O francês Thomas Pesquet está pronto para lançar-se no vazio do espaço

Poucas horas antes do grande salto: pela terceira vez na vida, o francês Thomas Pesquet se prepara para decolar no vazio do espaço, um “sonho”, mas também um teste físico incomum que ele vai compartilhar com o americano Shane Kimbrae.

• Leia também: $ 28 milhões para um vôo espacial com Jeff Bezos

• Leia também: Turismo espacial: CEO da Amazon irá ao espaço em 20 de julho

• Leia também: Enviando uma estrela TikTok para o espaço

A partir das 12:00 GMT e por mais de seis horas, os dois astronautas vão flutuar em gravidade zero, 400 quilômetros acima da Terra, agarrados à Estação Espacial Internacional, para instalar um novo painel solar. Eles retomarão a operação no domingo para uma segunda implantação, aumentando assim a resistência do navio construído em 1998.

Este passeio fora do veículo (“EVA”), o primeiro desde que chegou à Estação Espacial Internacional no final de abril, é tecnicamente inédito. Promete ser “bastante complexo”, disse Pooja Jasrani, chefe das saídas orbitais da NASA, na segunda-feira durante uma entrevista coletiva.

“Há preocupações, são anos de trabalho para centenas de pessoas, não queremos errar e quebrar um equipamento de um milhão de dólares”, disse Thomas Pesquet em seu diário a bordo da rádio France Inter.

O astronauta conhece o terreno e já foi pesquisado duas vezes em sua missão anterior, em 2017, com o mesmo companheiro de equipe. Desta vez, os papéis estão invertidos: será “EVA 1”, Shane Kimbrough será “EVA 2”.

“O número 1 é o chef de frases. O astronauta de 43 anos comentou. O colega de 54 anos tuitou:‘ Mal posso esperar que Thomas esteja nessa função e seja um apoiador tão bom. ”

READ  Black Ops Cold War player achieved first place without a single kill

A mecânica dividirá as tarefas durante o processo, que a NASA projetou meticulosamente. O objetivo: implantar painéis solares a bombordo da Estação Espacial Internacional, na extremidade do mastodonte do tamanho de um campo de futebol.

Os painéis de “nova geração”, entregues por navio de carga em forma compacta, já estão fixados no exterior do navio. Thomas Bisket recuperará o objeto de 350 quilos, moverá por um braço robótico e passará pela estação para passá-lo para seu companheiro.

Pendurados no braço pelos pés, eles vão abrir a prancha e seu comprimento é de 19 metros.

Hoje vou tentar. “O EAV é como correr 100 metros durante uma maratona”, disse à AFP Hervé Stevinen, encarregado do treinamento para esses voos.

“Trabalhar com uma roupa de neoprene é muito difícil. Todos os sentidos são limitados e nos falta destreza em usar luvas: segurar a ferramenta é como apertar uma bola de tênis, centenas de vezes durante seis horas”, descreve o treinador.

Apesar do campo de visão limitado, os astronautas devem ter “uma consciência constante de seu entorno que vai além da vida cotidiana”.

Sem falar no aborrecimento: com o tempo de preparo, ficam dez horas presos em sua roupa de neoprene, como em uma “lata”, com um bolsinho de água para beber.

Não há perigo de cair no vazio, pois a “tripla segurança”, incluindo o cabo que os liga permanentemente à estação, impede que o cenário de pesadelo do filme “Gravidade” aconteça na vida real, tranquiliza o especialista.

Por outro lado, podem ocorrer acidentes irritantes ou mesmo perigosos, como a perda de estanqueidade de uma roupa de mergulho no caso de um pequeno impacto de meteorito.

READ  Novas fábricas de iluminação do MIT podem revolucionar a iluminação

O sistema de refrigeração também pode fluir para o sistema de ventilação, como o italiano Luca Parmitano testou em 2013.

“Uma bolha d’água ficou presa atrás de sua cabeça, ele não conseguia mais ouvir e teve que abrir caminho para sair. Ele poderia ter se afogado”, disse Hervé Stephenen.

“Você não tem a impressão de que está constantemente arriscando sua vida”, testemunhou Thomas Bisquet, para quem “Eva” representa “um sonho dentro de um sonho”. Embora ele “não tenha ficado muito orgulhoso” na primeira vez, ele tirou os dedos do navio.

“O resto está bem, temos a impressão de que estamos firmes, escalando uma grande bola que rola sob nossos pés. Na minha primeira pedalada, Shane me disse + olhe ao redor + porque não tiramos o nariz da coleira. Lá vou tentar fazer isso. “

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *