No Brasil, empresas ditam políticas climáticas

No Brasil, empresas ditam políticas climáticas

A volta do presidente Lula da Silva não muda nada: segundo uma nova tese de doutorado, as grandes corporações brasileiras conseguem pagar políticos influentes neste país sul-americano, ou mesmo garantir que seus amigos obtenham cargos importantes, apenas para determinar as políticas climáticas deste país. nação.

A tese em questão, escrita por Anaide Ferraço, da Universidade de Leiden, na Holanda, gira em torno de questões de poder. “O problema é que o uso de estratégias de poder é parte integrante da sociedade brasileira”, diz o autor da obra.

“Essas estratégias de poder são empregadas em todos os níveis da política – nacional, estadual, regional e municipal – para manter o status quo. Existem projectos de energia verde, como a solar e a eólica, mas a influência dos oligarcas nas políticas públicas significa que o impacto destes projectos é muito menor do que deveria ser. »

A barragem de Belo Monte

Um dos grandes exemplos dessa influência dos oligarcas, escreve Dona Ferraço, é a da hidrelétrica de Belo Monte, na floresta amazônica. Embora os primeiros planos para esta instalação remontem a 1975, foram necessários mais de 30 anos para que fosse alcançado um acordo para a sua construção, em parte devido ao grande impacto do edifício no ambiente, na biodiversidade e nas comunidades locais.

Concluiu-se que a barragem geraria muito menos energia do que o prometido, devido ao facto das alterações climáticas terem reduzido a quantidade de água que pode alimentar as turbinas, lembra o autor.

Mas apesar de todos os impactos, a barragem foi construída mesmo assim, e isso pode ser explicado, entre outras coisas, pela influência dos oligarcas, sustenta o investigador.

“A barragem, agora concluída, é um exemplo típico de projeto “capturado” pelos políticos”, argumenta Dona Ferraço. “As empresas oligarcas prometeram muito mais do que poderiam cumprir, entre outras coisas para ganhar influência sobre outros projetos energéticos no Brasil. O impacto da barragem sobre as pessoas que vivem na área foi reduzido. O reservatório emite grandes quantidades de metano, a região tornou-se menos segura, em vez de mais rica, e as condições de vida dos povos indígenas pioraram, pois agora é mais difícil pescar no rio. »

READ  Canadá 0 – Brasil 1 | Uma boa dose de amor pelas mulheres canadenses em Montreal

Quais soluções?

Ainda segundo o cientista, o sistema político brasileiro também não está imune à influência dos jogos. Tal como em muitos outros países, os políticos são eleitos para mandatos de quatro anos, “o que os leva a concentrar-se em soluções de curto prazo”.

Na verdade, escreve ela, os responsáveis ​​eleitos “dependem em grande parte de políticas verdes ultrapassadas que não provocam realmente mudanças”.

“O Estado”, denuncia o pesquisador, “acaba de aceitar um projeto de perfuração de petróleo na foz do rio Amazonas. Como o local fica a 500 quilômetros da Amazônia, é considerado seguro. Mas seria muito melhor investir em energia solar ou eólica. Infelizmente, as empresas que operam nestas áreas são muito pequenas e não têm influência suficiente para realizar qualquer coisa na esfera política. »

Embora Ferraço não esteja satisfeita com a dependência do governo brasileiro do petróleo e de outros combustíveis fósseis como o gás natural, ela diz estar satisfeita com os passos dados pelo atual governo do presidente Lula da Silva.

Sob o antigo chefe de Estado, o representante da extrema direita e emulador de Donald Trump Jair Bolsonaro não priorizou o clima, e vários membros do seu governo negaram mesmo a existência de alterações climáticas.

“Lula da Silva é muito diferente nessa área, porque leva a sério a crise climática e tem pessoas no seu governo que sabem do que falam. Mas não é como se ele pudesse agir imediatamente. Muitos dos apoiadores de Bolsonaro ainda atuam no Congresso e ainda têm muito poder. Então, infelizmente, mudanças reais na política climática no Brasil ainda levarão muito tempo. »

Assine nosso extenso boletim informativo

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *