O risco apresentado pela Omicron continua “muito alto” de acordo com a Organização Mundial de Saúde

A Organização Mundial de Saúde alertou na quarta-feira que o risco apresentado ao mundo pela variante altamente contagiosa do coronavírus, Omicron, continua “extremamente alto”.

• Leia também: direto | Últimos desenvolvimentos no COVID-19

• Leia também: A Organização Mundial da Saúde espera um “número significativo” de hospitalizações, mesmo que a Omicron acabe sendo menos grave

A Organização Mundial de Saúde adverte em seu Boletim Epidemiológico Semanal que “o risco geral associado à nova e preocupante variante Omicron permanece muito alto”.

A OMS acrescenta: “Evidências confiáveis ​​mostram que a variante Omicron tem uma vantagem de crescimento sobre a variante delta a uma taxa de multiplicação de dois a três dias”, observando que “um rápido aumento na incidência de casos foi observado em vários países. ”

“O rápido crescimento está provavelmente relacionado a uma combinação entre a perda de imunidade e um aumento intrínseco na transmissibilidade da variante omicron”, disse a mesma fonte.

No entanto, a OMS destacou uma queda de 29% nos casos na África do Sul, país que foi o primeiro a relatar essa variante à OMS em 24 de novembro.

A Organização Mundial da Saúde indicou anteriormente que os dados da Grã-Bretanha, África do Sul e Dinamarca – que atualmente têm as maiores taxas de infecção – indicam um risco menor de hospitalização por omicron em comparação com a fórmula delta.

No entanto, são necessários mais dados para entender a gravidade que o Omicron representa em termos de sinais clínicos, incluindo uso de oxigênio, ventilação mecânica e mortalidade. Além disso, como esse risco pode ser afetado por uma infecção ou vacinação anterior por COVID.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o número total de casos novos na semana que terminou no domingo aumentou 11% em relação à semana anterior, enquanto o número de mortes diminuiu 4%.

READ  Terremoto de magnitude 7,2 atinge o Haiti

“Isso corresponde a pouco menos de 5 milhões de novos casos e mais de 44.000 novas mortes”, acrescentou a OMS.

O maior número de casos foi registrado nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Itália.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *