O que acontece quando você remove uma área protegida? Caso brasil

O que acontece quando você remove uma área protegida?  Caso brasil

Uma área protegida é uma das ferramentas de política ambiental mais utilizadas. final de 2019, 15% dos ecossistemas terrestres Eles estavam sujeitos a tal medida de conservação. O número que permanece menor que 17% é a meta definida pela União Internacional para a Conservação da Natureza para 2020.

Uma área protegida é definida pela União Internacional para a Conservação da Natureza como “uma área geográfica claramente definida, reconhecida, dedicada e administrada, por qualquer meio eficaz, legal ou não, a fim de garantir a conservação da natureza a longo prazo, bem como os serviços ecossistêmicos e valores culturais associados. ”com ele”. O primeiro deles foi criado no final do século XIXNS século nos Estados Unidos, antes de seu uso se espalhar no final do século XX.NS século, especialmente em 1992, após a cúpula da CDB no Rio.

Às vezes, alocando recursos insuficientes

A importância das áreas protegidas Eles são frequentemente questionados porque geralmente estão localizados onde os ecossistemas estão ligeiramente ameaçados.

Assim, um certo número de trabalhos científicos tem mostrado que não é muito eficaz, porque protege os ecossistemas que a geografia (neste momento) já protege naturalmente.

Biodiversidade: Cada vez mais áreas protegidas, mas … (EURO NEWS / YOUTUBE, 23 de maio de 2021).

Também não se trata de emitir uma ordem para proteger um território para que seja efetivamente protegido. A fim de evitar a caça furtiva ou a apropriação fraudulenta da terra, os meios adequados devem ser alocados para essa proteção.

No Brasil, mesmo que poucos recursos sejam alocados para sua gestão, Áreas Protegidas Federais, que têm dotações mais altas e taxas de desmatamento mais baixas do que aquelas exigidas pelos estados.

Obstáculos ao desenvolvimento populacional

Por fim, o apoio da população é fundamental. Quando localizadas em terras lucrativas, as áreas protegidas podem impedir a criação da infraestrutura necessária para o desenvolvimento econômico local.

Privar uma parte da população dos recursos do ecossistema a que sempre teve acesso pode ser interpretado como uma forma de colonialismo verde A eficácia desse tipo de ferramenta é fortemente questionada.

uma estude No estado do Acre, no Brasil, ele mostrou que as áreas protegidas são mais importantes em áreas com forte pressão econômica quando permitem um determinado uso de recursos.

READ  Scolari retorna ao Atlético Mineiro

As regiões nem sempre são sustentáveis

Em geral, a sustentabilidade dessas medidas preventivas é algumas vezes questionada. No Brasil, o governo federal e os estados às vezes suprimem, reduzem ou desclassificam um certo número de áreas protegidas.

Grandes conservação internacional Ele registra de forma abrangente esses eventos em uma escala global. No Derya Kilis nesteEsses dados permitiram analisar suas causas e consequências, em termos de desmatamento e desenvolvimento local.

A Amazônia brasileira é um estudo de caso interessante que explora as políticas de áreas protegidas e os efeitos de sua remoção. Eles se concentram em recursos florestais abundantes e ricos em biodiversidade e constituem um cenário para o desenvolvimento agrícola intensivo. No entanto, a taxa de desmatamento, especialmente associada às atividades agrícolas, chegou a 12.000 quilômetros quadrados2/ ano, com diferenças estatisticamente significativas por período.

Embora a Amazônia brasileira concentre mais da metade das unidades de conservação brasileiras, os eventos do PADDD começaram a se intensificar na década de 2000, com a reorganização da rede de unidades de conservação. Em seguida, acelerou drasticamente em 2010, sob a influência Desenvolvimento de infraestrutura, extração de recursos e reivindicações de terras. Em 2014, quase 242.000 km2 Dos territórios palestinos foram submetidos a alguma forma de degradação e cerca de 828.000 km2 Outras áreas protegidas estavam em risco.

Áreas protegidas e desmatamento na Amazônia brasileira.
De autoria da IUCN e UNEP-WCMC (2016), Hansen et al. (2013)

Na intersecção da necessária conservação dos ecossistemas florestais e forte pressão para o desenvolvimento econômico, a questão da conservação ou eliminação de áreas protegidas é crítica.

Embora o Brasil enfrente muitos desafios em termos de erradicação da pobreza, aumentar as áreas protegidas na Amazônia brasileira é parte de sua estratégia para reduzir as emissões de gases de efeito estufa que o governo se comprometeu em Paris em 2015.

Trade-offs entre desenvolvimento e conservação

As autoridades públicas podem decidir retirar uma área protegida por várias razões. Quais são esses fatores que podem levar a essa exclusão?

READ  Macron no Brasil: O que é a bioeconomia?

Este pode ser o caso, por exemplo, se esta área estiver localizada em uma área com pouca floresta onde o desmatamento é baixo. Portanto, isso só deve aumentar ligeiramente, se aumentar, após a remoção.

Também pode ocorrer se estiver localizada em uma área de alta pressão econômica e o desmatamento na área ainda for alto.

As áreas protegidas também podem ser removidas se forem consideradas como impedindo o potencial de desenvolvimento econômico da área em questão.

em um estudeRessaltamos a importância das pressões relacionadas ao desenvolvimento econômico. A presença de centros de comunicação que facilitam o transporte próximo às áreas protegidas oferece oportunidades econômicas adicionais, além das limitações que representam.

As metas de conservação também têm algum peso no processo de tomada de decisão: as reduções no tamanho das áreas protegidas são menos controversas quando se tornam ineficazes (já removidas) e mais caras (maiores e mais restritivas).

Não necessariamente mais desmatamento

Então, é claro, surge uma pergunta: a remoção de uma área protegida aumenta o desmatamento na área em questão?

Quando as pressões econômicas são baixas – nos estados isolados da Amazônia e Roraima, por exemplo – isso não afeta o desmatamento. Nessas áreas protegidas, o último era baixo porque a terra em questão não era lucrativa.

Onde as pressões econômicas são maiores, perto de estradas no Estado do Pará, as reduções em áreas protegidas também não afetaram o desmatamento; Especialmente porque ele estava alto em todas essas áreas.

Mas em Rondônia, onde pequenas áreas protegidas já foram desmatadas, o desmatamento parece ter se acelerado.

Caso # 1: As reduções de PA não têm efeito sobre o desmatamento porque a terra não é muito lucrativa.
Kelis (2021)
Caso 2: As reduções de PA não afetam o desmatamento porque as PAs não têm sido eficazes na proteção das florestas.
Kelis (2021)
Caso 3: As áreas protegidas encurtadas já foram desmatadas, mas o desmatamento continuou a acelerar.
Kelis (2021)

Efeitos econômicos contrastantes

Resta saber quais populações se beneficiam das reduções em áreas protegidas. As razões econômicas para a supressão, rebaixamento ou às vezes até rebaixamento de áreas protegidas são muitas e vão desde o desenvolvimento de atividades extrativas em grande escala até o licenciamento de turismo de baixa intensidade.

READ  Desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 22% em um ano

Essas áreas também podem contribuir para o desenvolvimento econômico local ao melhorar o acesso aos recursos florestais para as pessoas que delas dependem, seja para a construção de infraestrutura ou mesmo para a atividade turística. Em geral, a remoção de uma área já protegida ajuda a reduzir a desigualdade?

Em alguns casos, a proteção foi simplesmente reduzida por cortes e omissões de áreas protegidas. Aqui, a classe média alta, com renda de 2 a 3 salários mínimos, cresceu próximo às estradas. Esse resultado pode vir do enriquecimento de famílias pobres ou da emigração de famílias de classe média alta.

Nesse caso, a redução da proteção teria permitido um melhor acesso às oportunidades econômicas associadas ao desenvolvimento de barragens e rodovias, por exemplo.

Noutros casos, o tipo de protecção foi alterado ou simplesmente aumentado devido à criação de novas zonas. Aqui, as disparidades diminuíram. A classe média com menos de meio salário mínimo cresceu, enquanto as famílias sem renda diminuíram.

Isso pode vir do enriquecimento de famílias mais pobres se as áreas protegidas permitirem o desenvolvimento de atividades turísticas, o acesso aos recursos florestais ou a migração de famílias de classe média baixa … Porém, também é possível que famílias sem renda possam migrar para áreas mais estáveis., se novas atividades econômicas associadas a uma mudança na proteção impedirem seu acesso à madeira.

Diversidade de situações, diversidade de influências

As remoções de AP ocorrem porque as chances de desenvolvimento são altas; Ou porque as áreas protegidas se mostraram ineficazes. Em cada caso, os trade-offs operam entre a conservação e o desenvolvimento.

No primeiro caso, o desmatamento pode acelerar o desmatamento, mas pode fornecer oportunidades de desenvolvimento para a população local. No segundo, não acelera necessariamente o desmatamento, mas tem pouco impacto no desenvolvimento.

Na Amazônia brasileira, as taxas de desmatamento não diminuíram desde 2014, e aumentaram desde 2018 e a eleição de Jair Bolsonaro, o que reflete Mudanças de política Desfavorável à proteção dos ecossistemas.

Em geral, como acontece com um grande número de estudos de avaliação de políticas públicas, as análises do impacto das políticas de conservação devem levar em consideração as situações geográficas, socioeconômicas e temporais heterogêneas que permitem um melhor entendimento dos sub-mecanismos. Explique a discrepância nos resultados dessas políticas.

Philip Delacotte, diretor de pesquisa em economia, Enray E Derya KilisPhD em Economia Ambiental, Enray

Este artigo foi republicado de Conversação Sob uma licença Creative Commons. Leia oartigo original.

Leia também:

Estudo revela que a floresta amazônica se tornou uma fonte de dióxido de carbono

Brasil: Ministro do Meio Ambiente é suspeito de promover contrabando de madeira

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *