O G7 estará no nível da emergência climática?

Le G7 sera-t-il à la hauteur de l’urgence climatique ?

À medida que as nações mais ricas do mundo se reúnem na Inglaterra de 11 a 13 de junho, todos estarão observando as decisões que tomarão sobre a emergência climática. Porque sim, a emergência climática é mais importante do que nunca.

Eu assino por um mundo mais verde e justo

Durante a Cúpula de Líderes do Clima iniciada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, de 22 a 23 de abril, vários anúncios importantes de maior ambição climática foram feitos por países que emitem grandes quantidades de gases de efeito estufa. Tudo isto em linha com os preparativos da COP26 que terá lugar em Glasgow de 1 a 12 de novembro.

Medidas climáticas ambiciosas, mas não o suficiente

Estados Unidos, Inglaterra, União Europeia, China e Japão revisaram suas metas. A Inglaterra tem se mostrado a mais ambiciosa, anunciando uma redução de 78% nas emissões de gases de efeito estufa até 2030, incluindo transporte marítimo e aéreo. Após uma longa noite de negociações, a UE resultou na Lei Europeia do Clima estabelecendo uma meta de redução das emissões de gases com efeito de estufa em -52,8% (número real após a remoção dos sumidouros de carbono), excluindo, por outro lado, os transportes aéreos e marítimos. Quanto ao retorno dos Estados Unidos ao Acordo de Paris, o presidente Joe Biden, por sua vez, anunciou uma redução de 50-52%. Ambição climática renovada por parte dos Estados Unidos e liderança diplomática em desacordo com a era Donald Trump.

No entanto, as novas metas não atendem à realidade das curvas de emissão de gases de efeito estufa. Ainda estamos longe de vencer a corrida contra o tempo que representa a emergência climática.

READ  Direto - Coronavírus: pressão hospitalar está no nível mais baixo desde o final de outubro

1,5 graus: claro quando se trata de clima

CIS defendido sob o slogan “1,5 para a sobrevivência” em 2009 na COP em Copenhague, e o limite de 1,5 grau está se tornando cada vez mais evidência apoiada por numerosos estudos científicos. Um mundo no qual a temperatura é 1,5 grau mais alta do que a era pré-industrial não tem nada a ver com o próprio mundo com um aumento de 2 graus. Meio grau não é um luxo, é uma questão de sobrevivência. Apenas um exemplo, a diferença entre os dois cenários significa que 10 milhões de pessoas teriam que deixar suas casas para evitar que o nível da água subisse se chegássemos a dois graus.

À luz desta constatação, devemos analisar os anúncios feitos na cúpula organizada por Joe Biden em abril passado. Eles estão no nível de urgência? A resposta pode ser não. Somando-se as outras, as ambições climáticas representam apenas 12 a 14% do que precisa ser feito para ficar abaixo de 1,5 graus. De acordo com a Climate Action Network, após a Cúpula de Biden, Estamos em um caminho que leva a +2,4 graus. Muitos países estão faltando, como a Austrália.

Os pontos de ruptura climáticos estão perto de serem ultrapassados

O G7 estará no nível da emergência climática?

Ainda em maio, num contexto em que vários governos europeus abraçaram o tempo de liquidação que trouxe de volta um pouco de otimismo, notícias inquietantes filtradas pelos meios de comunicação, desta vez na frente climática. No Brasil, a floresta amazônica libera mais carbono do que absorve. Um estudo publicado na Nature Climate Change mostra que, desde 2010, a Amazônia brasileira liberou mais dióxido de carbono do que absorveu. Assim, rejeitou 16,16 bilhões de toneladas ante 13,9 bilhões de toneladas, uma diferença de 20%.

READ  Devemos temer o "fim do tempo de espera" nos aeroportos neste verão?

Muitos fatores contribuíram para o enfraquecimento dessa parte da Amazônia: desmatamento, claro, mas também seca, queimadas, extração seletiva de madeira …Amazonas Ainda não atingiu seu ponto de ruptura – porque outras nações amazônicas estão atualmente compensando os ataques que a selva ainda enfrenta do lado brasileiro – mas pode fazê-lo em breve.

À medida que as calotas polares derretem, o degelo permafrost ou o Recifes de coral desaparecem, a reversão do ciclo do dióxido de carbono pela floresta brasileira é um dos limiares da ruptura climática que se aproxima de atravessar. ONGs como os indígenas que vivem lá continuam a exercer pressão máxima sobre o presidente Jair Bolsonaro para combater o desmatamento.

O Grupo dos Sete assumirá suas responsabilidades?

O sucesso da COP 26 dependerá da cúpula do G7 que será realizada de 11 a 13 de junho na Inglaterra. Além de combater a epidemia, a agenda inclui mudanças climáticas e recuperação verde que devem nos tirar gradativamente da Economie Baseado em carbono. Esperamos que o G7 corresponda aos compromissos com a emergência climática, tanto em termos de redução das emissões de gases de efeito estufa quanto em termos de financiamento para ajudar os países mais vulneráveis ​​à mudança climática a se adaptarem.

A esperança ainda está lá, mas vamos empurrar para a mudança

O G7 estará no nível da emergência climática?

A emergência climática é clara, assim como a destruição de ecossistemas e o desaparecimento de espécies. No entanto, a esperança não deixou este mundo. Mais do que nunca, a consciência da limitação do planeta está enraizada em todas as mentes e a consciência é universal.

Ao contrário da pandemia Covid-19, não navegamos no meio do nevoeiro e não sabemos onde procurar respostas. Para conter as mudanças climáticas, as soluções são conhecidas: um desligamento completo dos combustíveis fósseis, uma mudança para 100% de energias renováveis, agricultura amiga do planeta, transporte público, uma economia circular e local e investimentos públicos para apoiar uma transição justa. Assim, as soluções não são técnicas, mas políticas.

READ  Teledyne is purchasing FLIR to create a supermarket sensor with thermal and laser vision

Transformar um mundo rico em carbono não é feito sem criar temores e até mesmo gerar ansiedade para alguns de nós. Também aqui, estudos mostram que, com inteligência e políticas direcionadas, podemos construir uma sociedade na qual as emissões de gases de efeito estufa sejam drasticamente reduzidas, ao mesmo tempo que criamos empregos decentes e significativos. As mudanças climáticas são uma grande oportunidade social para repensar nossas vidas e combater as desigualdades sociais.

A mudança se alimenta da força coletiva daqueles que, longe da ociosidade, optaram por enfrentar esta emergência com clareza e combate.

Eu assino por um mundo mais verde e justo

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Compartilhe no Whatsapp

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *