O primeiro caso de uma variante indiana é detectado em Quebec

O primeiro caso indiano foi identificado nesta quarta-feira em Quebec, em Morrissey – Centre de Quebec. As autoridades afirmam que acompanharão de perto a chegada de voos deste país, que enfrenta um aumento de casos COVID-19.




Henri Owlet VizinaHenri Owlet Vizina
Jornalismo

Alice Gerrard BossAlice Gerrard Boss
Jornalismo

“Este é o primeiro caso associado à variante indiana em Quebec”, confirmou Julie Michaud, porta-voz do CIUSSS de la Mauricie. No entanto, determinou que este caso alterado “não foi reconhecido em Haute-Morrissey”, conforme relatado anteriormente pelo Departamento de Saúde e Serviços Sociais (MSSS).

No momento, não se sabe em que parte da região o caso foi detectado. De acordo com nossas informações, um paciente que contraiu essa cepa deveria ter testado positivo há duas semanas e foi vacinado contra COVID-19 há cerca de dois meses.

O Instituto Nacional de Saúde Pública (INSPQ) explicou que a infecção foi detectada sequencialmente. No entanto, a variante indiana “não está sob vigilância reforçada, pois não tem impacto epidemiológico ou clínico comprovado”, afirma a organização, especificando que permanecerá “no radar” do Laboratório de Saúde Pública (LSPQ).

Por sua vez, o CIUSSS confirmou que a investigação epidemiológica “foi realizada assim que se constatou que o caso era positivo”. “Como o LSPQ confirmou que se trata de uma variante indiana, o Departamento de Segurança Pública de Morrissey e o Centre de Quebec retomaram a investigação epidemiológica para determinar a origem da variante”, disse Julie Michaud.

Para Roxanne Burgess da Silva, professora da Escola de Saúde Pública de Montreal (ESPUM), a chegada da substituta indiana em Quebec é certamente “preocupante”, mas não preocupante. “É claro que não o queremos aqui perfeitamente”, disse ela, “mas antes de darmos o alarme, precisamos de mais evidências.” “Vai continuar sendo um grande problema, mesmo quando a população for vacinada: uma vez que as fronteiras sejam reabertas, vai ter esse medo de ver gente chegando de países onde existem muitas variáveis ​​em circulação, inclusive algumas variantes que não fazemos especificamente isso saber se as vacinas são eficazes. Adiciona M.eu Da Silva.

No gabinete do Ministro da Saúde, Christian Dube, também estamos preocupados. “É alarmante que uma subespécie de índio tenha sido descoberta em solo de Quebec.” A secretária de imprensa, Marjorie Cote-Boileau, disse: “Devemos estar cientes de que esta alternativa é de maior preocupação para nós, dada, de antemão, a menor aceitação de vacinação. ”No entanto, é importante notar que a indicação de que sua descoberta demonstra que a saúde pública está em um modo hiperativo e que nossa abordagem permite sequenciar novas cepas de variantes. Durante meses, Quebec se preparou para esta terceira onda. ”

Preocupações internacionais

A alternativa “indiana” causa preocupação em muitos países hoje, devido às suas características e à rápida deterioração da situação de saúde na Índia. Só a Índia relatou 300.000 novos casos de COVID-19 em seu solo, além de outras 2.000 mortes.

A variante, que foi detectada pela primeira vez em outubro no oeste do país, na província de Maharashtra, agora é responsável pela maioria das novas infecções naquela região. Desde segunda-feira à noite, a capital, Nova Delhi, está em processo de contenção há uma semana para conter o surto de casos de COVID-19 e reduzir a pressão sobre os hospitais. No total, vinte milhões de pessoas estão presas.

READ  Uma mulher do Mali esperava dar à luz sete gêmeos e nove filhos

Autoridades canadenses de saúde pública anunciaram na quarta-feira que o governo federal monitorará de perto a chegada de voos da Índia. Em particular, todos os viajantes devem passar por um teste de triagem antes de embarcar no avião e, em seguida, na chegada ao Canadá, além de serem obrigados a permanecer em isolamento. O chefe da saúde pública do Canadá, Dr.Retornar Teresa Tamm, não descarta uma regra mais dura para os viajantes da Índia.

De acordo com dados do governo federal, 35 voos da Índia pousaram no Canadá nas últimas duas semanas com pelo menos uma caixa de COVID-19 a bordo. Em Ontário, o governo Doug Ford argumentou a favor da proibição de voos desse país.

Mudanças importantes

A variante “indiana”, agora encontrada em todos os continentes, se qualifica como um “mutante duplo” porque carrega duas mutações perturbadoras em sua superfície. A primeira mutação, denominada E484Q, já foi observada nas variantes sul-africana e brasileira. A Saúde Pública na França indicou em um relatório publicado em 8 de abril que essa mutação “tem um efeito significativo em termos de escape imunológico, embora isso ainda não tenha sido provado formalmente neste estágio”.

A alternativa pode levar a uma menor eficácia da vacinação e a um maior risco de reinfecção. A segunda mutação, L452R, está presente na variante monitorada na Califórnia e pode aumentar a transmissibilidade do vírus.

Na Europa, o governo do Reino Unido impediu que viajantes da Índia entrassem no Reino Unido, devido ao surto da epidemia naquele país, permitindo o acesso apenas a residentes do Reino Unido, que teriam que pagar a quarentena do bolso do hotel.

Na quarta-feira, a França adicionou a Índia à lista de países cujos viajantes estão sujeitos à quarentena obrigatória. Até agora, a variante indiana foi identificada em dezenas de países, incluindo Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra.

READ  Huawei Canadá está defendendo Meng Wanzhou, mas rejeita condenação pela prisão de dois canadenses

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *