O rover persistente está encontrando evidências de inundações antigas em Marte, dizem os pesquisadores

O rover persistente está encontrando evidências de inundações antigas em Marte, dizem os pesquisadores

O persistente rover, que passou meses viajando para Marte, não poderia ter pousado em um lugar mais interessante.

Cratera de Jezero – Um trecho seco de rochas marcianas varrido pelo vento onde o rover pousou em fevereiro Já foi o leito de um lago alimentado por um antigo rio com enchentes tão poderosas que podiam mover rochas, dizem os cientistas.

esses resultados, Foi publicado na semana passada na Science, confirmou as suspeitas dos cientistas de que a cratera continha um lago há milhões de anos e também indica que esta parte de Marte teve um passado quente e úmido com um ciclo de água mais complexo do que se conhecia.

“Havia rios fluindo aqui”, disse Katie Stack Morgan, cientista do projeto Mars 2020 e autora do artigo de pesquisa sobre a paisagem de Jezero há cerca de 3,5 milhões de anos. “Talvez Jezero fosse um bom lugar para se viver e esse ambiente tenha evoluído com o tempo.”

Mais estudos podem ajudar os pesquisadores a entender por que o planeta está secando e fornecer novas pistas sobre se o planeta já sustentou vida.

Vista do solo

A nova perspectiva – graças à perseverança – e o trabalho de investigação geológica dos cientistas tornaram essas ideias possíveis.

O rover, que transmitiu imagens da superfície da cratera para a Terra, forneceu aos cientistas novas vistas que não podem ser vistas do espaço.

“O que você acha que vê da órbita de Marte pode não ser o que você vê quando entra em uma cratera no nível dos olhos”, disse Stack Morgan.

Imagens de superfície corroboram a teoria dos cientistas de que Jezero já conteve um lago profundo.

READ  A razão surpreendente pela qual a lua tem menos crateras do que deveria ser

As imagens também deram aos cientistas, incluindo os 39 autores do artigo científico, a capacidade de analisar as camadas de rocha em um afloramento chamado Kodiak. Os pesquisadores descobriram que essas camadas correspondem a como os deltas dos rios apareceram na Terra, indicando o fluxo de água para o antigo lago.

Mas o visual também continha algumas surpresas. Em outras falésias perto de Kodiak, os cientistas notaram grandes rochas – algumas com até cinco metros de largura e moldadas pela água – nas camadas superiores das formações, de acordo com o artigo científico.

Eles suspeitam que as rochas foram depositadas durante grandes inundações, poderosas o suficiente para transformar rapidamente a bacia hidrográfica de Marte.

Eles não sabem o que causou essas enchentes, mas especularam no jornal que chuvas fortes, rápido derretimento da neve ou mudanças no gelo glacial poderiam causar enchentes.

“Pode ser muito difícil reconstruir esse tipo de coisa”, disse Stack Morgan.

Procurando por sinais de vida

Perseverance é o primeiro rover a coletar e armazenar amostras de rocha marciana.

Stack Morgan disse que é emocionante saber com certeza que o rover irá visitar e coletar amostras de um antigo lago alimentado por um rio.

Isso significa que o rover terá acesso a uma variedade de tipos de rochas que foram depositadas na cratera. O rover também deve ser capaz de alcançar e amostrar porções de antigos leitos de lagos, disse ela, que são “exatamente o tipo de leito na Terra que é ótimo para matéria orgânica e bioassinaturas”.

O rover pode estar no lugar certo para responder a algumas das perguntas mais profundas da humanidade.

“É por isso que viemos para Jezero com tanta perseverança”, disse ela. “Até agora, Jezero não decepcionou.”

READ  Passe na missão de pequeno porte da NASA Marte para revisão

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *