No Brasil, os “enviados de Deus” para conquistar a selva

Por Bruno Meyerfeld

Postado hoje às 02:31

Ao cair da noite, nas ruas de Atalaia do Norte, passeiam estranhos fantasmas. Eles andam muito rápido e em linha reta, geralmente flutuando em roupas de caminhada sem forma. Eles têm cabelos escuros, são loiros, muitas vezes pálidos ou com pele bronzeada, com um sorriso tenso e um leve sotaque estrangeiro – italiano, espanhol, asiático ou americano. Acima de tudo, eles sempre carregam uma Bíblia no bolso ou na mão. Seu destino? As igrejas evangélicas desta cidade de 20.000 habitantes. Em todos esses edifícios de tijolos semelhantes, ladrilhados, iluminados com néon, a maioria de nativos aglomeram-se. Mulheres e homens, muitas vezes jovens e tímidos, segurando cópias cheias de tesão do Velho Testamento em suas mãos cerradas. Simpáticos, os pastores oferecem refrigerante doce, bombons de chocolate, porções de bolo de milho. E um sermão para a estrada.

“Tens uma identidade forte, dizes a ti mesmo: ‘Sou Matis, sou Marubo…” Mas todos aqui têm o direito de escolher a sua existência. Acreditar em Deus é bom para o seu povo, é bom para você! “, lança um oficial brasileiro na Igreja Batista de Atalaia para a assembléia. Um pastor de pele bronzeada, peruano, assume: “Alguns dizem que Deus é só para os brancos, mas isso não é verdade. Deus também está lá para os nativos, Deus está com você! ” Os fiéis acenam com a cabeça e oram com fervor, de olhos fechados.

READ  A agência de notícias russa ironiza Pazuello: "bom em logística?"
Membros da tribo Mayoruna em frente a uma igreja católica, localizada na entrada da terra indígena do Vale do Javari, em Atalaia do Norte, Brasil, 15 de agosto de 2021.
Nativos Kanamari vivendo em um acampamento improvisado às margens do Rio Javari, na cidade de Atalaia do Norte, Brasil, 15 de agosto de 2021.

A mesma cena se repete em outras igrejas do bairro. No templo presbiteriano, a duas ruas de distância, o pastor Davi, coreano de nacionalidade, canta gospel em inglês e fala em português. “Muitos de vocês vieram de longe, alguns chegaram de canoa de sua aldeia. Mas, para todos, Jesus é vida! “, ele diz. No fundo da sala, um grupo de esposas de um trinta anos, provavelmente dos Estados Unidos, aplaude.

Chapéu sujo e barba comprida

Então, o que todos esses visitantes fazem nesta cidade perdida na fronteira com a Amazônia Ocidental, na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru? Superficialmente, Atalaia do Norte não é um pólo internacional. A maior parte da cidade só é acessível por barco. É também, e acima de tudo, a última escala urbana antes da imensa terra indígena do Vale do Javari. No Brasil, isso é antes de tudo sinônimo de isolamento. Tão grande quanto a Áustria, esta reserva é a segunda mais vasto país e ocupa um lugar especial: o Vale do Javari abriga sob sua copa a maior concentração de povos “isolados” do planeta. Cerca de quinze grupos, ou seja, de 300 a 500 seres humanos, reclusos algures nas profundezas da selva, sem qualquer contacto com o mundo exterior.

Você tem 86,68% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *