No Brasil, escândalos de compra de vacinas da Covid-19 mancharam a imagem do Bolsonaro

No Brasil, escândalos de compra de vacinas da Covid-19 mancharam a imagem do Bolsonaro

Ele gosta de se apresentar como um campeão anticorrupção. Líder corajoso, simples e honesto, luta contra as elites “bandidas” em Brasília. Mas a imagem de Jair Bolsonaro agora está seriamente distorcida. O presidente do Brasil agora está no meio de uma série de escândalos de peculato, envolvendo a compra de vacinas contra a Covid-19.

Enquanto 520 mil mortes já foram contabilizadas, e enquanto o Brasil se prepara para enfrentar uma terceira epidemia mortal, no contexto da campanha irregular de vacinação, a divulgação divulgou por diversos meios de comunicação na terça-feira, 29 de junho, a última onda de choque que raramente é sentida por duas pessoas e outras. Meio ano e início do mandato de Jair Bolsonaro.

O primeiro furo apareceu em O Folha a partir de S Paolo. O principal jornal diário do país publica uma entrevista com Luis Paolo Dominotti, representante da empresa Davati Medical Supply, que deve atuar como mediador nas negociações sobre as doses da vacina AstraZeneca. Este último nos garante que um alto funcionário, Roberto Dias, responsável pela logística do Ministério da Saúde, teria exigido que sua empresa pagasse propinas exorbitantes para concluir a compra de dispositivos de imunização pelo governo brasileiro.

Contas suspeitas

A reportagem conta por meio do cardápio esse “show” que foi servido durante um jantar organizado no dia 25 de fevereiro em um suntuoso restaurante com luz fraca em Brasília. O primeiro-ministro é acompanhado por um misterioso soldado do exército “E a ” empreendedor ‘, teria então exigido um adicional de $ 0,84 por dose comprada, para armazenar 400 milhões de doses. ” Se você quiser [nous] A venda de vacinas é assim que se deve seguir ”, disse. Roberto Dias insistia, face à desaprovação do seu interlocutor.

READ  A UPS worker seen in racist ranting footage has been fired while being delivered to a Latino home

A segunda revelação veio da revista Crusoe Trata-se, por sua vez, da importação de doses da vacina Covaxin, produzida pela empresa indiana Bharat Biotech. Em sua reportagem, a revista revelou que o deputado Luis Miranda (democrata, à direita), por sua vez, também recebeu subornos em diversas ocasiões, entre março e maio, desta vez de lobistas da saúde ligados ao governo.

Contas suspeitas, overdoses, falta de dados, interface corporativa suspeita, pressão ‘atípico e excessivo’ A fim de concluir o acordo o mais rapidamente possível … “Negociações de Kovaksin” já continham muitas irregularidades. Com preocupação, o deputado Miranda, que alertou seu irmão, que trabalha como alto funcionário do Ministério da Saúde, apresentou o caso ao presidente Jair Bolsonaro em março. Nos bastidores, os “negociadores” ocultos estão preocupados. Eles oferecem ao deputado (que diz ter recusado) uma oferta interessante em troca de seu silêncio: US $ 1,2 milhão em propina (ou US $ 0,06 para cada uma das 20 milhões de doses negociadas).

Você tem 53,3% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *