No Brasil, a Instituição dos Índios, símbolo do ataque de Bolsonaro aos indígenas, foi desmantelada

Uma carta do Rio de Janeiro

É uma bela mansão dourada, com molduras cor de Chantilly e portas irreparavelmente fechadas. Há muito tempo nenhum visitante consegue cruzar a porta do Museu do Índio, localizado no coração da região de Botafogo, no Rio de Janeiro. E com razão: os locais já estão fechados há quatro anos, vítimas de problemas administrativos, da Covid-19, mas também da política do presidente Jair Bolsonaro em relação aos povos indígenas.

Oficialmente, trata-se apenas de reformas simples, mas intermináveis, necessárias para restaurar a segurança contra incêndios dos edifícios que datam do século XIX.e século. Inaugurado em 1953, o Museu do Frágil é muito mais que um espaço expositivo, é também um guardião da memória dos povos indígenas do Brasil: seu arquivo contém mais de 32.000 objetos e publicações etnográficas, que dão conta da vida de 817.000 indígenas. pessoas. Povo do Brasil. Uma caixa de valor inestimável.

Mas esse belo museu vai reabrir suas portas? ” Estou muito preocupado com o futuro dela. ”Seu ex-empresário, José Carlos Livigno, se preocupa. Ele foi brutalmente despedido do cargo em 15 de outubro de 2019. Eu aprendi sobre um capítulo em Gazeta Oficial »Explica esse homem de 60 anos que, após 24 anos no cargo, tinha menos de 24 horas para embalar suas caixas e sair do escritório – não sem derramar algumas lágrimas.

“Dediquei minha vida a este museu, que é o único museu do Brasil inteiramente dedicado aos povos indígenas”.E a Descreve o Sr. Livigno. Esta é historicamente uma vitrine da Funai Nacional Corporation, órgão público que administra o prédio e que é responsável formalmente pela “Protegendo e promovendo direitos” Dos brasileiros que infelizmente completaram 53 anose 5 de dezembro aniversário.

READ  Voltando para a casa da minha mãe na TF1: A sequência Un tour chez ma fille será lançada em breve nos cinemas
Leia o apelo dos Povos Indígenas: Desde a eleição de Jair Bolsonaro, vivemos os primórdios do fim do mundo.

Jair Bolsonaro havia ameaçado a Funai com um “golpe no pescoço”.

O fechamento do Museu do Rio é, na verdade, um reflexo simbólico do estado dessa instituição, criada em 1976 durante a ditadura militar que, nas décadas de 1980 e 1990, com o retorno da democracia, impulsionou o respeito aos direitos. Dos povos indígenas, responsáveis ​​pela educação, saúde e, principalmente, pela demarcação das terras indígenas (hoje cobrindo 13% do território). Mas foi bombardeado, sufocado e desviado por Jair Bolsonaro. “ A Funai se transforma em uma agência contra os índios! “Alerta M. Levinho.

Você tem 68,46% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *