No Oregon, os cientistas encontraram uma variante viral com uma mutação alarmante

No Oregon, os cientistas encontraram uma variante viral com uma mutação alarmante

Teste de coronavírus na Virginia Garcia Clinic em Hillsboro, Oregon, 1º de maio de 2020 (Ruth Fremson / The New York Times)

Cientistas do Oregon descobriram uma versão localizada de um tipo de coronavírus de rápida disseminação que apareceu pela primeira vez na Grã-Bretanha – mas agora está combinado com uma mutação que pode tornar a alternativa menos vulnerável às vacinas.

Até agora, os pesquisadores encontraram apenas um caso dessa enorme mistura, mas a análise genética indicou que a variante foi adquirida na comunidade e não vista no paciente.

“Não importamos isso de nenhum outro lugar do mundo – aconteceu automaticamente”, disse Brian Uruk, geneticista da Universidade de Ciências e Saúde do Oregon que liderou o trabalho. Ele e seus colegas estão envolvidos nos esforços do Centro de Controle e Prevenção de Doenças para rastrear variantes e depositaram suas descobertas em bancos de dados compartilhados por cientistas.

Assine o The Morning Newsletter do New York Times

A variante que foi originalmente identificada na Grã-Bretanha, chamada B.1.1.7, está se espalhando rapidamente pelos Estados Unidos, sendo responsável por pelo menos 2.500 casos em 46 estados. Esse tipo de vírus é mais contagioso e mortal do que a versão original e espera-se que seja responsável pela maioria das infecções nos Estados Unidos dentro de algumas semanas.

A nova versão que apareceu no Oregon tem o mesmo backbone, mas também uma mutação – E484K, ou “Eek” – que já foi vista em vários tipos do vírus que circulam na África do Sul, Brasil e Nova York.

Estudos de laboratório e testes clínicos na África do Sul indicam que a mutação Eek torna as vacinas atuais menos eficazes ao suprimir a resposta imunológica do corpo. (As vacinas ainda estão funcionando, mas os resultados são preocupantes o suficiente para que a Pfizer-BioNTech e a Moderna começaram a testar novas versões de suas vacinas destinadas a derrotar a alternativa encontrada na África do Sul.)

READ  What does the Martian Sound and Rover Welcome Party look like

A variante B.1.1.7 também apareceu com Eek na Grã-Bretanha, e os cientistas a classificaram como a “variante de preocupação”. Mas Uruk disse que o vírus identificado em Oregon parece ter evoluído de forma independente.

O’Roak e colegas descobriram o contraste entre as amostras de coronavírus coletadas pelo Laboratório de Saúde Pública de Oregon em todo o estado, incluindo alguns surtos em um ambiente de saúde. Dos 13 resultados de teste que analisaram, 10 foram considerados B.1.1.7 sozinhos e um era o grupo.

Outros especialistas disseram que a descoberta não foi surpreendente, porque a mutação Eek apareceu em formas do vírus em todo o mundo. Mas eles disseram que a ocorrência do boom em B.1.1.7 valeu a pena ser observada.

Na Grã-Bretanha, esta versão da variante representa um pequeno número de casos. Mas quando a fórmula foi desenvolvida lá, B.1.1.7 já havia se espalhado por todo o país.

“Estamos no ponto em que B.1.1.7 está apenas sendo introduzido” nos Estados Unidos, disse Stacia Wayman, especialista em genômica computacional da Universidade da Califórnia, Berkeley. “À medida que se desenvolve, e lentamente se torna a coisa dominante, mais mutações podem se acumular.”

As mutações virais podem reforçar ou enfraquecer umas às outras. Por exemplo, as variantes identificadas na África do Sul e no Brasil contêm muitas das mesmas mutações, incluindo Eek. Mas a versão brasileira tem uma mutação, a K417N, não encontrada na versão sul-africana.

Em um estudo publicado na quinta-feira na revista Nature, os pesquisadores compararam as respostas dos anticorpos às três variáveis ​​preocupantes – aquelas identificadas na Grã-Bretanha, África do Sul e Brasil. Em linha com outros estudos, eles descobriram que a variante que atingiu a África do Sul era mais resistente aos anticorpos produzidos pelo sistema imunológico.

READ  Meteoritos raros da Lua, Marte e mais para ir sob o martelo

Mas a variante prevalente no Brasil não era resistente, embora carregue a mutação Eek. “Se você tiver a segunda mutação, não verá um efeito negativo”, disse Michael Diamond, imunologista viral da Universidade de Washington em St. Louis, que liderou o estudo.

É muito cedo para dizer se a mãe substituta do Oregon se comportará da mesma forma que as da África do Sul ou do Brasil. Wyman disse que a ideia de que outras mutações poderiam enfraquecer o efeito de Eck é uma “excelente notícia”.

No geral, disse ela, a descoberta de Oregon reforça a necessidade de as pessoas continuarem a tomar precauções, incluindo o uso de máscara, até que uma grande parte da população seja vacinada.

“As pessoas não precisam ter medo, mas sim continuar vigilantes”, disse ela. “Não podemos baixar a guarda ainda enquanto houver mais variáveis ​​transferíveis em circulação.”

Este artigo apareceu originalmente em Tempos de nova iorque.

© 2021 The New York Times Company

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *