Netflix. Com Pelé, o craque finalmente realiza um documentário que combina com seu nome. esporte

Numa época em que as gerações mais jovens de fãs de futebol se maravilham com o duelo heróico entre Lionel Messi Para cristiano Ronaldo Estamos ansiosos para jogos atuais e futuros entre Kylian Mbappe E Erling Haaland, Um de seus antecessores se destacou: Edson Arantes do Nascimento, o homem que marcou 1.283 gols em 1.367 partidas. Rei Pelé, Lenda e o Deus vivo da bola redonda. O único jogador a vencer a Copa do Mundo três vezes (1958, 1962, 1970). Uma história que não viveram pessoas com menos de 50 anos, mas que necessariamente leram, viram e ouviram em algum momento de suas vidas.

10 números que inspiram o cinema

Esta terça-feira, 23 de fevereiro, NetflixA plataforma, que conta com mais de 200 milhões de assinantes pagos em todo o mundo, lançou seu documentário dedicado ao astro brasileiro. O filme de 1 hora e 48 minutos intitulado “Pelé”, dirigido por David Trehorn e Ben Nicholas, lembra a história de vida nº 10 em Seleção.

Até agora, nada foi surpreendente desde a carreira e aura do jogador que realmente inspirou os cineastas com Pelé Forever (2004) ou Nascimento de uma Lenda (2016). Como o que pode ser feito por outra lenda do número 10: Diego Armando Maradona, desaparecido em 25 de novembro de 2020.

Mas esta produção original da Netflix permanece única. Por todas as gerações. Porque é finalmente um documentário que merece o nome atribuído à estrela brasileira. Porque, também, os diretores não traçam um quadro uniforme e linear de Pelé – muitas vezes o calcanhar de Aquiles da produção quando se trata de estrelas – e destacam a situação geopolítica do país durante a carreira do Rei Pelé.

READ  Tina Kunaki e Vincent Cassel, sob o sol brasileiro

“Ele vai participar da libertação do Brasil”

David Trahorn e Ben Nicholas se esforçam para provar como Edson Arantes Nascimento construiu sua lenda. Graças aos depoimentos de seus companheiros do Santos Futebol Clube, do próprio Pelé, de sua família, jornalistas ou políticos, e também de ótimas fotos de arquivo onde vemos suas melhores façanhas no retângulo verde, o documentário não perde tempo. Melhor: cativa. Escolher seguir a vida da lenda viva com o fio condutor das quatro Copas do Mundo disputadas não é fácil. “Meu pai costumava dizer: para jogar futebol, você tem que ser corajoso.” Esta frase, também pronunciada por Pelé no início da produção.

Depois do choque que ainda existe na Copa do Mundo de 1950, que perdeu em casa para o Uruguai (2 a 1), Pelé chegou em um time distinto que precisava de um segundo fôlego. Sua juventude (17 anos) e seu abandono o levarão à sua coroação pela primeira vez em 1958 na Suécia. Ao voltar para casa, ele já se tornou a nova namorada do Brasil, que vê no futebol o pulmão de sua influência internacional. Gilberto Gil, ex-ministro da Cultura do Brasil, diz uma frase muito correta: “Pelé chega quando aparece na televisão. Vai participar da libertação brasileira, principalmente dos jovens da favela que veem nele uma imagem popular da ascensão social dos negros de bairros desfavorecidos”.

Rei Pelé manteve o Santos FC feliz no Brasil por dezoito anos. © Agence France-Presse

Seu desenvolvimento pessoal coincidiu com o do país

Quatro anos depois, Seleção Ele mantém o título mundial, mas sem o lesionado Pelé na segunda partida. Essa coroação permite ao Brasil, acima de tudo, impulsionar sua imagem internacional ao se tornar, com orgulho, um país em desenvolvimento e aberto ao mundo exterior. “Pelé foi revelado ao mesmo tempo em que o Brasil se tornou um país moderno.”, Confirmado no documentário Fernando Henrique Cardoso, Presidente do Brasil entre 1995 e 2003.

READ  Kingsley Coman fala sobre seu amor por dribles e Ronaldinho

Em seguida, vem o golpe militar de 1964, quando o Brasil entrava na ditadura e dois anos depois coincidia com o “fiasco” da Copa do Mundo de 1966 na Inglaterra, quando o Brasil, diante de um futebol cada vez mais defensivo, foi eliminado na primeira rodada da competição. Pelé é particularmente fisicamente (lesionado novamente) e mentalmente distinguível devido ao difícil manejo da pose de estrela. Chegando ao ponto de anunciar que não jogará mais na Copa do Mundo.

Sua neutralidade política estava em questão

Mas, partindo desse ponto de vista, o documentário é apropriado: a influência política teve um papel importante em sua carreira. Pelé (80) enfrenta a câmera várias vezes no filme, não se intimida com nenhum assunto e responde com franqueza a cada momento de sua vida, não sem paixão.

Sob a ditadura do general Medici, Pelé vê a aura do planeta se recuperando politicamente. Sem reação brasileira. Meio século depois, sua neutralidade política ainda é alvo de críticas. E ele se considera nunca bem sucedido Para separar o verdadeiro do falso.

Quem quisesse uma simples foto de um jogador de futebol teria, no entanto, uma certa influência em algumas decisões políticas, segundo alguns. Ele agia como um negro que só poderia dizer sim senhor, um negro que aceita tudo, sem poder apelar, criticar ou julgar, Testemunha ao lado de seu ex-companheiro de seleção entre 1967 e 1977, Paulo Lima Cesar. Um dos principais contribuintes do documentário, ele é o único a distorcer a imagem impecável descrita por outros heróis de ação.

A foto é retirada, quando ele se junta aos santistas e aos amigos pelo resto da vida.  Uma cena atraente do documentário.  © netflix screenshot

Pelé, quando se junta ao time santista e aos amigos para toda a vida. Uma cena atraente do documentário. © Netflix screenshot

READ  Em meio a uma crise de saúde, Bolsonaro nomeou seu quarto ministro da saúde

Copa do Mundo de 1970, um momento importante

Aí vem a final da Copa do Mundo de 1970 quando o renascimento do rei levanta suspeitas na cabeça dos espectadores: aos 29 anos, ele jogou para enfrentar um desafio pessoal ou foi pressionado pelos governantes da ditadura brasileira? Sua coroação é uma lufada de ar fresco para ele e para ele Seleção Ou pelo país? Cabe a cada um fazer sua própria análise.

Queríamos saber mais sobre sua carreira e, principalmente, seu impacto no desenvolvimento do futebol nos Estados Unidos com o New York Cosmos. Assim como gostaríamos de saber mais sobre sua vida privada, é ele quem parece tímido nos braços de suas diferentes esposas, mas suas traições são múltiplas.

No entanto, Pelé vale a pena assistir porque ele foi antes de um documentário sobre o homem que era. Mas, acima de tudo, essa produção é especialmente relevante para os mais jovens, para entender como e porque Edson Arantes do Nascimento se tornou o deus do futebol.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *