No Brasil, o Pantanal, tesouro da biodiversidade, já é vítima das chamas

No Brasil, o Pantanal, tesouro da biodiversidade, já é vítima das chamas

A calmaria durou pouco. Devastado por incêndios gigantescos em 2020, o Pantanal é mais uma vez vítima das chamas. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, esta área sofreu mais de 2.500 focos de incêndio desde o início de 2024, um aumento catastrófico de 1.776% em comparação com o mesmo período de 2023, enquanto a estação seca está apenas começando.

Pelo menos 372 mil hectares (o equivalente ao departamento de Vaucluse) já foram devastados pelas chamas, principalmente em Mato Grosso do Sul, uma das duas regiões que, com Mato Grosso, abriga esse frágil ecossistema. . O Pantanal, a maior área úmida do planeta, paraíso para onças e jacarés, estende-se na América do Sul por mais de 200 mil quilômetros quadrados, três quartos dos quais estão localizados no Brasil.

Imagens da região mostram bombeiros corpo a corpo com as chamas. Quase todos os incêndios começam em propriedades privadas, de acesso mais difícil do que em terrenos públicos para as brigadas do Prevfogo, acionadas pela Polícia Ambiental. Nesta área pantanosa, viajar é difícil. Às vezes, são necessárias sete horas de viagem para chegar aos locais mais afetados pelos incêndios.

Seca quase crônica desde 2019

A conflagração é ainda mais preocupante porque atinge um Pantanal convalescente. Em 2020, incêndios de gravidade sem precedentes ceifaram a vida a 17 milhões de vertebrados e consumiram 40.000 quilómetros quadrados de vegetação, ou um quarto do ecossistema. Atinge também um Brasil atordoado pela multiplicação de desastres naturais de todos os tipos em seu solo, desde ondas de calor recorde no Rio de Janeiro até a seca na Amazônia e inundações mortais no Rio Grande do Sul, que já custaram a vida mundial a 177 pessoas. pessoas.

READ  PSG: Marquinhos e Neymar mudam de opinião com o Brasil
Leia o relatório (2020): Artigo reservado para nossos assinantes O Pantanal, no Brasil, um paraíso da biodiversidade devastado pelas chamas

De Porto Jofre, ao sul da estrada Transpantaneira, no Mato Grosso, Rafael Hoogesteijn viu o brilho das chamas brilhando no horizonte na noite de 13 de junho. “Os incêndios estão agora a 40 ou 50 quilómetros a oestedescreve este homem, coordenador local da ONG Panthera Brasil, de proteção aos felinos da região, contatado por telefone. Aproximam-se, empurrados pelos ventos de leste, e aproveitam a vegetação muito, muito seca. »

A região, de fato, sofre com uma seca quase crônica desde 2019. Entre dezembro de 2023 e maio de 2024, a bacia superior do rio Paraguai, principal curso de água que inunda o Pantanal, apresentou um déficit de 277 milímetros em relação ao normal histórico. “Quase não choveu este ano: a vegetação continuou a arder em plena estação chuvosa”, testemunha, atordoado, Rafael Hoogesteijn.

Você ainda tem 51,97% deste artigo para ler. O restante é reservado aos assinantes.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *