Natação e atletismo, dois grandes projetos para a França antes de Paris 2024

Natação e atletismo, dois grandes projetos para a França antes de Paris 2024

Ele é o calcanhar de Aquiles da delegação francesa nas Olimpíadas de Tóquio. A natação e o atletismo trouxeram à França duas pratas graças a Florent Manaudou (segundo nos 50m livres) e Kevin Mayer (segundo no decatlo). Além dessas atuações pontuais, é esse vazio do lado francês, seja no Centro Aquático de Tóquio ou no Estádio Olímpico, nessas modalidades que mais conquistaram medalhas.

Um resultado apetitoso não visto pelas federações francesas de natação e atletismo desde os Jogos de Sydney de 2000. Agora, elas contam com o confortável tricolor do calendário travessão no alvorecer das Olimpíadas de Paris de 2024. Sim, para a natação, jovens talentos parecem poder surgem nos melhores momentos, o É mais complicado por parte do atletismo, que busca uma geração jovem promissora.

Na natação, a sucessão foi firmemente antecipada

Com apenas uma medalha, o nadador francês teve um recorde decepcionante em Tóquio. Independentemente de Florent Manaudou, os nadadores fixos no lado francês não brilharam. Existem três em particular que nadaram longe de seu melhor: Charlotte BonnetCampeão Europeu 2018 nos 200m Mehdi Matila, o medalhista mundial de bronze de 2017 nos 100 metros, e David AubreyMedalha de Bronze Mundial 2019 nos 800m. Isso não é realmente uma surpresa: todo mundo está surfando no horizonte nos últimos meses, entre lesões e más formas. Eles não podiam permitir que os revezamentos ganhassem medalhas nesses jogos.

No entanto, uma natação tricolor pode aumentar suas esperanças em seus jovens talentos. A geração mais jovem dele experimentou a água olímpica neste verão e, se não vencer, será uma grande promessa para os Jogos de Paris 2024. E o primeiro deles, Maxime Gross (22), é o único que chegou perto da medalha ao terminar em quarto nos 100m, atrás do trio intocável de Dressel-Chalmers-Kolesnikov. Tolosin Leon Marchand, 19, foi convidado para a final do medley dos 400 metros (sexta). mesmo resultado Mary Whattell (24 anos), sexto lugar na final dos 100m borboleta, o que acompanha um desempenho de alto nível.

READ  Paris Saint-Germain: Neymar ausente por 6 a 8 semanas

Se não vencerem as finais, outros nadadores juniores em três cores têm feito o seu melhor nestes jogos, como Johan Ndwi Broward às 100 da tarde, ou Cyril Duhamel No medley de 200 metros. A auspiciosa ascensão ao poder nas duas semanas parisienses, em três anos.

Questionamento sobre atletismo francês

Se a natação começa a cair com os Jogos do Rio (três medalhas contra sete em 2012 em Londres), o atletismo francês deu um verdadeiro baque em Tóquio. As seis medalhas conquistadas no Brasil já parecem distantes, enquanto o décimo medalhista de prata Kevin Mayer, único medalhista do atletismo da França, parece uma decepção para quem lutava pelo título olímpico. O presidente da Federação Francesa de Federações de Atletismo (FFA), André Giroud, explica este fraco desempenho acima de tudo como um “insucesso”. O líder destaca, assim, as lesões que prejudicaram as principais chances da França durante os Jogos: Renault Lavillenie poleiro, Wilhelm Beluchian Mais de 110m com barreiras ou Pascal Martino Lagarde Também mais de 110m com barreiras.

READ  Zlatan Ibrahimovic escolhe o melhor jogador da história

Mas há outras referências preocupantes três anos após as Olimpíadas de Paris. Dos 65 atletas no início das competições, apenas oito chegaram à final do esporte. No inimigo, nenhum sucessor para Jimmy Vikout Nasceu em Tóquio. jovens esperanças Jimmy Greaser (24 anos) a uma altitude de 5000 m ou Gabriel Towal (23 anos) nos 800m mostrou apenas a ponta do nariz na final, sem desempenhar os papéis principais. Dois anos depois de um fiasco no Campeonato Mundial de Doha (duas medalhas, nenhum título), a IAAF ainda corre o risco de levar um tapa na cara. Claude Onsta, diretor de alto desempenho da Agência Nacional de Esportes, falou de um “recorde sem concessões” para a Associação de Futebol.

para Quentin Bigot Porém, em quinto lugar na final de arremesso do martelo, esse recorde de fome é “culpa dos atletas, não da federação” que deu “tudo que é preciso para seguir em frente”. sua contraparte Alexandra Tavernier (24 anos) é o único ator francês a falhar na entrega de medalhas, ao terminar em quarto lugar na competição final. Um desempenho ainda esperançoso em Haute Savoyard.

Em conclusão, uma imagem não é muito preta?

As Olimpíadas de Tóquio foram uma oportunidade para destacar as falhas da natação e do atletismo franceses, três anos antes do encontro principal dos Jogos de Paris. Ele trouxe dois majores com apenas duas medalhas para a delegação francesa. Mas tudo isso não é negativo. Os jovens talentos da natação crescerão e brilharão em plena luz do dia. No atletismo, a tarefa parece mais complicada, mas o retorno à “velha” forma e a confirmação da nova geração podem valer a pena em 2024.

READ  Copa América. O Brasil empata com os Estados Unidos em amistoso. Esportes

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *