O primeiro macaco quimera foi criado na China

O primeiro macaco quimera foi criado na China

Um macaco quimérico, cujas células provêm de dois embriões geneticamente diferentes da mesma espécie, foi criado por bioengenheiros chineses cujo trabalho foi publicado na revista célula (Uma nova janela) (Em inglês).

O professor Chen Liu e seus colegas do Laboratório de Engenharia Reprodutiva da Academia Chinesa de Ciências criaram quimeras a partir de células-tronco embrionárias. Este é o primeiro nascimento bem-sucedido de uma quimera de primata criada com este tipo de célula-tronco pluripotente.

Estas células têm a capacidade de se transformarem em qualquer uma das células do corpo, pelo que são de grande interesse para a medicina regenerativa, para a criação de tecidos ou órgãos, mas também para a modelação de doenças.

O macaco cynomolgus, um macaco comumente usado em pesquisas biomédicas, foi sacrificado 10 dias após o nascimento, de acordo com as diretrizes da Sociedade Internacional para Pesquisa com Células-Tronco.

O que é uma quimera?

  • Na mitologia antiga, a Quimera é uma criatura fantástica cujo corpo possui características de muitos animais. Na mitologia grega em particular, a Quimera é um monstro com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente, que cospe fogo e devora humanos.
  • Em biologia, descreve um organismo composto por células de vários indivíduos geneticamente distintos.
  • Este fenômeno é observado naturalmente em humanos, mas é um tanto raro. Por exemplo, pode ser o resultado do desaparecimento de um dos fetos durante a gravidez, levando ao nascimento de gêmeos não idênticos. Feto Sobrevivente Assim apresenta dois grupos de células, as suas e as de suas gêmeas.

Um macaco como nenhum outro

Até hoje, camundongos e ratos quiméricos foram criados e até usados ​​em laboratório para criar modelos genéticos. No entanto, as tentativas de quimerismo em outras espécies, incluindo primatas não humanos, não tiveram muito sucesso devido à sua complexidade biológica e aos tempos de gestação e maturação mais longos.

READ  Kamala Harris está passando por uma primeira crise

Em seu trabalho, a equipe chinesa testou diferentes condições de cultura celular para melhorar seus procedimentos de preparação de embriões quiméricos de primatas.

Então ela criou nove linhas de células-tronco a partir de embriões de macacos com sete dias de idade. Eles também colocaram uma proteína verde fluorescente para facilitar o rastreamento.

Essas linhagens foram então injetadas em embriões de primatas e transplantadas em macacas fêmeas.

O experimento produziu um feto abortado e um macaco vivo. Ambos eram homens.

Os resultados mostraram que as células derivadas das células-tronco doadas integraram-se eficientemente, de 21% a 92%, em 26 tipos diferentes de tecido (cérebro, coração, fígado, rim, etc.) retirados do macaco quimera.

Em média, a integração atingiu 67% dos tecidos quimera testados.

Além disso, os investigadores também confirmaram em ambos os macacos a presença de células derivadas de células estaminais nos testículos e em células que se transformam em espermatozóides, abrindo a porta à criação de gerações de macacos quiméricos.

Mas as percentagens foram mais baixas no feto abortado.

O primeiro objetivo foi alcançado

Nossos resultados representam uma prova de princípio de que podemos de fato criar organismos quimera. Eles fornecem fortes evidências de que as células-tronco pluripotentes dos macacos têm a capacidade de se diferenciar in vivo em todos os diferentes tecidos que constituem o corpo do macaco.“, explica o professor Chen Liu em comunicado de imprensa.

Esta conquista não só tem implicações para a nossa compreensão da pluripotência noutros primatas, mas acabará por ter implicações práticas nos campos da engenharia genética e da conservação de espécies, onde poderiam ser feitas quimeras entre duas espécies de primatas não humanos, uma das quais é um lebre.

O objetivo dos investigadores é um dia criar quimeras que representem doenças humanas: se as células estaminais introduzidas contiverem genomas associados a uma determinada doença, os investigadores poderão então estudar o seu comportamento no organismo.

READ  Cingapura: Chega de quarentena para viajantes de alguns países, incluindo Canadá

Este trabalho pode nos ajudar a criar modelos de macacos mais precisos para o estudo de doenças neurológicas, bem como para outros estudos biomédicosChen Liu pensou.

Seu colega Miguel Esteban, também da Academia Chinesa de Ciências, ficou particularmente encorajado com as descobertas sobre o cérebro.

É encorajador notar que as nossas quimeras foram geradas com uma contribuição significativa (a partir de células estaminais) no cérebro, sugerindo que esta abordagem poderia ser útil na modelação de doenças neurodegenerativas.

Até lá, nos próximos anos, a equipa chinesa tentará compreender melhor os mecanismos que promovem a sobrevivência de embriões em animais hospedeiros para criar várias gerações de quimeras.

Preocupações éticas

Este é um trabalho de pesquisa muito importante que pode ajudar a facilitar a criação e o aprimoramento de macacos mutantes, assim como os biólogos têm feito há anos com ratos.O biólogo israelense Jacob Hanna, do Instituto Weizmann, que não esteve envolvido no trabalho, disse à CNN.

Trabalhar com primatas não humanos é certamente mais lento e difícil, mas também é muito importante.

Preocupações éticas

Claramente, a utilização de animais neste tipo de investigação não é isenta de preocupações éticas relativamente ao seu bem-estar.

No seu trabalho, a equipa chinesa declara respeito pelas leis chinesas e pelas directrizes internacionais que regem a utilização de primatas não humanos em investigação.

No entanto, a britânica Penny Hawkins, diretora Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra os AnimaisEla disse que estava preocupada Por causa do sofrimento animal e do desperdício inerente à aplicação destas técnicas em animais sencientesIsso foi durante uma entrevista à CNN.

Ela lembrou que um veterinário ainda estava sacrificando a quimera 10 dias depois.

READ  Oriente Médio, Rússia e Aliados | Joe Biden corta a diplomacia de Donald Trump

Em Maio passado, um relatório de peritos das Academias Americanas de Ciências, Engenharia e Medicina mostrou que os primatas não humanos representam 0,5% de todos os animais utilizados em investigação.

Especialistas disseram que a pesquisa em macacos, devido à sua semelhança com os humanos, era necessária para alcançar avanços médicos básicos, especialmente na descoberta de vacinas contra a Covid-19.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *