo.

Isso é absolutamente verdade. Então aqui os árbitros apitam menos em alguns contatos. Então você tem que ter cuidado para sair de áreas difíceis muito rapidamente. Espreitar, checar, passar, porque sempre tem alguém tentando roubar a bola de você. Muitas equipes também dependem disso: roubar a bola rapidamente, contra-atacar e tentar marcar. Esse pragmatismo é outro diferencial do futebol brasileiro.

READ  A morte de Marti Vergès, dentro do Escudo de Barcelona | Esportes

É difícil falar de futebol brasileiro sem falar de Neymar. Você treinou no Santos mesmo sendo mais novo. Como você o conheceu naquela época?

Nós o conhecíamos pelo futsal, porque ele já era muito conhecido na área graças a isso mesmo com quatro ou cinco anos de diferença. Aí ele veio com o time principal do Santos e nós sempre ficávamos em campo para assistir as partidas. Acompanhei muito a estreia dele na época. Para os brasileiros, é ótimo jogar contra ele porque ele é nossa referência, é o melhor jogador brasileiro do ramo.

Você já contou a ele sobre o tempo do Santos antes de jogar contra ele na L1?

Não, de jeito nenhum, já que estamos separados há quatro ou cinco anos, nunca tivemos a chance de nos conhecer antes. Mas finalmente consegui conversar um pouco com ele sobre os últimos jogos que jogamos contra o Paris, ele me deu sua camisa. É uma boa memória.

Existe solidariedade entre jogadores formados no Santos?

Eu nem sei se ele sabe que eu comecei no Santos também (risos)! Mas há uma solidariedade real entre os brasileiros em L1. Ney é uma referência para nós, então é tão divertido jogar contra ele quanto jogar contra outros grandes jogadores do PSG.

Já que você está falando de jogadores do PSG como zagueiro, como Mbappé é recheado?

Roh… É difícil! Mas todos eles na verdade. Os três dianteiros e os quatro são rápidos e inteligentes. É complicado, se você não for cuidadoso nessas partidas, então essa é a punição. Você não tem espaço para erro, senão a bola acaba nos pés de um daqueles jogadores que podem dobrar o jogo para você em um lance.

A questão dos recursos humanos. Quais são suas ambições para o futuro?

Estou tranquilo aqui em Mônaco. É um grande clube da França que me abriu as portas em um momento em que eu precisava de tempo para jogar, uma cidade com clima bom e mais (sorrisos), e um ambiente familiar muito bom. O frio não é trazido aqui em comparação com outros lugares da França. ajuda a trabalhar. A minha ambição é ajudar o Mónaco a redescobrir a Europa. Com certeza, se eu for bem em Mônaco, terei uma chance com a Seleção.

Você acha que está sendo observado pela equipe brasileira aqui, em Mônaco e na L1?

É claro. Muitos jogadores que jogam em L1 tiveram oportunidades de escolha. Paquita, Gerson, Bruno Guimarães quando esteve no Lyon. Então, se eu fizer bem o meu trabalho aqui, talvez um dia eu também tenha uma chance.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *