O primeiro macaco quimera nascido vivo do mundo brilha em verde

Live Birth Chimeric Monkey

Imagens mostrando sinais de fluorescência verde em diferentes partes do corpo de um macaco quimera de 3 dias de idade. Crédito: Cell/Cao et al.

Um avanço na pesquisa com primatas: o nascimento do macaco quimérico

Pesquisadores chineses anunciaram o primeiro nascimento vivo de um macaco quimera, um grande avanço na pesquisa com primatas. Esta conquista abre novos horizontes para a compreensão da pluripotência das células estaminais e tem implicações importantes para a engenharia genética e estudos biomédicos.

Uma equipe de pesquisadores na China relatou pela primeira vez o nascimento vivo de um macaco contendo uma alta porcentagem de células derivadas de uma linhagem de células-tronco de macaco. Este macaco “quimérico” consiste em células originárias de dois embriões idênticos geneticamente diferentes Classificar Do macaco. Isto já foi demonstrado em ratos e camundongos, mas até agora não foi possível em outras espécies, incluindo primatas não humanos. Detalhes da pesquisa foram publicados em 9 de novembro na revista célula.

Implicações para multipotência e pesquisa biomédica

“Este é um objetivo há muito almejado na área”, diz o autor sênior Chen Liu, da Academia Chinesa de Ciências (CAS). “Esta pesquisa não só tem implicações para a compreensão da pluripotência ingênua em outros primatas, incluindo humanos, mas também tem implicações práticas relevantes para a engenharia genética e a conservação das espécies. Especificamente, este trabalho pode nos ajudar a criar modelos de macacos mais precisos para estudar doenças neurológicas, bem como outros estudos biomédicos.

Metodologia de estudo

Os macacos utilizados no estudo foram macacos cynomolgus, também conhecidos como macacos comedores de caranguejo ou macacos de cauda longa, que são primatas comuns em pesquisas biomédicas. Os pesquisadores criaram primeiro nove linhagens de células-tronco usando células retiradas de embriões de blastocistos com 7 dias de idade. Eles então colocaram as linhas celulares em cultura para dar-lhes uma maior capacidade de diferenciação em diferentes tipos de células.

Eles realizaram uma série de testes diferentes nas células para garantir que elas eram multipotentes, o que significa que tinham a capacidade de se diferenciar em todos os tipos de células necessários para formar um animal vivo. As células-tronco também foram marcadas com proteína verde fluorescente para que os pesquisadores pudessem identificar quais tecidos cresceram a partir de quais células-tronco, em que animais se desenvolveram e sobreviveram.

Geração bem sucedida de macacos quiméricos

Em última análise, os cientistas selecionaram um subconjunto específico de células estaminais para injetar em embriões de mórula de macaco (embriões com 4 a 5 dias de idade). Os embriões foram implantados em macacos fêmeas, resultando em 12 gestações e seis nascidos vivos.

Uma análise confirmou que um macaco nascido vivo e outro feto abortado eram em grande parte bioquímicos, contendo células cultivadas a partir de células-tronco em todo o seu corpo. Ambos eram homens. Os pesquisadores usaram o marcador de proteína fluorescente verde para identificar tecidos contendo células derivadas das células-tronco injetadas.

Eles também usaram sequenciamento genético e outros testes para confirmar a presença de tecidos derivados de células-tronco em diferentes órgãos. Os tipos de tecido testados contendo células derivadas de células-tronco incluíram cérebro, coração, rim, fígado e trato gastrointestinal. No macaco vivo, a contribuição das células estaminais para diferentes tipos de tecidos variou entre 21% e 92%, com uma média de 67% nos 26 diferentes tipos de tecidos testados. Os números foram menores no feto de macaco.

Em ambos os animais, também confirmaram a presença de células derivadas de células estaminais nos testículos e nas células que eventualmente se desenvolvem em espermatozóides.

Tendências e melhorias futuras

“Neste estudo, fornecemos fortes evidências de que células-tronco pluripotentes de macacos ingênuos possuem a capacidade de diferenciar Na Vivo “Em todos os diferentes tecidos que constituem o corpo do macaco”, diz o coautor Miguel Esteban da BGI Research e CAS. “Este estudo aprofunda a nossa compreensão do potencial de desenvolvimento de células estaminais pluripotentes em espécies de primatas.”

“Este trabalho nos ajuda a compreender melhor a pluripotência ingênua em células de primatas”, acrescenta o coautor Qiang Sun do CAS. “No futuro, tentaremos aumentar a eficiência deste método de produção de macacos quiméricos, melhorando as condições para cultura de células-tronco, cultura de blastocistos onde as células-tronco são introduzidas, ou ambos.”

Os investigadores também planeiam explorar mais os mecanismos por trás da sobrevivência dos embriões em hospedeiros animais, o que, segundo eles, ajudará a melhorar a eficiência da geração de quimeras.

Referência: “Nascimento vivo de um macaco quimérico com alta contribuição de células-tronco embrionárias” por Jing Cao, Wenjuan Li, Jie Li, Md. Abdul-Mazid, Chunyang Li, Yu Jiang, Wenqi Jia, Liang Wu, Zhaodi Liao, Xu Sun, Canção de Weixiang, Jieqiang Fu, Yan Wang, Yong Lu, Yuting Xu, Yanhong Ni, Xinyan Bian, Changshan Gao, Xiaotong Zhang, Liansheng Zhang, Xinxin Zhang, Yunban Li, Lixin Fu, Hao Liu, Junjian Lai, Yang Wang, Yu Yuan , Shen Jin, Yan Li, Quanyu Liu, Yue Lai, Xueyang Shi, Patrick H. Maxwell, Xun Xu, Longqi Liu, Muming Bo, Xiaolong Wang, Qiang Sun, Miguel A. Esteban e Chen Liu, 9 de novembro de 2023, célula.
doi: 10.1016/j.cell.2023.10.005

Este trabalho foi financiado pelo Programa Nacional Chave de Pesquisa e Desenvolvimento da China, pela Fundação Nacional de Ciências Naturais da China, pelo Projeto Chave de Ciência e Tecnologia do Município de Xangai, pelo Programa Estratégico de Pesquisa Prioritária da Academia Chinesa de Ciências e pela Frontier Science. Programa de Pesquisa Básica. Da Academia Chinesa de Ciências, do Programa Nacional Chave para Inovação Científica e Tecnológica 2030 e do Projeto de Pesquisa Básica de Shenzhen para Jovens Pesquisadores Extraordinários.

READ  Covid BA.2 rapidamente ignorado nos EUA pela variante BA.2.12.1 - Prazo

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *